Início » Gadgets » Ar-condicionado portátil vale a pena?

Ar-condicionado portátil vale a pena?

Não espere um ar-condicionado tão silencioso ou potente quanto um split, mas um portátil resolve o problema do calor

Paulo Higa Por

Quando o dia está muito quente, não existe solução boa e barata. Um ventilador faz o ar circular, mas não reduz a temperatura do ambiente. E os climatizadores até conseguem enganar quando o ar está seco, mas não resolvem totalmente o problema. A melhor saída possível é o ar-condicionado. Mas será que vale a pena comprar um desses modelos portáteis, que podem ser instalados em qualquer lugar?

Ar-condicionado portátil faz muito barulho? Refresca o ar de verdade? Como é a instalação e a manutenção? Eu tive a oportunidade de testar um ar-condicionado portátil da LG nas últimas ondas de calor e respondo tudo nos próximos minutos.

Em vídeo: ar-condicionado portátil é bom?

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente de tecnologia que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises de produtos são opinativas e não possuem nenhuma intenção publicitária. Por isso, sempre destacamos de forma transparente os pontos positivos e negativos de cada produto.

Nenhuma empresa, fabricante ou loja pagou ao Tecnoblog para produzir este conteúdo. Nossos reviews não são revisados nem aprovados por agentes externos. O Dual Inverter Voice Portátil foi fornecido pela LG por doação. O produto será usado em conteúdos futuros e não será devolvido à empresa.

Se você pode ter um ar-condicionado split, não vale a pena

Eu poderia te forçar a ver este conteúdo até o final, mas já começo dando adeus para boa parte da audiência: se você pode instalar um ar-condicionado fixo, como um modelo split, não vale a pena comprar um portátil.

Se você pode instalar o split, instala o split, uai (Foto: Divulgação/LG)

Se você pode instalar o split, instala o split, uai (Foto: Divulgação/LG)

Por mais que as fabricantes tenham investido em tecnologias para melhorar os ares-condicionados portáteis, existem limitações inerentes a esse tipo de produto. Um portátil nunca será tão silencioso quanto um split, nunca resfriará o ar tão rápido quanto um split e nunca terá uma eficiência energética tão boa quanto um split.

Faz sentido comprar um modelo portátil se você, por exemplo, mora em um imóvel alugado e não conseguiu negociar a instalação de um ar-condicionado fixo com o proprietário, ou se você vive em um prédio que não permite um ar-condicionado split porque isso caracterizaria alteração de fachada (é a minha situação).

Agora, se você não se enquadra nesses casos, é melhor e mais barato comprar e mandar instalar um ar-condicionado split.

Minha experiência é com um modelo da LG, mas…

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Meus julgamentos se concentram no LG Dual Inverter Voice Portátil, que é o modelo que estou usando há meses, mas decidi que falar sobre a categoria de ares-condicionados portáteis como um todo poderia ser mais útil. Por isso, embora eu comente algumas especificidades da LG, boa parte das opiniões também é válida para outros equipamentos.

Este modelo da LG foi lançado no Brasil por R$ 4.599 e é um dos mais caros do mercado. Ele tem capacidade de 14.000 BTUs, compressor Dual Inverter, conectividade Wi-Fi e integração com Alexa e Google Assistente para comandos de voz. Existem equipamentos à venda no Brasil com preços a partir de R$ 1,5 mil, que podem não ser tão potentes e não trazer os recursos extras que encarecem o modelo da LG, mas cujo modo de funcionamento é semelhante.

Instalação rápida e fácil

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A primeira vantagem do ar-condicionado portátil é a facilidade na instalação. No caso do LG Dual Inverter Voice, eu demorei menos de uma hora entre tirar o equipamento da caixa, dar uma olhada rápida no manual, instalar o produto na janela do escritório e apertar o botão de ligar. A maioria dos modelos portáteis é fácil de instalar e não exige nenhuma obra específica, como furar a parede ou adaptar o ponto de energia elétrica.

Qualquer ar-condicionado de verdade tem duas partes: uma evaporadora e uma condensadora. Simplificando bastante, a evaporadora é a parte que todos conhecem, porque é de onde sai o ar gelado, enquanto a condensadora, que normalmente fica do lado de fora, tem um fluido refrigerante para trocar calor e expulsar o ar quente. Em um portátil, essas duas partes estão na mesma unidade.

Tem uma mangueirona ali para tirar o ar quente (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Tem uma mangueirona ali para tirar o ar quente (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O ar-condicionado portátil ainda precisa expelir o ar quente e isso é feito através de uma mangueira voltada para fora do ambiente, normalmente conectada à janela. No modelo da LG, o equipamento acompanha placas adaptáveis que podem funcionar em janelas com abertura horizontal ou vertical, com tamanhos de 58,5 cm até 152,5 cm. Então, basta medir a janela, ajustar o tamanho da placa e então fixá-la no batente.

