Produção de iPhone pode cair em 30% devido a lockdown em fábrica chinesa

Decisões do governo chinês para conter a disseminação do vírus parecem desagradar parte da população; fábrica da Apple tem funcionários trancafiados

Ricardo Syozi
Por

A China definiu novas ações para interromper a propagação de Covid-19, o que não agrada parte de seu povo. Assim, as medidas estão afetando até mesmo a produção de iPhones, já que um relatório indica que a maior fábrica da Apple no país está sofrendo um lockdown. Como consequência, a fabricação do smartphone pode cair em até 30%, atrasando o envio do gadget para diversos países.

iPhone 14 Pro Max
iPhone 14 Pro Max (Imagem: Unsplash / Victor Serban)

As informações foram primeiramente divulgadas pelo Reuters, através de uma fonte familiarizada com o tópico, mas que preferiu não se identificar.

Segundo ela, uma das fábricas da Foxconn (previamente chamada de Hon Hai Precision Industry Co Ltd) está em lockdown atualmente. Isso estaria afetando a montagem dos celulares da maçã, podendo diminuir em até 30% a produção dos gadgets.

Vale destacar que a companhia produz cerca de 70% dos iPhones mundiais em países como Taiwan e Índia, mas é na China onde há a maior concentração de fabricação.

Além disso, a usina de Zhengzhou emprega cerca de 200 mil funcionários. De acordo com o relato, esses profissionais estão bastante descontentes com as medidas do país para impedir a disseminação do vírus.

Aparentemente, ocorreram situações nas quais os empregados fugiram do local no fim de semana, tudo isso após passarem dias trancafiados nas instalações da fábrica devido ao lockdown.

A Foxconn estaria redirecionando boa parte da manufatura para uma empresa na cidade de Shenzhen para tentar alcançar os objetivos de produção. No domingo (30), a companhia afirmou que estava retomando o controle e coordenando o retorno total dos trabalhos.

Dois clientes segurando seus novos iPhone 14 Pro
Dois clientes segurando seus novos iPhone 14 Pro (Imagem: Divulgação / Apple)

Entenda as restrições nas fábricas chinesas

A China vem enfrentando com bastante força o vírus da Covid-19. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o país teve 8.947.493 de casos confirmados da doença.

Portanto, o governo chinês adotou uma política mais drástica para frear a propagação do vírus. Um dos pontos mais importantes para isso foram as fábricas de regiões afetadas pela enfermidade. Elas só podem ficar abertas se funcionarem em um regime de circuito fechado. Ou seja, os profissionais precisariam passar a morar no local de trabalho.

Não é de surpreender que essas restrições tragam desafios para as companhias. Além de situações de tentativa de fuga de profissionais, podemos pensar em questões sanitárias, de alimentação e de relacionamento com colegas e lideranças como exemplos óbvios que precisamos apontar.

Seja como for, retomar a força da produção é importante para a Apple, já que o produto está em alta, com um alto nível de procura. Deixar de entregar 30% da quantidade esperada seria um baque para o ano fiscal da empresa.

Relacionados

Relacionados