Starlink pode funcionar como GPS, mesmo que Elon Musk não queira

Professor da Universidade do Texas desenvolveu sistema de navegação usando satélites da Starlink; e projeto não precisou de nenhuma ajuda da SpaceX

Felipe Freitas
Por

Quando você lança uma constelação de 2.300 satélites no espaço, não é só internet e poluição visual que você pode oferecer. Todd Humphreys, professor de engenharia aeroespacial na Universidade de Texas-Austin, conseguiu montar um sistema de “GPS” utilizando os sinais da Starlink — e o mais curioso: Elon Musk foi contra a proposta.

Satélites Starlink (imagem: divulgação/SpaceX)
Satélites da Starlink (imagem: Divulgação/SpaceX)

Em 2020, Humphreys apresentou para a SpaceX o projeto de realizar pequenas alterações no software, criando assim um sistema de localização por satélite, servindo como um “backup” para o GPS. Os engenheiros da empresa adoraram a ideia, mas Musk não autorizou a parceria.

Antes de tudo, é preciso explicar que GPS é o nome de uma tecnologia de sistema de navegação por satélite. Com a sua popularização, a sigla ficou associada com a própria tecnologia. Porém, existem outros serviços de navegação por satélite, como o Galileo (Agência Espacial Europeia) e BeiDu (Administração Espacial Nacional da China). 

O projeto apresentado por Todd Humphreys (cuja pesquisa é financiada pelo Exército dos Estados Unidos) para a SpaceX aproveitaria os milhares de satélites lançados para criar um sistema de navegação independente dos serviços governamentais (o GPS é de propriedade do governo americano). 

Surveying using a GNSS device with EGNOS and Galileo satellites (Foto: Divulgação/GSA)

Segundo Humphreys, os diretores da SpaceX informaram que Musk foi contra a ideia pois, nas palavras do bilionário, “todas as outras redes de comunicação LEO [sigla em inglês para órbita terrestre baixa] foram à falência”. Como diz o ditado, quem paga a banda, escolhe a música. E Humphreys decidiu “fazer um remix”.

Após a negativa de Elon Musk, o laboratório do professor iniciou o desenvolvimento do sistema de navegação utilizando a rede Starlink. Passados dois anos do projeto, que utilizou a técnica de engenharia reversa nos sinais da constelação de satélite, a equipe de Humphreys afirma que encontrou a solução para usar a Starlink “como GPS”. 

Pesquisa teve terminal da Starlink e Rafael Nadal

(Imagem: Divulgação/SpaceX)
(Imagem: Divulgação/SpaceX)

No artigo divulgado na arXiv, ainda sem revisão de pares, é explicado que os sinais enviados da constelação para que os receptores se conectem com os satélites podem ser a base de um sistema de navegação.

A pesquisa teve como ponto de partida a aquisição de um terminal da Starlink. Com o serviço operando, a equipe transmitia, pelo YouTube, vídeos em alta definição do tenista Rafael Nadal. Isso formava uma conexão constante com a Starlink e uma segunda antena “fofoqueira” captava os sinais recebidos pelo terminal.

Humphreys e sua equipe então buscaram sequências de sincronização, sinais de repetição que auxiliam os receptores a se coordenarem com os satélites. Os pesquisadores encontraram os tais sinais — e melhor ainda, a SpaceX utiliza mais sequências de sincronização que o recomendado. As sequências fornecem dados como distância e velocidade de um satélite. No caso da Starlink, são quatro sequências a cada milissegundo (0,001 segundo)

Segundo Humphreys, o sistema de localização criado pelo terminal da Starlink tem uma precisão de 30 metros. Mas, se Elon Musk mudar de ideia e a SpaceX fornecer mais dados de posição dos satélites, a precisão pode chegar até menos de 1 metro — assim como o GPS.

Com informações: Technology Review

Relacionados

Relacionados