Xiaomi sofre queda na receita, no lucro e na venda de celulares

Cenário macroeconômico pessimista está entre as causas para os resultados negativos; Xiaomi é a terceira maior fabricante de celulares da América Latina

Bruno Gall De Blasi
Por

Xiaomi é uma das principais fabricantes de celulares do mundo. Mas não é por isso que ela está imune aos resultados negativos: a chinesa sofreu uma queda de 59% no lucro líquido no terceiro trimestre de 2022, mas se manteve como a terceira maior marca de smartphones da América Latina. É o que mostra o balanço financeiro da empresa revelado nesta quarta-feira (23).

Logotipo da Xiaomi
Xiaomi (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Os resultados dão um status do período de três meses finalizado em 30 de setembro. 

Segundo a companhia, a receita para exercício foi de 70,5 milhões de iuanes (cerca de R$ 52,5 milhões em conversão direta). O registro representa uma queda de 10% em relação ao período homólogo.

O lucro líquido seguiu a mesma direção. Com queda de 59% na comparação anual, a fabricante registrou um resultado de 2,1 bilhões de iuanes (R$ 1,5 bilhão). 

Todavia, conforme observado pelo GSMArena, isto não é necessariamente uma má notícia: pelo contrário, a Xiaomi teve a redução justamente por investir mais em algumas áreas da empresa.

É o caso do projeto de carros elétricos. Em seu balanço, a marca chinesa informou que destinou 829 milhões de iuanes (R$ 619,2 milhões) ao negócio, que ficou de receber US$ 10 bilhões de investimento ao longo de dez anos

Espera-se que o primeiro automóvel da companhia comece a ser produzido em 2024.

Parte das verbas foram destinadas aos setores de pesquisa e desenvolvimento. Nesta seara, a fabricante gastou 4,1 bilhões de iuanes (R$ 3 bilhões), um aumento de 25,7% ano a ano. 

Não à toa, em setembro de 2022, a turma representou cerca de 48% do total de funcionários.

Xiaomi Redmi Note 10 Pro (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Xiaomi Redmi Note 10 Pro (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Com cenário pessimista, setor de celular encara queda

A divisão de celulares é uma das mais rentáveis da Xiaomi. E não é por menos: trata-se de um mercado lucrativo, que representou a venda de 301 milhões de telefones móveis globalmente no terceiro trimestre de 2022. É o que mostra um levantamento da Counterpoint Research

A marca chinesa não fez feio. No período, a companhia vendeu 40,5 milhões de unidades e ficou em terceiro lugar, atrás apenas da Apple e da Samsung.

Mesmo assim, este não foi o melhor momento do setor. A consultoria ressaltou, em outubro, que o 3º trimestre teve a pior queda desde 2014. Na época, o analista Harmeet Singh Walia explicou que, entre outros motivos, o declínio foi causado pelas tensões entre a China e Estados Unidos e o enfraquecimento das moedas nacionais.

Todo esse cenário pessimista acabou impactando a fabricante. Segundo o balanço da Xiaomi, houve uma queda de 7,8% na comparação anual, ainda que a empresa tenha crescido 2,8% em relação ao trimestre anterior. 

O contratempo, no entanto, reduziu a receita em 11,1% ao levar o terceiro trimestre de 2021 em consideração.

Redmi Note 11 com MIUI 13 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Redmi Note 11 com MIUI 13 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Xiaomi é a terceira maior da América Latina

A empresa, por outro lado, manteve a sua posição consolidada. Para se ter ideia, a Xiaomi é a segunda fabricante de celulares mais importante da Europa e a terceira maior da América Latina. A marca também possui relevância no mercado brasileiro, especialmente depois que a LG parou de vender smartphones.

Vale lembrar que, em 2020, a companhia informou que estava no top 5 brasileiro.

O balanço também deu detalhes sobre a MIUI. A interface, no terceiro trimestre, contou com aproximadamente 564 milhões de usuários, um aumento de 16% no comparativo anual. 

Curiosamente, a China não é o maior mercado do software. A Xiaomi informou que os chineses representam um cada quatro usuários da interface: 141 milhões.

Com informações: GSMArena e Xiaomi

Relacionados

Relacionados