Este é o telefone mais chato de todos os tempos

Marca de cerveja anunciou ação promocional na qual distribuirá 5.000 dumbphones. Plano é que as pessoas não se distraiam com redes sociais durante as socializações

Felipe Freitas
Por
Cervejaria anuncia dumbphone para que as pessoas passem mais tempo socializando (Imagem: Divulgação/Heineken)

Para quem busca um dumbphone para usar nas baladas, festas ou usar de “celular de ladrão”, tem um novo modelo do tipo chegando por aí — inclusive para o Brasil. O Boring Phone (Celular Entediante em tradução direta) é um celular com funções básicas, feito para quem quer ficar menos tempo mexendo no smartphone. Só tem um problema, o celular é uma edição limitada e promocional.

O Boring Phone é oriundo de uma campanha de publicidade da Heineken. A fabricante do dispositivo é a HMD, que até poucos meses atrás era responsável por produzir smartphones sob a marca da Nokia. O dumbphone está em exibição na Semana de Design de Milão, um dos principais eventos de design e inovação do mundo.

5.000 unidades serão distribuídas através de competições, incluindo aqui no Brasil. Quem não ganhar um Boring Phone pode baixar o app que deixa o smartphone “burro” por alguns minutos. Esse aplicativo será lançado em junho e vai limitar os recursos do celular.

Explicando o conceito de dumbphone, ele nada mais é que os “celulares de antigamente”, como o Nokia 2280 (indestrutível), Nokia 1100, Nokia 3310 e Siemens A55 (que no Brasil teve uma edição da Sandy e Junior). São aqueles celulares cujo principal recurso é ligar, mandar mensagem e ter jogo da cobrinha.

A Brahma, outra marca de cerveja, também realizou uma ação similar no início deste ano. O Brahma Phone foi um celular lançado para a época de carnaval. Com ele, os consumidores poderiam deixar o smartphone principal em casa e usar o Brahma Phone nos eventos — como se fosse um “celular do ladrão”. Ele só tinha app de transporte, GPS e câmera de 8 MP.

Lançamento do Boring Phone acompanha pesquisas

Segundo uma pesquisa feita pela Heineken, 90% dos “zillenials” (termo que une a geração millenial e gen z) afirmam que utilizam o smartphone enquanto estão socializando com amigos, seja para checar redes sociais, ver emails e até jogar games mobiles.

E nesse ponto que a ação do Boring Phone “ataca”. A ideia da cervejaria é que o Boring Phone seja um produto para que os usuários não se distraiam com redes sociais. Ao invés disso, foquem em interagir com os amigos nos bares, baladas e festas.

A empresa confirmou que o dumbphone será lançado no Brasil, mas ainda não há previsão de quando ele chegará por aqui. No país, a proposta do Boring Phone acabará sendo outra — quer a Heineken concorde ou não. O brasileiro provavelmente usará o Boring Phone como celular de ladrão.

Deixando a ação promocional e seu objetivo de lado, outras pesquisas indicam que há um maior número de Gen Z buscando dumbphones para diminuir o tempo de tela.

Relacionados