Início » Computador » Snapdragon 8c e 7c prometem PCs mais baratos com bateria para o dia todo e Windows 10

Snapdragon 8c e 7c prometem PCs mais baratos com bateria para o dia todo e Windows 10

Chips da Qualcomm complementam a linha Snapdragon para PCs, que já conta com o Snapdragon 8cx

Paulo Higa Por

Direto do Havaí — A Qualcomm apresentou nesta quinta-feira (5) três novos chips para PCs com Windows 10: o Snapdragon 8cx Enterprise, o Snapdragon 8c e o Snapdragon 7c. Os processadores equiparão notebooks que prometem um design portátil e a possibilidade de ficarem longe da tomada o dia inteiro, mesmo estando sempre conectados à internet.

Qualcomm Snapdragon 8c

O Snapdragon 8cx Enterprise nada mais é do que uma versão corporativa do Snapdragon 8cx revelado em 2018 (e que vimos no Microsoft Surface Pro X). Ele continua se baseando em uma arquitetura de 7 nanômetros, GPU Adreno 680 para dar conta de dois monitores com resolução 4K HDR e conexão 4G de até 2 gigabits por segundo. Uma nova camada de segurança mantém protegidos os dados sensíveis das empresas.

Snapdragon 8c e 7c para notebooks mais baratos

Os chips realmente novos são o Snapdragon 8c e 7c. A ideia da Qualcomm é estar em computadores com Windows 10 em faixas de preço menores: o Snapdragon 8cx era projetado para ser mais potente que o Snapdragon 855, por isso não tinha como equipar máquinas mais acessíveis, sendo que o Samsung Galaxy Book S era vendido por US$ 999 (!). Enquanto isso, o 8c e o 7c estão no nível dos processadores que encontramos nas séries 800 e 700 para celulares.

Qualcomm Snapdragon 8cx, 8c e 7c

O Snapdragon 7c tem GPU Adreno 618, a mesma que encontramos no Snapdragon 730. O desempenho do processador octa-core de 8 nanômetros é “25% melhor que o de concorrentes na mesma faixa de preço”, segundo a Qualcomm, mas os notebooks podem ter até o dobro de duração de bateria. Também há um modem Snapdragon X15, que suporta conexões 4G de até 800 Mb/s. A expectativa é que ele seja vendido em notebooks de até US$ 499, considerados “de entrada” no mercado americano.

Enquanto isso, o Snapdragon 8c é uma espécie de sucessor do Snapdragon 850, com 30% mais desempenho e um novo processo de fabricação em 7 nanômetros. Os preços dos notebooks com esse chip serão maiores (entre US$ 500 e 699), mas você já leva uma GPU superior (Adreno 675), oito núcleos Kryo 490 e um modem Snapdragon X24 4G, que pode ser substituído por um Snapdragon X55 5G, o mesmo do Snapdragon 865 para smartphones potentes de 2020.

Qualcomm Snapdragon 8c

De acordo com a Qualcomm, os notebooks na faixa dos US$ 500 com processadores x86 (leia-se: AMD e Intel) têm somente cerca de 6,5 horas de bateria; são pesados, com mais de 2 kg; espessos, com mais de 21 mm; e têm ventoinhas para resfriar o chip. Os novos Snapdragon 8c e 7c tentam eliminar esses problemas… mas criam outro: só há compatibilidade com aplicativos de Windows 10 compilados para a arquitetura ARM.

A Qualcomm não revelou quando os primeiros notebooks com Snapdragon 8c e 7c serão lançados. O Snapdragon 8cx teve adoção bem lenta, e nenhum computador com Snapdragon e Windows 10 chegou a ser vendido no mercado brasileiro até o momento.

Paulo Higa viajou para o Havaí a convite da Qualcomm.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Marcelo Coelho

Se ficar mais barato sem Windows 10 melhor ainda!

johndoe1981

É um verdadeiro paradoxo/dilema de Tostines.

Pedro S. Marques

Mas ai é q está, como fazer os devs darem suporte ao arm64 se existem poucos pcs no mercado? o 7c tá tentando justamente popularizar essa arquitetura.

Master Chief

então falta muito desktop para ser bom

Matheus Pratta

Minha intenção é justamente essa... To louquinho pra colocar minhas mãos num laptop ARM

johndoe1981
Até acho interessante esses SoCs para Windows, mas o que pega é que pouquíssimos softwares são compatíveis com a arquitetura ARM, particularmente não conheço um sequer. E rodar emulado com perda de desempenho não dá.
johndoe1981

Até acho interessante esses SoCs para Windows, mas o que pega é que pouquíssimos softwares são compatíveis com a arquitetura ARM, particularmente não conheço um sequer. E rodar emulado com perda de desempenho não dá.

Vitor Hugo
se os notebooks que saírem com eles forem leves e finos mesmo, seriam excelentes pra faculdade. colocaria um linux pra ARM e usaria os pacotes compilados pra ARM da distribuição mesmo
Vitor Hugo

se os notebooks que saírem com eles forem leves e finos mesmo, seriam excelentes pra faculdade. colocaria um linux pra ARM e usaria os pacotes compilados pra ARM da distribuição mesmo

LekyChan

até existe um emulador de x86 feito pela MS e Qualcom, mas já deu ruim com a Intel que detem a patente do x86

Thiago Moraes

Pow essa compatibilidade com aplicativos ARM que é ruim né?

Bruno Feliciano

Que bom que acabaram com aquela falácia de dizer que conseguiam rodar o Photoshop emulado em full speed.
Eu fiquei muito empolgado quando anunciaram esses chips para notebooks 2 anos atrás. Mas isso realmente só serveria bem para equipar Chromebooks (aliás pq não fazem isso?)

Comentário Mil Grau℗

Pior é que eu desejo que os programas X86/64 comecem a rodar de forma mais satisfatória em CPUs ARM, pois assim abriria um leque para que Samsung e outras fabricantes tmb possam customizar seus próprios CPUs ARM. Mas é fato que neste setor de CPUs Low voltage em laptops a Intel está mto melhor, tomara que a AMD comece a focar mais tmb nesse mercado com os Ryzen e os Embedded.

P. Herrera

Ele é ótimo, mas peca pelos softwares msm: Tudo roda emulado, logo, o desempenho é fraco, idem para a duração de bateria. Acho que a MS deveria ter esperado mais...
Nem se compara com o iPad Pro onde tudo é nativo e excelente.
Definitivamente o Surface normal é melhor escolha, pois os Intel de 10ª Gen estão ótimos.

Comentário Mil Grau℗
Eu tava empolgadaço pelo Surface Pro X, mas os reviews mostram o contrário. Seu poder de processamento bruto é inferior ao novo iPad e tmb alguns programas tem pequenos congelamentos, provavelmente por conta da arquitetura.
Exibir mais comentários