“Nenhum CEO está acima da lei”: Twitter pode levar multa bilionária

Acordos feitos antes da posse do atual dono podem trazer punições financeiras para a empresa; Musk ainda não parece muito preocupado

Ricardo Syozi
Por

A FTC (Federal Trade Comission) anunciou que está acompanhando de perto as movimentações no Twitter. Com as recentes mudanças na plataforma, demissões de funcionários e decisões incoerentes de Elon Musk, a entidade sentiu que se faz necessário se preocupar e, possivelmente, intervir na mais recente aquisição do CEO da Tesla.

Elon Musk, CEO da Tesla (Imagem: Oberhaus/Flickr)
Elon Musk (Imagem: Oberhaus/Flickr)

Estamos acompanhando os recentes desenvolvimentos no Twitter com profunda preocupação. Nenhum CEO ou empresa está acima da lei, e as empresas devem seguir nossos decretos de aprovação. Nossa ordem de consentimento revisada nos dá novas ferramentas para garantir a conformidade, e estamos preparados para usá-los.

Com essas palavras bastante diretas, as lideranças da FTC deixaram claro que não aprovam as medidas tomadas por Musk até agora.

Assim, a entidade passa a olhar mais de perto para reclamações de usuários, companhias, etc. Caso encontre algo que sustente uma investigação a fundo, é possível que ela entre com seus recursos para encarar uma empresa do tamanho da rede social do passarinho.

Advogado alertou sobre possível multa

Após as mudanças que afetaram diversos profissionais e usuários do Twitter, os times de segurança e privacidade da marca começaram a se preocupar.

De acordo com uma informação do The Verge, o chefe de privacidade Damien Kieran, a líder de informação do escritório de segurança Lea Kissner, e a chefe de conformidade Marianne Fogarty, renunciaram a seus cargos. Em seguida, um advogado do time de privacidade da empresa afirmou que:

Elon mostrou que sua única prioridade com os usuários do Twitter é como monetizá-los. Não acredito que ele se importe com os ativistas de direitos humanos, os dissidentes, nossos usuários em regiões não monetizáveis e todos os outros usuários que fizeram da rede a praça da cidade global que todos vocês passaram tanto tempo construindo, e todos nós amamos.

É importante lembrar que a rede social entrou em um acordo com a FTC em maio de 2022, depois que descobriram que a companhia usou dados pessoais para direcionar propagandas. Ou seja, se a firma não cumprir com o que foi acordado, ela poderá ser multada em bilhões de dólares.

App do Twitter
Aproveite o Twitter enquanto ainda há tempo (Imagem: Souvik Banerjee/ Unplash)

Acordo começou em 2011

O Twitter aceitou o decreto que a FTC definiu após a entidade descobrir o mau uso de dados dos usuários da plataforma. Nos anos seguintes, outros casos surgiram, o que culminou em um acordo de US$ 150 milhões em 2022.

Esses termos exigem que o site estabeleça e conserve um programa para garantir que seus novos recursos não estraguem “a extensão em que mantém e proteja a segurança, privacidade, confidencialidade ou integridade de quaisquer informações não públicas do consumidor”.

Com as mudanças frequentes na rede social, não é de se surpreender que a FTC tenha começado a observar tudo de maneira mais próxima.

Tô nem aí, tô nem aí…

Da mesma forma que a popular música da cantora Luka diz, parece que Elon Musk simplesmente não está “nem aí” para a situação atual.

O The Verge aponta que Alex Spiro, líder da parte legal do Twitter, disse que o novo dono está disposto a tomar um grande nível de riscos em relação à empresa e seus usuários. Em suas palavras:

Elon coloca um foguete no espaço, ele não tem medo da FTC.

Há relatos de que equipes estão trabalhando na noite anterior ao lançamento das novidades para rever questões legais. Por exemplo, antes da estreia do novo Twitter Blue, um “time vermelho” estava focado em revisar riscos em potencial. Curiosamente, nenhuma das sugestões dessa equipe foi levada para a versão final do serviço, segundo um funcionário.

Dessa forma, a sensação é que as equipes trabalham à toa, pois suas opiniões são pouco ouvidas pelo novo dono.

E o pior de tudo: o próprio Elon não descarta a ruína da marca. O chefão disse em uma reunião que o “Twitter está perdendo tanto dinheiro que uma falência não está fora de questão”. Vale lembrar que a plataforma não faz lucro desde 2019 e que sua receita vem diminuindo desde a ascensão do CEO.

Por fim, Musk afirmou que um dos motivos de estar tão interessado em focar no sistema de assinatura é para “manter o Twitter vivo”.

Com informações: TechCrunch e Engadget.

Relacionados

Relacionados