Netflix cresce e chega a 29,4 milhões de assinantes na América Latina

Em contrapartida, Netflix tem na América Latina a menor média de receita por assinante

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos
Netflix - sede em Los Gatos

Não é do feitio da Netflix revelar abertamente os seus números, mas, nesta semana, a companhia abriu uma exceção em um documento enviado à Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês). Por meio do relatório ficamos sabendo, por exemplo, quantos assinantes o serviço tem na América Latina: 29,4 milhões.

Os dados dizem respeito a setembro e mostram que a Netflix encerrou o mesmo mês com mais de 158 milhões de assinantes em todo o mundo. A maior base continua concentrada na América do Norte: são 67,1 milhões de contas ativas nos Estados Unidos e Canadá.

A segunda maior base é da Europa, Oriente Médio e África (EMEA, na sigla em inglês). Juntas, essas três regiões reúnem 47,4 milhões de assinantes. Trata-se de uma base com enorme crescimento: o número de clientes da Netflix na EMEA aumentou 40% em relação ao ano anterior.

O terceiro maior mercado do serviço de streaming é a América Latina. A Netflix não revela qual o número de assinantes por país, mas sabe-se que a região como um todo responde por uma base de 29,4 milhões de contas ativas, número 22% maior do que o registrado em 2018.

Na sequência, aparece a região da Ásia-Pacífico com 14,5 milhões de assinantes e a maior taxa de crescimento: 53% na comparação com o ano passado.

O documento enviado à SEC (PDF) mostra ainda que, apesar de responder pela terceira maior base de clientes da Netflix, a América Latina é a região com a menor média de receita mensal por assinante no período entre janeiro e setembro de 2019:

  • Estados Unidos e Canadá: US$ 12,36
  • Europa, Oriente Médio e África: US$ 10,26
  • Ásia-Pacífico: US$ 9,31
  • América Latina: US$ 8,21

Esses dados foram divulgados agora como forma de preparar os investidores para o próximo relatório financeiro da Netflix que, pela primeira vez, dividirá os resultados entre as quatro regiões abordadas.

Somente na ocasião é que o desempenho da companhia em 2019 será detalhado, mas uma coisa fica óbvia com o documento atual: a Netflix tem presença internacional muito forte e, por isso, está longe de ser ameaçada por Amazon Prime Video, Disney+ e outros concorrentes.

Com informações: CNET.

Tecnocast 131 – Guerra dos streamings

Se antes a Netflix reinava no streaming de filmes e séries, hoje a disputa é forte com o Apple TV+, que está sendo oferecido de graça com milhões de novos iPhones; com o HBO Go, reconhecido por suas grandes produções; com o Amazon Prime Video, que torra dinheiro para crescer em todo o mundo, inclusive no Brasil; e com o Disney+, de propriedade de um ícone que lança sucessos de bilheteria há quase um século.

Quem ganha e quem perde na guerra dos streamings? Dá o play e vem discutir com a gente!

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados