Início » Inteligência Artificial » Mercado Livre recria voz do pai de Zico usando inteligência artificial

Mercado Livre recria voz do pai de Zico usando inteligência artificial

Propaganda do Mercado Livre usa inteligência artificial em homenagem a Zico; pai do craque não viu pessoalmente nenhum gol do filho no Maracanã

Giovanni Santa Rosa Por

José Antunes Coimbra foi pai de um dos maiores craques da história do futebol brasileiro, mas não viu pessoalmente nenhum dos 334 gols de seu filho no Maracanã. Quem é flamenguista reconhece de longe o sobrenome e sabe que estamos falando de Zico. O ex-jogador foi levado ao estádio como parte de uma campanha publicitária, mas foi surpreendido pela voz de seu pai, recriada com inteligência artificial, pedindo mais um gol para ele ver.

Zico comemora seu 335º gol no Maracanã

Zico comemora seu 335º gol no Maracanã (Imagem: Reprodução/YouTube)

O Mercado Livre, patrocinador do clube da Gávea, fez uma parceria com a Soundthinkers para recriar a voz de Seu Antunes, falecido em 1986, como parte de sua propaganda de Dia dos Pais. Usando um vídeo do arquivo pessoal de Zico e um sistema de síntese neural, a empresa criou um dicionário de voz personalizado e um novo texto com fala digitalizada. Ao site Adnews, Paulo Dytz, sócio e líder da empresa de tecnologia, diz que o processo exige cerca de 250 frases foneticamente ricas para construção do dicionário usado para recriar a fala.

O resultado é um vídeo emocionante para torcedores de todos os times – e até para quem não acompanha futebol:

Zico diz que seu pai não viu nenhum de seus gols no estádio porque, com problemas cardíacos, evitava comparecer aos jogos. Além disso, Seu Antunes ficou muito triste depois de estar presente na derrota do Brasil para o Uruguai na Copa de 1950, que tirou o que seria o primeiro mundial da Seleção — tão triste que nunca mais quis entrar no estádio.

Tecnologia para promover reencontros e lidar com o luto

Não é a primeira vez que técnicas como inteligência artificial e realidade virtual são usadas para reviver momentos com que já não está mais entre nós. O caso mais emblemático talvez seja do documentário Meeting You. O programa foi produzido por uma emissora de TV sul-coreana, que trabalhou com seis estúdios para criar um avatar realista de uma garota falecida aos sete anos de idade. Com isso, foi possível fazer um “reencontro” entre mãe e filha usando óculos de VR.

Em seu texto sobre o caso, a Slate relembra outros dois exemplos: o projeto Dadbot, um chatbot criado por James Vlahos a partir da personalidade e de depoimentos de seu pai, e o jogo autobiográfico That Dragon, Cancer, criado por Ryan e Amy Green durante a fase terminal do câncer de seu filho Joel, que viria a falecer aos cinco anos de idade.

Com informações: Adnews, Lance!.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando