Início » Computador » MacBook Air chega ao Brasil com Apple M1 e preço mais alto

MacBook Air chega ao Brasil com Apple M1 e preço mais alto

MacBook Air com Apple M1 é lançado no Brasil com macOS Big Sur e sem processador da Intel; preços começam em R$ 12.999

Bruno Gall De BlasiPor

A Apple lançou, nesta sexta-feira (11), um dos primeiros Macs com Apple M1 no Brasil, o novo MacBook Air de 13,3 polegadas. O notebook desembarca no país com preço mais alto, a partir de R$ 12.999 para a versão de entrada, até 16 GB de RAM, macOS Big Sur instalado de fábrica e sem processador da Intel.

Além do notebook, no mesmo dia, a Apple marcou a estreia dos novos MacBook Pro de 13 polegadas e Mac Mini no Brasil. Em comum, ambos contam com chip Apple Silicon, até 16 GB de RAM e SSD a partir de 256 GB. Os preços começam em R$ 8.699 e R$ 17.2.999, respectivamente.

MacBook Air com Apple M1 é lançado no Brasil (Imagem: Divulgação/Apple)

MacBook Air com Apple M1 é lançado no Brasil (Imagem: Divulgação/Apple)

A Apple já começou as vendas de seu novo notebook no Brasil com entrega grátis entre 4 e 8 de janeiro para o Rio de Janeiro. O lançamento chega ao país com desconto de 10% caso seja adquirido à vista na loja virtual da companhia. A geração do MacBook Air com Apple Silicon também pode ser parcelada em até doze vezes no cartão.

O que há de novo no MacBook Air com Apple M1?

Os novos computadores da Apple anunciados em 10 de novembro dão a largada na migração da Intel para a arquitetura ARM. Em comum, tanto os notebooks quanto o desktop possuem o chip Apple M1, que conta com processador octa-core e GPU de sete ou oito núcleos, a depender das especificações escolhidas na hora da compra.

O MacBook Air manteve o visual de sua geração anterior, com tela de 13,3 polegadas e três cores: cinza-espacial, dourado e prata. A bateria, um dos destaques, pode chegar à 18 horas de duração. Além do novo processador com arquitetura ARM, o computador também deixou a ventoinha de lado.

Durante a compra, o consumidor pode optar pelo computador com sete ou oito núcleos de chip gráfico (GPU), além de memória RAM de 8 GB ou 16 GB. O armazenamento é SSD, com opções que vão de 256 GB a 2 TB.

MacBook Apr com Apple M1 na loja da Apple Brasil (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

MacBook Apr com Apple M1 na loja da Apple Brasil (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

O preço varia de acordo com as escolhas. A versão mais simples, com 8 GB de RAM, 256 GB de SSD e sete núcleos de GPU sai a R$ 12.999. O custo final pode chegar a R$ 25.499 caso leve todos os incrementos para casa, como 16 GB de RAM, 2 TB de SSD e oito núcleos de GPU, sem a inclusão do Final Cut Pro e Logic Pro.

Diferentemente do iPhone e do Apple Watch, a Apple inclui um adaptador de tomada de 30 watts na caixa do MacBook Air, além de um cabo USB-C de 2 metros, para fazer a recarga do computador.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
19 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gabriel Lode (@Gabriel_Lode)

O preço de uma Honda PCX 0km, ou uma Yamaha Nmax, ou uma Start 160, ou até um palio com ar condicionado por esse valor, 13k para acessar internet e usar programas que tbm funcionam/rodam no Windows

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

O que é um MacBook Air perto de um iPhone. A mais chances de ganhar dinheiro usando o Mac, que o iPhone.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Pra quem quer algo diferente, tem várias distribuições Linux com os mais variados estilos, e o sujeito sequer precisa abrir mão do Windows, além de o custo de usar Linux é basicamente zero.

Filipe Espósito (@filipeesposito)

Comparar computador com carro ou moto não faz sentido algum. Meu trabalho mesmo exige um Mac e não um carro, logo pagar caro em um computador faz bem mais sentido do que comprar um carro do mesmo valor que só vai me dar gasto. Besteira achar que todo mundo tem o mesmo uso ou necessidade que você.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Tá e o que de tão especial esse Mac tem que o Windows + Hardware adequado não tem??

Filipe Espósito (@filipeesposito)

Xcode, Final Cut, Pixelmator Pro, Sketch, integração com outros aparelhos da Apple pra facilitar o workflow (AirDrop, por exemplo). Os ganhos que essas coisas me trazem no fim do dia compensam o valor da máquina, simples. Também não quer dizer que vai ser o melhor pra todas as situações. Cada um sabe sua situação e se a conta fecha ou não.

Mas falar “com esse valor você compra uma moto” é um argumento tão bobo. Da mesma forma eu posso olhar para um veículo de 12 mil e pensar “nossa, com esse preço eu compro um MacBook!”. É muito subjetivo. O que é útil pra um pode não ser pra outro.

Breno Ribeiro (@BrenoDJ)

E um scooter 150 nesse preço já é absurdo, que dirá uma Start 160.
Inclusive, meu Palio 2006, 2 portas, com ar-condicionado, que eu tenho há 2 anos e meio, custou 8.500 reais.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Bom, se a compensação for financeira sim. Tudo depende de quão vantajoso é. Se o trabalho for rentável a ponto de pagar a maquina e faze-lo ter mais trabalhos é bem compreensível o preço. Mas se for só pra economizar uma ou duas horas, sem nenhum outro benefício, acaba sendo besteira sim.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Experiência de uso centrada em um ecossistema que se retro alimenta. Transferir grandes arquivos em instantes do iPhone, para o Mac. Começar um projeto no Mac e terminar no iPad.

Se você trabalha com criação de conteúdo, Apple em geral é a ferramenta certa. FCP é o padrão da indústria para edição de vídeo, com codecs avançados como o Apple ProRes, que se tornou o padrão da indústria em Hollywood. Sendo esse ano agraciado com o Engineering Emmy Awards 72nd.

Resumo

https://9to5mac.com/2020/10/29/apple-prores-video-codec-honored-at-the-72nd-annual-engineering-emmy-awards/

Agora com o M1, se abre uma nova era do que se esperar de um computador pessoal. Aqueles pequenos detalhes como abrir a tampa do Mac e ele já estar pronto. É uma junção de coisas, e cada um tem uma experiência baseado no workflow que desempenha.

Filipe Espósito (@filipeesposito)

Economizar uma ou duas horas por dia no trabalho é grande coisa sim, viu? Principalmente se você faz isso todos os dias. Você vai ter um workflow mais ágil e vai poder fazer mais coisas, logo vai ganhar mais — ou sobrar mais tempo pra dar uma pausa. O famoso “tempo é dinheiro”. Uma coisa leva a outra. Eu concordo que é caro e que não serve pra todo mundo, mas chega a ser infantil achar que se não serve pra você, não serve pra ninguém mais porque “tal coisa custa menos” e etc.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Sim, pra quem tem muito trabalho. O que eu quis dizer é que depende da carga de trabalho que o individuo tem. Mas sim, pesquisei aqui e parece que realmente há ferramentas que fazem bastante diferença, como o Final Cut.

Bruno Cabral Peixoto (@Bruno_Cabral_Peixoto)

Tô pouco interessado nesse folhetim de propaganda, mas se o cara precisa das ferramentas que um Mac tem, realmente faz todo sentido. A única coisa que não entendo é gente que não edita (ou o faz muito esporadicamente) e compra um Mac porque sim.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Assim como tem gente que compra Windows, porque sim.

Acho que o paralelo mais fácil de traçar é com smart Watch. Existem alguns por frações de um Apple Watch. Em tese são a mesma coisa; desempenham o mesmo papel, podem se parecer a ponto de ser uma cópia descarada, mas nem de longe entregam a mesma experiência.

Esse é o selling point da Apple, experiência de uso em torno de todos os seus produtos. Um complementa o outro, e juntos formam uma unidade.

Cassiano Calegari (@Cassiano_Calegari)

Aqui estamos trocando todos os computadores da empresa para MacBooks Air e Mac Minis M1. Os motivos são vários, um dos principais é compliance, é muito caro/complexo manter compliance de segurança usando windows (funcionários usando windows, especialmente em home office, com acessos a dados e informações sigilosas não é uma boa ideia, especialmente no nosso ramo de atuação). Pode-se argumentar que se uma pessoa abre um ransomware no computador dela, talvez isso tenha sido por irresponsabilidade dela, mas quando ocorre com dados da empresa, é necessariamente um problema da empresa e um dano bem maior.

Porém trabalhamos com algumas coisas que não são facilmente usáveis em linux, como suite office, adobe acrobat, suite adobe… Claro que é possível emular e existem alternativas, mas nosso trabalho consiste especificamente em garantir compatibilidade dos documentos e integrações com alguns desses softwares, então não podemos usar alternativas e, emular com wine da vida, requer um bom tempo e dor de cabeça, pelo custo hora X homem do time de desenvolvimento o custo adicional de pagar pelos macs fica bem barato.

E claro, a principal razão: Desenvolvimento para iOS/Mac OS, da mesma forma, existem alternativas, mas todas elas demandam tempo e dor de cabeça, quando você coloca tudo isso na ponta do lápis, para nós é bem mais barato comprar os MacBooks do que perder tempo com os workarounds.

Xucalho (@Marcus_Pereira)

Isso não faz nenhum sentido Man!

Exibir mais comentários