Atlas - nova geração

Levou mais de um ano, mas a Alphabet (Google) conseguiu encontrar uma nova casa para a Boston Dynamics: a divisão, conhecida por desenvolver robôs que deixam nossos piores pesadelos no chinelo, agora pertence ao grupo japonês SoftBank.

É um destino coerente. O grupo atua principalmente no setor de telecomunicações, mas mantém divisões em outros segmentos, inclusive no de robótica: a SoftBank tem participação, por exemplo, no desenvolvimento e na comercialização do Pepper, robô doméstico relativamente popular no Japão.

O Google passou a ser dona da Boston Dynamics no final de 2013 (bem antes da reestruturação que formou a Alphabet), quando Andy Rubin, conhecido como “pai” do Android, liderou uma rodada de negociações que culminou na aquisição de sete empresas de robótica. No meio delas estavam a Boston e a Schaft (esta com origem no Japão), que também foi adquirida pela SoftBank.

Nos anos seguintes, a Boston Dynamics se tornou bastante conhecida graças aos vídeos de demonstração de robôs como o bípede Atlas, que imita movimentos humanos, e o SpotMini, um quadrúpede que sobe escadas, pega objetos no alto e se levanta sozinho logo após cair.

Atlas - Boston Dynamics

Causou estranheza a decisão do Google de se desfazer de uma divisão tão avançada. As razões nunca ficaram totalmente claras. Fala-se apenas que, depois de sua formação, a Alphabet passou a priorizar negócios rentáveis. Mas a verdade é que a Boston Dynamics pertencia ao Google só no papel; mesmo depois da compra, a divisão seguiu atuando de modo independente.

Durante 2014, Andy Rubin até tentou reunir engenheiros do Google com os times das empresas de robótica adquiridas com a intenção de conduzir o Replicant, projeto que desenvolveria robôs para vários setores. Não deu certo. Foi difícil fazer equipes de tão diferentes iniciativas conversarem. Para piorar, Rubin saiu do Google em outubro de 2014. Ai que não teve conversa mesmo.

Todas as tentativas de aproximação da Boston Dynamics foram particularmente infrutíferas. Aaron Edsinger, líder de robótica do Google, até tentou trabalhar com a divisão no projeto de um robô de baixo custo, mas disse que se deparou com um “muro”.

SpotMini

Pela tradição que a SoftBank tem no segmento de robótica, talvez a Boston Dynamics se mostre mais aberta na nova casa. Levemos em conta também que o grupo japonês tem feito grandes investimentos para se tornar referência em tecnologia. Pode ter certeza de que a Boston fará parte desses esforços.

Vale lembrar ainda que, há cerca de um ano, a SoftBank fechou um acordo de US$ 32 bilhões para se tornar dona da ARM. Os japoneses não estão mesmo de brincadeira.

Os termos do acordo com a Alphabet, incluindo os valores envolvidos na negociação, não foram revelados.

Com informações: Bloomberg

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados