Netflix reduz preço de assinatura em até metade em diversos países

Ao todo, alteração de valores atingiu mais de 30 mercados em que o serviço de streaming opera; Brasil ficou de fora da mudança

Paula Alves
Por
• Atualizado há 3 meses
Logotipo da Netflix com pipoca
Netflix (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

O The Wall Street Journal descobriu que a Netflix reduziu o preço de vários de seus planos de assinatura em mais de 30 países ao redor do mundo. Embora os valores alterados variem de mercado para mercado, em alguns lugares a diminuição chegou em até metade do preço do que era até então cobrado.

Segundo o WSJ, a mudança, que vem sendo colocada em prática nas últimas semanas, visa atrair e fidelizar clientes que têm cada vez mais opções de serviços de streaming para contratar.

Embora nem todos os países afetados tenham sido divulgados, sabe-se que os EUA e o Canadá ficaram de fora da seleção, enquanto mercados como o da Jordânia, Líbia, Irã, Quênia, Nicarágua, Equador e Venezuela foram diretamente envolvidos.

Além deles, segundo o Cord Cutters News, também fazem parte da lista Bósnia, Herzegovina, Croácia, Eslovênia, Bulgária, Sérvia, Albânia, Macedônia do Norte e Eslováquia. Lugares da Península Balcânica cujo plano básico da plataforma passou de € 7,99 para € 4,99, o plano padrão pulou de € 9,99 para € 7,99 e o plano premium foi de € 11,99 para € 9,99.

Diferente deles, o Brasil não foi e nem será afetado pela mudança – como confirmou a assessoria de imprensa da Netflix ao Tecnoblog.

Netflix (Imagem: Mollie Sivaram/Unsplash)
Netflix na TV (Imagem: Mollie Sivaram/Unsplash)

Por aqui, inclusive, vale lembrar que a última mudança de preço do streaming aconteceu em julho de 2021, quando a plataforma aumentou em 22% o valor de sua contratação, alterando os três pacotes até então existentes.

Após isso, em novembro do ano passado, o serviço lançou o “Básico com anúncios”, um plano de assinatura mais barato, mas que contém propagandas em sua transmissão.

Mudança vai na contramão do mercado

A decisão da Netflix de reduzir o valor de sua assinatura em tantos países é uma surpresa para muita gente. Afinal, outros streamings e a própria plataforma vêm direcionando o setor na direção contrária, aumentando o preço de seus serviços de tempos em tempos.

Embora surpreendente, a medida tem tudo para ser benéfica para a empresa, especialmente quando consideramos a competitividade do mercado e o quanto o preço de assinatura é uma das características mais importantes para a escolha do usuário.

Tela de assinatura da Netflix mostra planos Básico com anúncios, Padrão e Premium
Tela de assinatura da Netflix mostra planos Básico com anúncios, Padrão e Premium (Imagem: Reprodução / Netflix)

Vale lembrar que, atualmente, no Brasil, a plataforma é uma das mais caras do setor. Para se ter ideia, seu plano premium mensal (R$ 55,90 por mês) custa o mesmo que os serviços do Disney+ e da HBO Max multitelas combinados (R$ 55,80 por mês).

Além disso, espera-se que, em breve, sua nova política de compartilhamento de contas também chegue por aqui.

Já em vigor em alguns países da América Latina, além do Canadá, Nova Zelândia, Portugal e Espanha, o sistema rastreia usuários que estão usando com frequência o serviço fora da residência principal, convidando o cliente a contratar uma subconta para eles.

Com informações: The Verge

Receba mais sobre Netflix na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paula Alves

Paula Alves

Repórter

Paula Alves é jornalista especialista em streamings e cultura pop. Formada pela Unesp (Universidade Estadual Paulista), antes do Tecnoblog, trabalhou por sete anos com jornalismo impresso na Editora Alto Astral. No digital, escreveu sobre games e comportamento para a Todateen e sobre cinema e TV para o Critical Hits. Apaixonada por moda, já foi assistente de produção do SPFW.

Relacionados