Início » Aplicativos e Software » Uber desiste de patinetes elétricos em São Paulo

Uber desiste de patinetes elétricos em São Paulo

Os patinetes da Uber estavam disponíveis na cidade de São Paulo desde março e, com a crise, a empresa resolveu encerrar o serviço

Darlan Helder Por

A Uber encerrou o aluguel de patinetes elétricos na cidade de São Paulo. A empresa já os havia retirado da cidade devido à pandemia de coronavírus e confirmou à Folha de S.Paulo que não pretende voltar a oferecer o serviço na capital paulista.

Patinetes elétricos da Uber em São Paulo

Patinetes elétricos da Uber em São Paulo

Os patinetes elétricos da Uber começaram a ser disponibilizados em São Paulo poucos dias antes do agravamento da crise em decorrência do novo coronavírus — em março. As viagens custavam R$ 0,90 por minuto e não havia taxa para desbloquear o patinete.

Durante a fase inicial, o serviço estava disponível na região do Ibirapuera, marginal Pinheiros, avenida Cidade Jardim, Vila Olímpia e em apenas uma área da avenida Brigadeiro Faria Lima, famosa por concentrar muitos usuários.

A Uber, assim como outras empresas do setor, vem deixando de atuar no aluguel de bicicletas e patinetes; e não é só no Brasil. A companhia vem dando prioridade para os outros serviços já consolidados no país: Uber (transporte por aplicativo) e Uber Eats.

No mês de maio, a Uber passou os serviços de patinetes e bicicletas para a Lime, que também não conseguiu vigorar no Brasil: começou a operar em 2019 e encerrou as atividades no começo deste ano. Fora do nosso território, a Lime segue operando em outras regiões que são mais “lucrativas” e, nesses lugares, os usuários poderão solicitar patinete ou bicicleta através do aplicativo da Uber.

Vale lembrar que a Uber vem passando por momentos difíceis com entregadores de delivery insatisfeitos com a modalidade de trabalhado. Além disso, a crise causada pelo novo coronavírus afetou fortemente a receita da empresa. Ainda no mês de maio, a Uber anunciou a demissão de 3.500 funcionários e também pretende fechar ao menos 45 escritórios no mundo.

Atualizado às 12h07.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

² (@centauro)

R$0,90 por minuto, R$9 a cada 10 minutos.
Eu não sei a velocidade e a qualidade desses patinetes ou das regiões onde eram disponibilizados, mas eu acho que eu prefiro correr por 10 minutos e comprar uma água por R$3 depois do que gastar R$9 e me deslocar por 10 minutos na cidade em cima de um patinete.

imhotep (@imhotep)

Dependendo do trajeto, sai mais barato ir de Uber.

A ideia do patinete é usar para trajetos curtos. Mas nesses casos prefiro ir a pé.

@Banana_Phone

Eu nunca acreditei que os patinetes fossem vingar, uma corrida de Uber é mais segura e mais barata. Único meio que tinha um preço acessível e valia a pena eram as bicicletas da Yellow, mas infelizmente não existem mais.
Continuamos com as bicicletas do Itaú, que consegue manter a qualidade pois usam as bicicletas mais como forma de publicidade, do que como um produto rentável, o único problema é que precisam ser deixadas nos pontos das bicicletas, não dá pra deixar em qualquer canto.

@ksio89

Mais rápido, confortável e seguro andar de Uber, cobrando 54 reais a hora não tinha como vingar mesmo.

@teh

Patinete era pra brincar
Ruim foi ter perdido as bikes…

imhotep (@imhotep)

Eu falo isso com conhecimento de causa, apesar de muitos pares meus acharem o contrário - patinete, bicicleta funciona muito bem em cidades pequenas e planas como Paris, Amsterdã, Copenhagen, etc.

Numa cidade de 12 milhões de habitantes como São Paulo, esse tipo de modal de transporte deveria ser para trajetos curtos, entre estações de metrô e ônibus.
Mas existe uma parte de pessoas q querem q o modal de transporte seja para a cidade toda, ou seja, vc sai lá de Santana e vai parar lá no Morumbi, de bicicleta.

Não vai funcionar assim. Mesmo q o poder público espalhasse ciclovias pela cidade, o q já é difícil, as distâncias são muito longas, diferente das cidades q eu citei e q os favoráveis à ideia sempre falam.

Nada impede alguém de atravessar a cidade, correndo riscos. Mas é aquele negócio - é uma pessoa em mil q vai fazer isso.

Aí vem a questão do preço desses modais, como eu comentei na postagem anterior. Mais barato pegar outra forma de transporte.