Início » Negócios » Uber teve prejuízo de US$ 1,8 bilhão em 2018

Uber teve prejuízo de US$ 1,8 bilhão em 2018

Uber reduziu prejuízo (foram US$ 4,5 bi em 2017) antes de estrear na bolsa de valores; empresa quer depender menos de carros

Felipe Ventura Por

A Uber fechou mais um ano no vermelho, sofrendo prejuízo de US$ 1,8 bilhão em 2018: é uma perda bem menor que no ano anterior — foram US$ 4,5 bilhões em 2017! — e um indício de que a empresa está caminhando rumo ao lucro, ainda que aos poucos. Ela planeja fazer uma estreia na bolsa de valores este ano.

Foto via Stock Catalog/Flickr

A Reuters explica que a Uber ainda tem prejuízo devido à forte concorrência com rivais ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Ela compete na América Latina com a chinesa Didi Chuxing, dona da 99; com a Ola na Índia; e com a Careem no Oriente Médio.

Isso faz com que a Uber baixe o preço das corridas em alguns países — oferecendo cupons de desconto, por exemplo — além de aumentar o pagamento a motoristas e investir mais em marketing.

Boa parte dos custos da Uber está em marketing, gastos administrativos (como salários) e pesquisa e desenvolvimento. Manter uma infraestrutura global para conectar passageiros a motoristas ainda custa mais caro que o valor obtido nas corridas e entregas; de cada US$ 1 recebido, a empresa fica em média com US$ 0,23.

Uber quer depender menos de carros no futuro

A Uber registrou US$ 50 bilhões em corridas e entrega de comida em 2018, alta de 45% em relação ao ano anterior. Desse valor, a empresa ficou com US$ 11,3 bilhões; o restante foi para os motoristas e entregadores.

“Em 2018, a divisão de corridas manteve a liderança da categoria em todas as regiões que atendemos”, diz o diretor financeiro Nelson Chai em comunicado. Além disso, ele acredita que o Uber Eats se tornou o maior serviço online de delivery fora da China.

O executivo também menciona que as bicicletas elétricas da Jump estão em mais de uma dúzia de cidades; elas chegarão este ano a São Paulo. O objetivo da Uber é depender menos de carros no futuro: o CEO Dara Khosrowshahi acredita que, em dez anos, metade da receita global virá de serviços como o Uber Eats, bicicletas, patinetes e transporte de carga por caminhões (Uber Freight).

E a Uber vem se aventurando em transporte público. A empresa está informando rotas e horários de ônibus e trem em Denver (EUA), e permitirá comprar passagens direto do celular. Há ainda o Uber Bus, serviço de micro-ônibus para até 20 pessoas que começou a operar no Egito.

Com informações: Reuters, TechCrunch.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Fernando Augusto Casali

NA MORAL EDITOR VC CONHECE O CASO DA AMAZON QUE PEDIU DESCULPA POR TER LUCRO?

Porto Velho

Não tem como quebrar a concorrência. Ela é enorme. Tem app surgindo todo dia, muitos com modelos negócios bem mais vantajosos para os motoristas sem ficar pior pro passageiro.

Porto Velho

Quero ver quebrar toda a concorrência. Tem app surgindo todo dia, principalmente usando aplicativos genericos como o Driver Machine.

Corvo

Se a Uber fica com mais de 20% e "só" tem gastos com salários e marketing e ainda assim conseguem operar no prejuízo imagina os motoristas que tem que comprar o carro, pagar manutenção, seguro, combustível, etc.

O que tem aparecido de carros em leilão com quilometragem acima dos 300.000Km, certamente tudo de motorista de aplicativo que não tem um mínimo de controle-financeiro e esquece que um carro custa muito mais que o combustível.

Com o preço que é manter um veículo no Brasil sinceramente não sei se algum motorista consegue de fato ter lucro (a longo prazo), os que só vêem o dinheiro na conta devem achar uma maravilha e que estão rachando de ganhar, até vir uma manutenção pesada ou defeito no carro, ta aí pátios cheios para serem leiloados..

Romero machado da silva

Pagar aos poderosos corruptos, pagar os parceiros as corridas de graça ou quase de graça não fica barato. Se querem quebrar os concorrentes tem que desembolsar muita grana. Mas depois que estiverem absolutos no mercado, coitado dos clientes, nada é de graça, todo prejuízo de hoje será cobrado depois. Kkkkkkk

Romero machado da silva

Eles pagam os parceiros e não cobram de clientes, pagam os corruptos poderosos para não seguir leis, isso não é barato

Felipe

Vai ter que fazer isso eternamente então

Romero machado da silva

Vc acha que entrar nos países chutando o balde das leis, não cumprindo regras é barato, isso tem preço, chama-se corrupção, e ter que pagar aos gananciosos poderosos e governantes não e barato, não cobrar dos clientes e pagar aos parceiros para quebrar os concorrentes, sai caro também.

Romero machado da silva

Concordo e torço para isso

Romero machado da silva

Vc acha que não cobrar do cliente e pagar aos parceiros ser concorrência, isso é para matar as concorrentes e ficar sozinha e aí cobrar mais caro.

Romero machado da silva

Eles pagam para quebrar a concorrência, só isso, depois que estiverem sozinhos, o preço vai ficar bem mais caro.

Josafa Xavier dos santos

Corrupção para se manter no sistema ilegal é caro vai ser consumida pela própria ambição

Josafa Xavier dos santos

Os prejuízos só o começo
Conheço vários aplicativos que já saíram do sistema e ninguém nem lembra mais

Felipe

Isso faz com que a Uber baixe o preço das corridas em alguns países — oferecendo cupons de desconto, por exemplo — além de aumentar o pagamento a motoristas e investir mais em marketing.

Como é bom concorrência imagina se a Uber invés de competir pedisse para proibir a concorrência

Porto Velho

Eles gastam horrores pra ganhar mercado. Procure meu comentário por aí que eu citei três exemplos de como eles torram grana pra isso.

PS: não é 25%. Com a taxa fixa por corrida chega a 30%.

Exibir mais comentários