Microsoft e AMD podem ter formado parceria para chips de inteligência artificial

Parceria entre as companhias podia rivalizar com a Nvidia, líder do mercado de processadores de IA; Microsoft estaria oferecendo recursos financeiros no projeto

Ricardo Syozi
Por
Lisa Su, CEO da AMD, com um chip Ryzen 7000 (imagem: divulgação/AMD)
Lisa Su, CEO da AMD, com um chip Ryzen 7000 (imagem: divulgação/AMD)

Um novo relato indica que a Microsoft estaria trabalhando ao lado da AMD no desenvolvimento de processadores de inteligência artificial. A empresa de Redmond forneceria recursos de engenharia para as produções da companhia americana de chips. De acordo com os relatos, a parceria poderia ser um passo importante para competir com a Nvidia, que detém 80% desse mercado.

Segundo o Bloomberg, além de oferecer uma ajuda estrutural, a Microsoft também estaria abrindo a carteira nessa parceria. Assim, as duas companhias poderiam se ajudar a produzir hardware especializado para expansão de inteligência artificial.

Vale lembrar que a dona do Windows está apostando muitas fichas na tecnologia de IA. A Microsoft investiu mais de US$ 10 bilhões na OpenAI, criadora do ChatGPT, e já está colhendo os frutos. Ao incorporar o robô ao Bing, ela conseguiu aumentar o número de usuários, ultrapassando a marca de 100 milhões de pessoas por dia no buscador.

Além disso, as fontes do Bloomberg teriam dito que a AMD estaria auxiliando a companhia de Redmond no desenvolvimento de seu processador de IA de codinome Athena. Centenas de funcionários da divisão de silício teriam sido direcionados ao projeto. Contudo, um porta-voz da marca negou qualquer envolvimento da empresa de chips na produção.

Chip de computador
Chip de computador (Imagem: Alexandre Debieve/Unsplash)

Mercado de IA continua sua expansão

Com a popularidade do ChatGPT e de seus colegas, a inteligência artificial é o novo “cool kid” do quarteirão. Todas as principais empresas querem fazer parte desse negócio, investindo pesado no ramo.

Além da Microsoft com o Bing, o Google apresentou o Bard em 2023 para não ficar atrás de sua maior rival. Porém, elas não são as únicas. A Amazon anunciou o serviço Bedrock, que é “um serviço totalmente gerenciado que disponibiliza FMs das principais startups de IA e da Amazon por meio de uma API”.

Mesmo não sendo um produto para rivalizar necessariamente com o Bing e o Bard, o Bedrock é mais um indicador de que a inteligência artificial continuará a receber investimentos das “big techs”.

Por outro lado, o Brasil decidiu que a ferramenta não pode ficar sem supervisão. Um projeto de lei do senado quer regular a IA. Ele pretende apontar a responsabilidade, fiscalizar e, se necessário, punir as marcas pelo mau uso da tecnologia.

Segundo o Senador Rodrigo Pacheco, as empresas serão incentivadas a ter uma “atuação de boa-fé e um eficaz gerenciamento de riscos”.

Com informações: TechRadar.

Receba mais sobre Microsoft na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Ricardo Syozi

Ricardo Syozi

Repórter

Ricardo Syozi é jornalista apaixonado por tecnologia e especializado em games atuais e retrôs. Já escreveu para veículos como Nintendo World, WarpZone, MSN Jogos, Editora Europa e VGDB. Possui ampla experiência na cobertura de eventos, entrevistas, análises e produção de conteúdos no geral. Entrou para o Tecnoblog em 2021.

Relacionados