Início » Aplicativos e Software » Windows 10 recebe "winget" para instalar programas por linha de comando

Windows 10 recebe “winget” para instalar programas por linha de comando

Microsoft Windows Package Manager (winget) tem código aberto e instala Steam, WhatsApp e outros em PCs com Windows 10

Felipe Ventura Por

A Microsoft lançou na conferência Build 2020 uma nova ferramenta de código aberto para o Windows 10: trata-se do Windows Package Manager — ou winget para os mais íntimos — que permite instalar diversos programas de uma só vez usando um script de linha de comando. Ele já permite instalar programas como Steam, WhatsApp Desktop, Telegram, VLC, Slack e Spotify.

Windows Package Manager (winget)

O Windows Package Manager está disponível em preview no GitHub. Este gerenciador de pacotes da Microsoft permite instalar o Steam, por exemplo, de forma simples: você abre um prompt de comando, digita “winget install Steam” e tecla Enter.

Isso será bastante útil para desenvolvedores que precisam preparar seu ambiente de trabalho: o Windows Package Manager já consegue obter ferramentas como Python, RStudio, Ruby, Sublime Text, Ghostwriter e Vim.

Claro, o winget pode ser utilizado por qualquer pessoa, e também serve para instalar Evernote, Zoom, GIMP, WinRAR, qBitTorrent, FileZilla (cliente FTP), Calibre (conversor de e-books) e vários outros.

Windows Package Manager tem código aberto

Como nota o The Verge, os aplicativos da Microsoft Store ainda não aparecem no Windows Package Manager, mas isso está planejado para uma atualização futura. E o winget tem código aberto para que possa servir como um canal de distribuição de software.

Quanto à segurança, a Microsoft está fazendo uma verificação automática dos manifestos, isto é, do arquivo com informações essenciais de cada aplicativo. “Utilizamos o SmartScreen, análise estática, validação de hash SHA256 e alguns outros processos para reduzir a probabilidade de software malicioso entrar no repositório e na sua máquina”, explica o gerente de programas Demitrius Nelon em blog oficial.

O objetivo dessas iniciativas é conquistar mais desenvolvedores para usarem o Windows em vez de outros sistemas operacionais. Isso inclui o Windows Terminal, agora em sua versão 1.0; e o WSL (Windows Subsystem for Linux) para rodar programas do Linux sem precisar de dual boot.

Por sua vez, o Windows Package Manager pode agilizar o processo de onboarding em uma empresa. “Você poderia inserir winget install Terminal, winget install Visual Studio“, diz Scott Hanselman, da Microsoft, ao VentureBeat. “E se eu pudesse dar a você um script que configura seu computador? Assim você tem tudo do que precisa.”

Comentários da Comunidade

18 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Vinicius Vicentini

O que a Microsoft ta lançando nesse BUILD 2020 é pra aplaudir de pé

Diogo Nóbrega

Se o comando permitir atualizar também (o que é meio óbvio, mas vai que…) será uma mão na roda…

Anderson Antonio Santos Costa

Pelo menos vi vantagem no winget.
Isso facilita para desenvolvedores avançados e entusiastas do Linux trabalharem com o Windows.

Fernando Val

Ué!? Mas isso não é um dos “pontos fracos” das distribuições Linux?

Agora que a MS coloca no Windows se torna um recurso valioso?

Lucas Lopes

Acho que pelo contrário, um dos pontos fortes do Linux justamente é a linha de comando.

Fernando Val

Sou velho. Anterior à era GUI e instalei muito programa rodando o install.exe do disquete.

A questão é que uma das desculpas dos “Linux haters” é que o recurso é um “ponto fraco”. Não é “user friendly”.

Mas agora que o Windows tem seu próprio “apt/yum/pacman/snap/flatpak”, se torna um recurso valioso.

Gustavo Vieira Theml

Vc está se confundindo. As críticas a respeito do uso de linha do comando no Linux eram sobre ser o único meio de se realizar certas ações, e também das aplicações que só funcionavam sob linha de comando ao invés de terem uma GUI igual no Windows.

Juliano Ferretti

é uma das coisas que mais sinto falta usando Windows, instalei e fiz uns testes, ainda é bem limitado, mas com certeza ja ajuda bastante.

­Monika

Wut? O ponto forte das distribuições Linux é justamente o gerenciamento de pacotes…

Jardel

Já fiz uns testes. A parte da atualização depende do próprio instalador. O winget Install baixa o instalador e o inicia. Atualizei o pwsh 7.0.0 pro 7.0.1 com ele. Instalei o PowerToys, mas ele baixou a versão 0.17. Quando iniciei o PowerToy ele mesmo identificou q já existia a versão 0.18 e atualizou automático.

Osni Junior

Pensei que nunca iria ver isto nativo no Windows!
Bash vai comer solto agora x)

Diogo Nóbrega

Entendi. Acho que o PowerToys ainda não tava atualizado no “repositório”, mas esse lance dele identificar e atualizar automático é do próprio PowerToys, e não do winget.

Felipe Silva

O ponto forte da ferramenta vai ser se ela permitir repositórios próprios e fáceis de criar e gerenciar, seria muito útil para fazer manutenção em empresas sem AD, manter todos os programas alinhados na mesma versão.

Fernando Val

Você está se atendo a 15 anos no passado e confundindo em uso do terminal para editar arquivos de configuração com editores de texto.

Já há mais de 10 anos que as DEs para Linux permitem alterar as configurações do sistema sem precisar abrir o terminal. E ainda há excelentes aplicações para gestão do sistema pelo browser como o Webmin.

Por sinal, o terminal de linha de comando sempre existiu no Windows e também há uma série de programas que só rodam via linha de comando. Ou você nunca leu um tutorial que manda pressionar Windows + R no teclado e digitar um comando qualquer? No Gnome é Alt + F2.

Pra complicar mexer em configurações do Windows é muito mais complexo e arriscado que abrir um arquivo .conf num editor de textos. O editor do registro é ruim e o próprio banco de dados do registro do Windows é um lixo. Eu estudei a API do Windows por anos e desenvolvi programas que tinham suas próprias entradas no registro.

De mais a mais também há uma gama de coisas que sempre só pode ser feita no Windows por linha de comando. Mas sempre se preferiu ignorar isso.

Dito tudo isso, vamos considerar que nenhuma delas é a mesma coisa que instalar programas rodando um “apt install” ou “yum install”. Isso inclusive é muito mais simples que entrar no site do fabricante, baixar um .exe e executá-lo.

O que a MS está fazendo é trazendo o poder dos gerenciadores de pacotes para o Windows.

E foi nesse tom que eu fui sarcástico. A reclamação dos bobos é que pra instalar programas no Linux era preciso usar o gerenciador de pacotes da distribuição (yum, pacman, apt, etc.), por linha de comando. Agora que o Windows vai ter seu próprio gerenciador de pacotes, por linha de comando, isso é bom. Né?

Felipe Lima

aguardando o winget update && winget upgrade para baixar e instalar as ultimas atualizações do Win10

Participe da discussão