Ar-condicionado portátil, mas calma aí

Tenha em mente que um ar-condicionado “portátil” não é tão “portátil” quanto o nome pode sugerir. Como você precisa instalar uma saída de ar na janela, é teoricamente possível, mas não prático, mover o equipamento de um cômodo para o outro.

Primeiro porque você precisa remover a placa de montagem de uma janela e instalá-la em outra, que fatalmente terá uma altura ou largura diferente. Outra opção é comprar uma segunda placa e deixar um buraco na janela do cômodo quando o ar-condicionado não estiver conectado (e a placa impede o fechamento completo da janela).

É portátil? Teoricamente é, mas você não vai querer ficar movendo ele (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

É portátil? Teoricamente é, mas você não vai querer ficar movendo ele (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Segundo porque estamos falando de um equipamento pesado e volumoso. Apesar de ter rodinhas de transporte, o LG Dual Inverter Voice Portátil pesa 32 kg e a maioria dos concorrentes fica na mesma faixa. Além disso, você precisa respeitar a distância entre o ar-condicionado e a parede (pelo menos 50 centímetros em todos os lados) e considerar que a mangueira também ocupa muito espaço. Na prática, um portátil ocupa mais espaço que um fixo.

Sim, faz mais barulho que um ar-condicionado normal

Assim que liguei o ar-condicionado, o ruído foi o primeiro detalhe que notei. Não tem jeito: como a condensadora fica dentro do ambiente, o barulho do compressor também fica bem perto de você. A LG diz que seu modelo é um dos mais silenciosos do mercado por ser o primeiro portátil com compressor Dual Inverter, mas a verdade é que não há como fazer milagres.

Ar-condicionado portátil faz mais barulho, não tem jeito (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Ar-condicionado portátil faz mais barulho, não tem jeito (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

No meu caso, com a temperatura já estabilizada e o ventilador na velocidade mais baixa, o Dual Inverter Voice Portátil emitiu um ruído médio de 52 dB estando a cerca de 2 metros do equipamento, o que é equivalente a uma conversa em tom normal. No modo sleep, o ruído ficou em aproximadamente 47 dB, um pouco acima dos 44 dB que a LG promete. Só para referência, existem modelos split que chegam a apenas 19 dB na unidade interna, algo tão silencioso que eu nem consigo medir.

Como o barulho gerado pelo ar-condicionado portátil é constante e mais grave, um fone com cancelamento ativo já é capaz de eliminar o ruído enquanto você estiver trabalhando, por exemplo. Mas, para dormir, mesmo no modo sleep, o ruído fica em um nível que me atrapalha. A solução em noites quentes foi resfriar bem o ambiente e desligar o equipamento antes de pegar no sono.

Gela rápido, dentro das expectativas

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Quanto ao resfriamento, um ar-condicionado portátil é quase tão bom quanto um modelo convencional para reduzir a temperatura, mas demora um pouco mais para atingir o mesmo resultado e não chega nos extremos.

Nos meus testes, com um cômodo de 9 metros quadrados, inicialmente a 28 ºC, o Dual Inverter Voice Portátil demorou cerca de 40 minutos para estabilizar em 20 ºC em todo o ambiente. Parece bastante tempo e realmente é, se você considerar que o equipamento está superdimensionado para o local: 14.000 BTUs deveriam facilmente dar conta de 20 metros quadrados. Mas como o ar-condicionado emite um ar gelado assim que é ligado, a sensação térmica é ótima desde os primeiros segundos.

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Tenha em mente que a minha referência é o calor paulistano, que não costuma ser tão forte quanto em algumas regiões do país, embora haja dias de surpresa. Em um dia bem quente para os meus parâmetros, com temperatura de 34 ºC e sol incidindo diretamente no ambiente, o ar-condicionado portátil da LG trabalhava no máximo e não conseguia baixar de 23 ºC.

Não que 23 ºC seja ruim, ainda mais quando a temperatura lá fora está 11 graus mais alta, mas o problema é que o ar-condicionado trabalha mais enquanto não atinge a temperatura desejada e, consequentemente, pode consumir mais energia. Por isso, ter ciência das limitações do equipamento é importante para não receber uma surpresa na conta de luz: não adianta colocar o ar-condicionado no 16 ºC e esperar que o gasto seja o mesmo.

