Tesla Motors agora é apenas Tesla

E daí? Tesla Motors agora é apenas Tesla

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 1 ano

A Tesla Motors, Inc. agora é oficialmente apenas Tesla, Inc. Não é nenhuma notícia que vai mudar sua vida (até porque você provavelmente já não chamava a Tesla de Tesla Motors), mas é um anúncio simbólico que reflete os planos da companhia de Elon Musk de olhar para além dos carros elétricos — e criar um império de energia sustentável.

A montadora de carros elétricos vem investindo cada vez mais em fontes de energia sustentável, especialmente depois da compra da SolarCity, fabricante de telhados solares, por US$ 2,6 bilhões, em novembro de 2016. A Tesla também lançou um sistema de baterias recarregáveis por energia solar e pretende finalizar, até 2020, as obras do que será a maior fábrica de baterias de li-ion do mundo.

Como discutimos no Tecnocast 046, o plano da Tesla para os próximos dez anos é, com todas as letras, “criar telhados solares impressionantes com armazenamento de bateria integrado” (cumprido com a SolarCity), “expandir a linha de veículos elétricos para atender os principais segmentos” (Model 3 é um carro mais acessível), “desenvolver uma capacidade de direção autônoma que seja 10 vezes mais segura que a manual” (a ver) e ”permitir que seu carro gere renda enquanto você não estiver digirindo” (a ver).

Quem é mais velho talvez se lembre de 9 de janeiro de 2007, quando a Apple mudou seu nome de Apple Computer, Inc. para apenas Apple Inc. Naquele mesmo dia, Steve Jobs revelaria o primeiro iPhone.

Musk, conta mais.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados