Facebook e Instagram podem ganhar versões pagas sem propaganda na Europa

Opção sem publicidade seria uma forma de se defender de investigações da União Europeia sobre direcionamento de anúncios e coleta de dados de usuários

Giovanni Santa Rosa
Por
Logotipo do Instagram
Instagram (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Você pagaria para usar o Facebook ou o Instagram sem ver propaganda? A Meta, dona das duas redes sociais, estaria considerando oferecer esta alternativa a usuários europeus, segundo o jornal The New York Times. A opção seria uma forma de se defender da fiscalização da União Europeia, que vem apertando o cerco contra as práticas de coleta de dados e privacidade da companhia.

As informações são de três pessoas que conhecem os planos confidenciais da empresa. Elas falaram com o NYT em condição de anonimato.

Os assinantes do Facebook e do Instagram não veriam anúncios em seus apps. Por enquanto, não se sabe quanto isso iria custar, nem quando a opção estaria disponível.

União Europeia contra Meta

A opção paga e sem anúncios seria uma forma de se defender do escrutínio da União Europeia. As três pessoas ouvidas pela reportagem dizem que isso poderia “aliviar” preocupações das autoridades, mesmo que poucas pessoas assinem.

As propagandas do Facebook e do Instagram são direcionadas com base nos dados coletados dos usuários.

Atualmente, a Meta já oferece, para quem mora em um dos países da União Europeia, a opção de desativar anúncios direcionados.

A empresa teria planos de ir além e desativar esse tipo de propaganda por padrão — o usuário ainda poderia ativar o direcionamento, de acordo com suas preferências.

No bloco, o Instagram também ganhou uma opção de exibir Reels e Stories em ordem cronológica. Atualmente, a plataforma conta com algoritmos que direcionam as publicações que podem ser mais interessantes para cada usuário.

A Meta também tomou a decisão de não lançar o Threads na Europa por enquanto. Segundo Adam Mosseri, CEO do Instagram, isso se deve a “complexidades no cumprimento de algumas leis que entrarão em vigor no ano que vem”.

Apesar de não dar nome aos bois, isso parece uma referência ao Digital Markets Act (DMA), ou Regulamento de Mercados Digitais, em português. A legislação pode proibir que o Threads reutilize dados do Instagram, como nome e localização.

Com informações: The New York Times, The Verge, Engadget

Relacionados