Início » Internet » Microsoft Edge usará mesma base do Google Chrome e poderá rodar até no macOS

Microsoft Edge usará mesma base do Google Chrome e poderá rodar até no macOS

Microsoft Edge vai usar Chromium, projeto de código aberto do Google Chrome; navegador poderá ser instalado no Windows 7 e 8

Felipe Ventura Por

A Microsoft acaba de confirmar que o navegador Edge vai adotar o Chromium, projeto de código aberto usado no Google Chrome. Além disso, o browser poderá ser instalado no Windows 7 e 8, além do Windows 10; e talvez chegue ao macOS. A empresa diz que isso vai aumentar a compatibilidade com os sites na web. As mudanças começam em 2019.

Joe Belfiore, vice-presidente corporativo do Windows, explica que o Microsoft Edge no desktop vai migrar “para uma plataforma web compatível com o Chromium”. A ideia é oferecer maior compatibilidade com os sites já existentes, e reduzir a fragmentação para desenvolvedores web.

Além disso, o Microsoft Edge será oferecido “para todas as versões suportadas do Windows”, incluindo o Windows 7, 8 e 10. Belfiore também promete atualizações “com uma cadência mais frequente”. E ele diz que o navegador poderá aparecer em outras plataformas, como o macOS.

As mudanças internas no Microsoft Edge chegarão apenas em 2019, então os usuários não verão diferenças por enquanto. A empresa vai oferecer prévias para desenvolvedores web no ano que vem.

“Nossa intenção é alinhar a plataforma web do Microsoft Edge simultaneamente (a) com padrões da web e (b) com outros navegadores baseados no Chromium. Isso fornecerá compatibilidade aprimorada para todos e criará uma matriz de teste mais simples para desenvolvedores web”, escreve Belfiore.

Microsoft Edge responde por 4% dos acessos no desktop

A Microsoft também está ajudando a desenvolver o Chromium: “pretendemos nos tornar um contribuidor significativo para o projeto”, diz Belfiore. Ela vem fazendo contribuições (commits) para que o navegador seja compatível com o Windows 10 em processadores ARM.

A empresa diz que a mudança reflete sua maior participação na comunidade de código aberto. Ela é integrante da Linux Foundation; licenciou 60 mil patentes de graça para Linux e Android; e criou uma distribuição própria do Linux para seus serviços na nuvem.

No entanto, é notório que o Microsoft Edge nunca se tornou amplamente usado. Ele responde atualmente por apenas 4% dos acessos no desktop, segundo o StatCounter, contra 72% do Chrome. É mais um sinal de que o Google venceu a guerra dos browsers.

Com informações: Microsoft.

Tecnocast 070 – É o fim da guerra dos browsers?

Em um passado muito distante (pelo menos em anos de internet), um dos passatempos preferidos dos aficionados por tecnologia era testar vários navegadores diferentes e torcer pela dominância do seu predileto. Navegador (assim como antivírus e sistema operacional) era como time de futebol: você escolhia um e o defendia até o fim.

Mas, segundo Andreas Gal (ex-CTO da Mozilla), esses tempos ficaram para trás. O Chrome não só venceu, como é bem possível que todos os seus concorrentes estejam mortos em dois ou três anos (menos o Safari). Será? Dá o play e vem com a gente!

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

stephaniefaris

rbnamerico I agree

Celso

Em tese, pode ser.
Mas na prática, o negócio é mais complicado.

Celso

É a filosofia atual da Microsoft.
Desenvolvedores primeiro, usuários depois.

Diferente do passado, onde eram usuários primeiro, desenvolvedores depois.

Na minha opinião, o correto era encontrar um equilíbrio entre satisfazer usuários e desenvolvedores.

Celso

A Microsoft atual percebeu que insistir em marcar presença plena (isto é, com contribuição em produtos e serviços 100% dela) em áreas como web e mobile não vale o esforço e o investimento, porque o público e os desenvolvedores atuais estão menos flexíveis a lidar com várias opções para uma mesma finalidade.

Eu particularmente acho que o Windows 10 Mobile no terceiro lugar já era uma coisa positiva, mas entendo o ponto de vista da Microsoft, de que não adianta estar em terceiro, com uma participação de mercado ridícula.
A mesma coisa com o Internet Explorer e o Edge.

Celso

Nessas plataformas o browser não deve mudar muito, porque lá o Edge já é obrigado a utilizar tecnologias proprietárias da Google e da Apple, respectivamente.

Essa história agora é mais nos PCs, mesmo.

Eliézer José Lonczynski

Não deu tão certo pra usuário Windows, pra Android e IOS ele é até melhor avaliados que o chrome

Isaias Freitas

parece que a Microsoft não quer saber de concorrência... vide wp.

@Sckillfer

Chromium e Chrome são quase idênticos e o consumo de recursos também. E eu não mencionei nada sobre perda de funções e mudanças na interface, mas do controle da Google sobre a web com o Blink

Henry

Ram é pra ser usada.

Rafael Moreira

Prefiro utilizar o Safari como navegador principal no macOS, e como alternativa o Google Chrome para visualizar favoritos que salvei no browser instalado no Android.

[Spetto]

A função do Flow que eu me refiro é o compartilhamento de links e textos entre desktop e mobile nativamente. Funciona como uma mistura de Pushbullet e Pocket.
Tipo, você tá vendo uma página no Opera para PC mas tem que sair e quer continuar a ler aquela página no celular, você envia ela pelo Flow, que vai enviar uma notificação com o link da página para os dispositivos conectados. Além disso, o Flow possui uma interface que lembra a de apps de mensagens, formando um histórico de páginas compartilhadas.

O único porém é que o Flow só está disponível com o Opera Touch, que parece mais um navegador conceito do que um produto final. Mas no último update, pelo menos no Android, eles liberaram a função de enviar qualquer página ou texto de outro app pelo Flow via menu compartilhar. Então você pode usar seu browser preferido no mobile e ainda enviar qualquer página pelo Flow para o Opera para PC.

Mais detalhes aqui: https://www.opera.com/pt-br...

Guilherme Alencar

A google só venceu por causa do tradutor. Caso contrário estaria ocupando o lugar do Edge porque a merda consome nada mais e nada menos que 2GB de RAM e recursos da GPU e assim vai arregaçando a máquina com tudo até no Agendador de Tarefas por causa do Módulo de Atualização Automática.

Di Almeida

Sem contar que vai acabar essa história de só ser atualizado junto com o Windows

rbnamerico

Exato, um unico motor pra se preocupar com compatibilidade, correções de bugs e implementação de recursos, e de código aberto ainda

rbnamerico

O Chromium é leve, o Chrome é que não é (mas melhorou um bocado nos ultimos 8 a 10 meses)

Chrome é a implementação do Google + Chromium, assim como o Edge passará a ser a implementação da Microsoft/Edge + Chromium, o grosso dos recursos e interface não deverá sofrer (grandes) alterações

Exibir mais comentários