Correios, Telebras, Dataprev e Serpro serão privatizados em 2021, diz governo

Correios e Telebras ainda não foram incluídos formalmente no Programa Nacional de Desestatizações

Victor Hugo Silva
Por

A privatização de Correios, Telebras, Dataprev e Serpro acontecerá em 2021, se depender dos planos do  governo. O prazo foi divulgado pelo secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar.

Correios

Em evento do banco Credit Suisse, Mattar apresentou o calendário com as privatizações planejadas pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). A lista tem 15 estatais, que deverão ser privatizadas até 2022.

Entre as empresas no calendário, estão as vinculadas ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, como Correios, Telebras e Ceitec (de semicondutores). Há, ainda, as estatais ligadas ao Ministério da Economia, como Serpro e Dataprev.

Este é o calendário de privatizações do governo com base no planejamento do BNDES:

  • Agosto de 2020: ABGF (Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias)
  • Outubro de 2020: EMGEA (Empresa Gestora de Ativos)
  • Dezembro de 2020: Casa da Moeda
  • Janeiro de 2021: Nuclep (Nuclebrás Equipamentos Pesados)
  • Fevereiro de 2021: Ceitec (Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada)
  • Abril de 2021: Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo)
  • Abril de 2021: Ceasaminas (Centrais de Abastecimentos de Minas Gerais)
  • Junho de 2021: Serpro
  • Junho de 2021: Dataprev
  • Junho de 2021: Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo)
  • Julho de 2021: CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos)
  • Julho de 2021: Trensurb (Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre)
  • Julho de 2021: Telebras
  • Dezembro de 2021: Correios
  • Janeiro de 2022: EBC (Empresa Brasil de Comunicação)

Das 15 empresas no calendário, 11 já fazem parte do Programa Nacional de Desestatizações (PND). Para isso, suas privatizações foram aprovadas no conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Os casos dos Correios, da Telebras, da EBC e da Ceitec ainda serão analisados pelo PPI.

Vale destacar que o PPI não trabalha com o mesmo calendário do BNDES. O planejamento da secretaria, que inclusive está sendo divulgado a investidores, aponta para a privatização de cinco ou seis estatais ainda em 2020.

Além da ABGF, da EMGEA e da Casa da Moeda, o PPI trabalha com a privatização da Ceagesp, da Ceasaminas e da Eletrobras este ano. A equipe econômica do governo, no entanto, deverá seguir o calendário do BNDES.

Com informações: Gazeta do Povo.