Se uma imagem vale mais que mil palavras, abaixo você tem milhares de palavras sobre o Asus Transformer, o tablet que a fabricante asiática está trazendo para o Brasil em uma semana. O aparelho roda Android Honeycomb e chega ao nosso mercado para engrossar o número de ofertas de tablet rodando o sistema do Google. E depois o Steve Jobs ainda vem dizer que 2011 é “o ano do iPad 2” — eu concordo com ele, mas nada como uma boa polêmica.


(YouTube)

Eu testei rapidamente tablet da Asus durante a Eletrolar Show, feira para demonstração de produtos eletrônicos, eletrodomésticos e de informática que aconteceu na semana passada em SP. Fiquei com o bicho por dez minutos antes de efetivamente partir para o vídeo. Pelo que vi, o vídeo baseado no Nvidia Tegra 2 está excelente para games. O difícil mesmo é conseguir títulos que tirem bom proveito do visor de 10,1” com resolução de 1280×800 pixels.

A multitarefa para carregamento de páginas funcionou com perfeição, embora no vídeo não dê para ver esse aspecto do equipamento com muita clareza.

Entre as especificações notáveis do Transformer, não posso deixar de citar o processador — Tegra 2 — com 1 GHz de clock, que anda acompanhado de 1 GB de RAM. No uso rápido do tablet, houve poucos momentos em que o sistema engasgou devido ao uso de vários recursos ao mesmo tempo.

O Transformer fez vergonha minutos antes de gravar o vídeo quando o atendente responsável pela demonstração do produto tentou abrir o Google Earth para mostrar o poder de fogo gráfico do tablet. Foram duas ou três tentativas, sendo que o app simplesmente travava antes de carregar qualquer mapa. No fim das contas, foi necessário reiniciar o aparelho para eu conseguir usar o Google Earth. De acordo com esse mesmo atendente, o produto havia sido muito fuçado durante dias de feira e que, devido a isso, já não estava mais 100%.

Quando chegar ao Brasil, o Asus Transformer (ele faz parte da linha Eee Pad) terá um teclado convencional como acessório. As teclas do teclado são bastante macias e agradáveis de usar. Só não está no padrão de teclado ABNT, como já era de se imaginar — um ponto negativo para profissionais que escrevem muito ao longo do dia, como… Eu.

Ainda não há preços confirmados para Asus Transformer. Ele virá para concorrer diretamente com o iPad, então há informações extra-oficiais de que o seu preço de entrada será inferior ao do tablet da maçã. Estamos falando em algo na casa dos R$ 1.600. Já o pacote com teclado físico (ou dock, como preferir) deve sair por um preço bastante competitivo: abaixo dos R$ 1.900. Bom, não?

Eu testei o Transformer rodando Android 3.0. A promessa da Asus é de entregar o produto no mercado brasileiro com a versão 3.1 do sistema do Google.

Observação: Aconteceu algum problema na hora de gravar o vídeo. Como você viu, a qualidade não está das melhores. Mas ainda assim a gente preferiu publicar o “hands on” pra você ter noção de como o Transformer se sai. Prometo que não vai acontecer de novo.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@daniellpita
Ainda acho cedo para comprar um tablet. Vejo um tablet (seja qual for) mais como futilidade que como utilidade. Se a pessoa adora produtos da Maçã, compra um iPhone ou iPod! Assim como eu daria preferência a um Android num smart. Tablet AINDA não substitui nem sequer um netbook, mas isso é o que EU ACHO. Vejo tablets úteis sim, em progs. de tvs, ou para consultores/vendedores, para apresentação de produtos (substituindo quilos de papel), ou ainda em restaurantes utilizando como cardápio (e ainda sim um pouco fútil, porém com um ar tecnológico mais avançado). De qualquer forma, é bom saber que os produtos estão melhorando a cada dia, só ficará mais interessante a disputa quando os preços atingirem no máximo R$1,500, que pra mim ainda é caro, não so pelo preço, mas pela funcionalidade real do produto...
Gabriel
Cara o Android roda o MS Office, AutoCAD sim... cara tu não tem nenhumk android não? se não melhor nem comentar algo que não sabes Vai no market que acha ambos Photoshop tambem tem... ANTES DE FALAR MAL DE ALGO QUE NUNCA PEGOU NA MÃO NãO FALE OK
@vitorgrs
Thássius Veloso você tem google +++++ ??
Thássius Veloso
Por qual motivo, Christiano. Comentar esse tipo de coisa sem trazer argumentos não enriquece em nada a discussão.
@raphaelweird
não haverá problemas desse tipo pois o proprio teaser oficial do produto utiliza transformers, acredito q a asus licenciou o nome e utilizacao de imagem (no comercial existe a luta de um decepticon - q se transforma em um ipad - e um autobot q se transforma num asus transformer - foi exibido durante o superbowl desse ano).
Christiano
1000 vezes o iPad2
@raphaelweird
vamos la... o ipad killer foi o proprio ipad2 que matou o ipad1 e cometeu suicidio... ate o xoom (que eu considero um otimo tablet) eh melhor q as maças podres... mas o transformer ta muito legal, espero que mantenha a qualidade asus.. mas uma duvida me veio: QUANDO SAI A VERSAO ROG DELE?????
Ramon Melo
Ué, mas quem usa o netbook para a faculdade não faz só anotações e edições simples de documentos. O que eu disse não é nada absurdo. Nas aulas de programação, é comum o professor passar um exercício em aula e eu preciso da IDE para realizá-lo. Nas aulas de desenho, o professor ensina a usar uma ferramenta e eu preciso do AutoCAD ali, para testá-la. Da mesma forma, estudantes de publicidade, comunicação, design e arte precisam do CS5, estudantes de ciências precisam do MatLab e assim por diante. Não é preciso nada mais que um bom netbook para dar conta disso, enquanto os tablets ainda não são capazes de oferecer essa versatilidade. Você está certo em dizer que o Transformer é um bom substituto se nenhum desses programas for necessário, mas aí creio que o Transformer é dispensável. Se é só para assistir apresentações e fazer notas, o teclado físico não traz grandes vantagens (posso ser um purista, mas prefiro a liberdade das anotações manuscritas), e dá perfeitamente para fazer isso com um celular. Não dá para trabalhar num dispositivo desses por mais do que poucas horas, por ser muito desconfortável. Erros de digitação são comuns, por causa do tamanho do teclado, navegar na internet pode ser desconfortável em páginas que ainda não foram adaptadas (Hotmail, por exemplo), a tela pequena me causa sérias dores de cabeça ao fim do dia e o quilo adicional na mochila faz diferença no final do dia. Por tudo isso, não consigo acreditar que alguém use um netbook diariamente sem a real necessidade, algo que o Transformer ainda (pode ser que mude em breve) não é capaz de oferecer.
Agnatos
Se você rodar um iPAD da mesma forma que o Thassinho fez daria no mesmo irmão. Vai por mim.
mccraveiro
O Music tem sim aqui no Brasil, pelo menos eu uso ele desde o lançamento sem problemas, inclusive no Android (e meu celular e endereço do google está como Brasil) =D
Yangm
É que o iPod Touch é bem leve e o Atrix é um tijolo, sem falar na vantagem de outro SO. Se ele não estiver esquentando com esses 1.6 GHz e aguentar mais até esquentar ai sim o iPad vaza da lista.
Yangm
Já fiz um hackintosh por aqui e não aguentei ficar procurando kexts para meu R430. É que se ele estivesse usando máquina virtual pra que postar com ela? Por isso me pergunto. Quanto ao Dual Boot no mac dele acho meio difícil, mas não impossível. Por isso a ideia dos múltiplos computadores ;)
Gabriel Bemfica
Pelo que falaram nos comentários, o pessoal do XDA-Developers já meteu 1.6 GHz, nele - e olha que ele é dual core. Na sua lista, dá pra substituir o netbook E o iPad 2, com esse Transformer (quem precisa de Chrome OS quando se tem Android?). Outra: tendo um Atrix, não há para que ter um iPod Touch (mesmo em questão de armazenamento, dá pra meter até 48GB de coisas num Atrix), a não ser que você REALMENTE faça questão de um iDevice (o que acho perfeitamente compreensível, visto que tenho um Defy E um iPod Touch - simplesmente para ter um dispositivo de cada plataforma).
Gabriel Bemfica
Mezzo-mezzo isso que tu falou. De fato, aplicações como AutoCAD, Sketchup e IDEs não rodam (até tem um IDE que roda, mas a compilação é feita on-line, não na máquina)*, mas editores de documentos e, por exemplo, sites como painel de controle do Wordpress rodam. Dá pra quebrar um galho, mas não substituem um computador de verdade. IMHO, dá, por exemplo, para levá-lo como netbook para as aulas, anotar conteúdo e etc. Se você trabalha com um blog, por exemplo, dá para usá-lo perfeitamente como ferramenta de trabalho, se tiver um aplicativo como o Documents To Go ou o QuickOffice instalado. Porém, naturalmente, para profissionais que precisam de mais que isso, como publicitários, engenheiros, hard coders e etc, não tem nem condições de considerar o Transformer como substituto a um bom computador ou notebook. *Sobre IDEs: Apesar de haver apenas esse IDE que eu falei (IDEdroid), há diversos compiladores para várias linguagens, no Android: C, C++, Pascal, Python, Fortran...
Ramon Melo
Pensei no assunto e, sinceramente, a Asus ainda não acertou a mão. Não consigo ver alguém utilizando esse tablet/netbook para produzir conteúdo, porque o Android não roda o MS Office, AutoCAD, SketchUp, Circuit Maker, ambientes integrados de programação (MS Visual C++, NetBeans, Eclipse) e diversos outros programas disponíveis para netbook atual de boa qualidade. Mesmo que o dono se acostumasse à interface, o Android ainda não oferece alternativas a tudo isso. O Transformer, no fim das contas, não permite que os tablets avancem muito nesse quesito. A grande vantagem dele, na minha opinião, são a bateria e a memória adicionais, o conforto do teclado físico, maior espaço útil na tela (que não ficará coberta com o teclado virtual) e maior ergonomia para quem trabalha/estuda sentado numa mesa. Claro que, considerando o objetivo dos tablets, esse aí tem grandes possibilidades de se tornar o melhor do mercado, se fizer o dever de casa direito. Mas eu ainda não trocaria meu netbook por ele.
Exibir mais comentários