Gasta energia elétrica, mas compensa

Falando em energia, um ar-condicionado portátil tem consumo equivalente ao de um modelo convencional de mesma capacidade. Nos meus testes, o aplicativo LG ThinQ mostrou um consumo de 52 kWh em um período de 30 dias para ficar ligado por 107 horas. Isso é o equivalente a 3h30min por dia, se o equipamento fosse usado todos os dias.

Consumo de energia do ar-condicionado portátil (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Consumo de energia do ar-condicionado portátil (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O custo da energia elétrica varia bastante de acordo com a região do país. No meu caso, o consumo passou de 190 kWh para cerca de 250 kWh, o que elevou o valor da conta de luz da Enel de R$ 150 para R$ 200.

Cinquenta reais por mês não é pouco, mas considero que é um valor justo a se pagar para ter maior conforto térmico. E, levando em conta a pandemia, que fez muita gente sair do escritório para trabalhar em casa, esse é um gasto que mais pessoas devem estar dispostas a arcar.

Manutenção sem segredos

A manutenção de um portátil é quase a mesma de qualquer ar-condicionado convencional. Dois componentes precisam de maior cuidado: o filtro de ar e o reservatório de água.

O filtro de ar sujo diminui o fluxo de ar e a eficiência do ar-condicionado, por isso é preciso limpá-lo periodicamente. No caso da LG, a empresa recomenda a limpeza a cada duas semanas com um aspirador de pó. Se o filtro estiver muito sujo, pode ser lavado com água corrente e detergente neutro, com secagem à sombra.

Já o reservatório de água enche de acordo com o uso. Como o nome sugere, a condensadora do ar-condicionado condensa o fluido refrigerante (que é um gás) e o transforma em líquido. Em um ar-condicionado convencional, a condensadora simplesmente jogaria a água para fora do ambiente por meio da mangueira. No portátil, a água se acumula em um reservatório e, quando o aparelho sinalizar que está cheio, é preciso esvaziá-lo para que a operação continue.

E aí, ar-condicionado portátil vale a pena?

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Ar-condicionado portátil LG Dual Inverter Voice (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O ar-condicionado portátil é o meu exemplo de “bom não é inimigo do ótimo”. Ele nunca vai ser tão silencioso ou eficiente quanto um split, mas funciona muito bem para o que se propõe.

Falando especificamente do LG Dual Inverter Voice Portátil, para quem está em dúvida sobre uma decisão de compra, o aparelho é mais caro que a média do mercado, mas resfria bastante, é fácil de instalar e é silencioso na medida do possível. Mas é melhor adquirir esse modelo por causa da parte “ar-condicionado”, não “ar-condicionado inteligente”. Isso porque, para mim, as funcionalidades extras por software não valem o que custam.

Aplicativo LG ThinQ tem erros crassos de localização e trava com frequência (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Aplicativo LG ThinQ tem erros crassos de localização e trava com frequência (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Infelizmente, o aplicativo LG ThinQ é péssimo. No começo, ele tinha uma série de traduções erradas que me incomodavam, mas pelo menos funcionava bem. Depois de uma atualização em meados de setembro de 2020, que mudou completamente a interface, o aplicativo ficou lento e travado, quase inutilizável, tanto no Android quanto no iPhone. As reclamações no Google Play e na App Store foram generalizadas. Não é bom depender da parte inteligente do equipamento, portanto.

Mas, independente do modelo escolhido, se você não pode sair furando a parede e instalar um ar-condicionado enorme por aí, um ar-condicionado portátil pode ser uma excelente opção de compra. Ele vai exigir um gasto significativo no começo, mas o custo pode compensar bastante. Especialmente se você é calorento como eu.

Atualização em 26 de outubro: a LG lançou uma nova versão para iOS (3.5.1130) do LG ThinQ que corrigiu o bug que causava travamentos no aplicativo.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
15 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Claudio Tavares (@Clavatown)

Portátil ou split, mas, e quanto ao modelo tradicional. O split, pelo que vi, precisa de instalação especializada (e cara), além de demandar mais manutenção (também cara). Meu apartamento já tem a caixa para o modelo convencional antigo. Entre o portátil e o modelo antigo, seria melhor este último?

imhotep (@imhotep)

Comprei um essa semana mas acabei devolvendo.
Mesmo portátil, é um trambolho, tem aquela chatice de adaptar a saída de ar na sua janela.
Cheguei à conclusão de que ia perder a paciência e encostar, só pelo trabalho de montar e desmontar (quartos pequenos, não tem como deixar fixo).

Tá aí o trambolho.

IMG_20200929_1057599273072×4096 2.92 MB

Alvaro Teixeira (@alvaroamt)

Eu desisti de instalar o split quando me mudei por isso. O trabalho e a obra, pois aqui no condominio a tubulação precisa ficar toda escondida. Como em mudança para um apto recém adquirido, você já gasta com tudo e mais um pouco, optei por ficar com os meus antigos mesmo.

Mas em questão de conforto, eficiência energética (consumo) e beleza, claro que um split ganha.

Aí as suas avaliações são pessoais.

Rafael Carneiro (@rafaelrenan05)

A minha experiência foi bastante parecida com a do Higa.
Tenho um portátil da marca Gree que comprei no verão de 2019.
Meu apto é pequeno, 46m², com paredes estruturais (não podem ser quebradas ou furadas senão o prédio cai) e minha única opção era o portátil.

Para mim ele é bastante satisfatório, porque no final da tarde, quando chego em casa, parece que estou entrando em um forno. Ligo ele perto de mim e em pouco tempo o ambiente já dá uma melhorada. Eu gosto mais de calor do que de frio, então uma simples refrescada com um ar mas fresco para mim já está bom.

As minhas janelas são todas de mesma altura, então fica fácil para eu encaixar a placa com a mangueira de saída de ar. Mas é realmente um porre ter de ficar movimentando ele. O cabo de energia do meu é bem curto e por ele usar bastante energia, as tomadas onde vc for ligar ele precisam ser de pino grosso (20 Amperes). Daí tive de fazer uma extensão para 20A para poder usar onde eu queria.

Essa semana aqui em Americana está um inferno de quente e todo dia estou usando ele para dormir.
No ano passado, teve um mês que usei ele quase todos os dias para dormir (8hrs ligado direto). A conta de energia aumentou mais ou menos R$90,00. É um dinheiro considerável, mas pelo conforto e qualidade de sono esse valor se pagou.

Roberto (@furutani)

Eu tenho portátil da Comfee, é muito ruidoso mas quebra um galho, principalmente porque o meu quarto pega o sol da tarde. Não dá para dormir com ele ligado.
O ar está tão seco que ele nem solta agua, só umas gotas.

Renan (@Johnsson)

Eu já tive portátil, a menos que você realmente não possa instalar um split ou janela, ele é um dinheiro jogado fora, além de ser barulhento ele consome muito mais que um normal, e a menos que ele use um sistema de dois dutos de ventilação, ele é fisicamente ineficiente.

² (@centauro)

Bom, foi apenas mencionado e não é o foco do texto, mas meu conselho é que se você mora em um local seco, dê uma chance aos climatizadores.
São bem bons pra dar aquela refrescada e umidificam o ar (dãã) por uma fração do consumo de energia (já que é basicamente um ventilador e, no máximo, uma bomba d’água) se comparado com um ar-condicionado.

O porém é que eles não conseguem resfriar um ambiente inteiro tão bem quanto um ar-condicionado, mas é muito bom deixar um climatizador ligado na sua direção.
Eu deixo um climatizador fixo no quarto e outro eu deixo livre pra colocar no cômodo em que eu for ficar por algum tempo.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Cara, fez besteira, esse é um dos melhores e mais econômicos ares portáteis, se bem
configurado é maravilhoso (eu disse SE bem configurado).

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Depende, os Olimpia Splendid consomem pouquíssima coisa a mais, e não são muito mais barulhentos que um ar normal de janelas.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Eu tive um Olimpia Splendid se bem configurado não faz um barulho tão grande a ponto de impedir o sono, vendi pro meu irmão pra pagar umas dívidas de fim de ano
(e também pq ele já é um senhor). Os níveis de ruído são: 16º C, a menor e mais ruidosa temperatura; 18º C, intermediário com um ruído que dá pra dormir; 20º C um pouco mais ruidoso que o de janela. 22º C = mesmo nível de ruído dos de janela. Eu dormia com 20º C.

Daniel Ribeiro (@danarrib)

Você se beneficiaria de uma pequena reforma na faixada do quarto. Cobrir as paredes externas com um isolante térmico ajuda muito a não deixar o calor do sol aquecer as paredes internas.

imhotep (@imhotep)

Se vc me arrumar um apartamento maior eu compro de novo.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

O negócio é o seguinte: Pode quebrar a parede? Compra Split!
Não pode, PESQUISE bem por um bom modelo de Ar portátil.
O Olimpia Splendid é bom, mas QUALQUER Ar portátil fará mais
barulho que o de janelas/Split.

Daniel Ribeiro (@danarrib)

O Higa falou tudo… É grande, barulhento e menos eficiente do que um Split. Vale a pena? SIM, vale… Mas apenas se você não puder colocar um Split. Se vc pode por Split, não pense duas vezes, vai de Split.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Mudei de ideia, vc fez um excelente negócio, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Comprar Apê? Cê é louco? kkkkk

Exibir mais comentários