Início / Notícias / Antivírus e Segurança /

Apple exigirá política de privacidade para aplicativos na App Store

Os aplicativos que estão na plataforma da Apple deverão enviar suas políticas até 3 de outubro

Victor Hugo Silva

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

A Apple tem sido rígida com aplicativos quando o assunto é a privacidade dos usuários. Nos últimos meses, a empresa tomou medidas contra apps que rastreiam a localização sem serem autorizados e que abusam da lista de contatos.

Agora, a empresa informou que todos os aplicativos da App Store deverão contar com uma política de privacidade própria até 3 de outubro. A medida é válida para atualizações e novos aplicativos (inclusive os que ainda estão em testes).

Com a decisão, os responsáveis pelos apps deverão enviarum link de suas políticas de privacidade para a App Store. Em seu comunicado, a Apple afirma que o texto não poderá ser alterado até a próxima atualização do aplicativo.

No entanto, a companhia não explica como irá fiscalizar se os termos das políticas de privacidade estão sendo mantidos. Como aponta o TechCrunch, os textos poderiam ser alterados sem, necessariamente, mudar o link da página.

A nova exigência deve evitar brechas relacionadas ao uso de dados de usuários na App Store. Com o GDPR, a lei de proteção de dados da União Europeia, a Apple quer evitar ser responsabilizada por eventuais erros cometidos pelos aplicativos.

Mesmo sem cometer abusos, a Apple poderia ser questionada por ser a plataforma que permite o download dos aplicativos. Foi o que aconteceu com o Facebook, no escândalo ligado à Cambridge Analytica.

A tendência é que, com a nova regra da App Store, os aplicativos sejam responsabilizados de acordo com o que estabelecem suas políticas de privacidade.

A Apple não deixou claro se irá revisar as políticas. O processo seria importante para evitar uma coleta excessiva de dados dos usuários, por exemplo. De qualquer forma, a companhia já tem pressionado quem viola suas regras. Há uma semana, o Onavo, serviço de VPN do Facebook, foi removido por coletar informações de outros aplicativos instalados pelos usuários.