112 mil produtos da Multi são lacrados em operação da Anatel

Centro de distribuição da Multilaser recebe fiscalização da Anatel para combate à pirataria; mercadorias lacradas têm valor estimado em R$ 2,3 milhões

Lucas Braga
Por
Produtos com a marca Multi (imagem: divulgação)
Operação de fiscalização ocorreu na fábrica da Multi em Minas Gerais (imagem: Divulgação/Multi)

A Anatel tem concentrado esforços no Plano de Ação de Combate à Pirataria (PACP), e nesta quinta-feira (8), a agência concluiu uma fiscalização no centro de distribuição da Multi — antiga Multilaser — em Extrema (MG). Ao todo, 112 mil produtos sem homologação foram lacrados, com valor total estimado em R$ 2,3 milhões. A empresa afirma que a maioria dos produtos retidos eram considerados fora de linha e tiveram certificação válida anteriormente.

De acordo com a Anatel, a fiscalização do centro de distribuição da Multi trouxe a maior retenção de aparelhos não-homologados feita pela agência em uma única operação. O órgão regulador afirma que indícios de irregularidades da Multilaser foram apurados em trabalho de inteligência.

Dentre os 112 mil produtos irregulares lacrados no centro de distribuição da Multi encontram-se itens como carregadores de celulares, drones e outros tipos de aparelhos sem fio, como fones de ouvido, teclados e caixas de som.

A Anatel reitera que produtos sem homologação não têm garantia de aprovação do aparelho nos requisitos mínimos exigidos pela reguladora, incluindo segurança elétrica e emissões máximas de rádiofrequências.

O Tecnoblog entrou em contato com a Multi para apurar quais são os modelos com homologação irregular e quais as providências a empresa irá tomar. Em nota, a empresa informou que 35 dos mais de 10 mil produtos estavam em desconformidade, e que colabora com a Anatel para a regularização em até 90 dias:

“O Grupo Multi certifica 100% dos seus produtos, em conformidade com os órgãos reguladores. Durante a recente visita da Anatel em nosso centro de distribuição, entre os mais de 10 mil produtos distintos presentes no portfólio, foram identificados 35, quase todos fora de linha, com a certificação vencida. Importante reforçar que trata-se de produtos que já foram certificados, que estão em processo de renovação e cujo valor representa menos de 0,05% do total de estoque da empresa. O grupo Multi já vinha colaborando com a Anatel para a regularização desse conjunto, dentro do prazo de 90 dias, acordado com o órgão.”
Multilaser

Anatel intensifica fiscalização por produtos piratas e irregulares

O Plano de Ação de Combate à Pirataria da Anatel já retirou mais de 7,3 milhões de produtos do mercado, num valor total estimado em R$ 632 milhões. O item mais comum nas fiscalizações são carregadores de celular, com mais de 2,2 milhões de equipamentos irregulares.

Carga apreendida pela alfândega do Porto de Santos (Imagem: Divulgação/Receita Federal)
Carga de TV Box apreendida pela alfândega do Porto de Santos (Imagem: Divulgação/Receita Federal)

Outro produto corriqueiro nas fiscalizações da Anatel são aparelhos de TV Box pirata. Ao todo, a agência já retirou mais de 1,2 milhões de set-top-boxes irregulares do mercado, seja em operações próprias ou em parceria com Ancine, Receita Federal ou polícias.

Em 2021, a agência oficiou diversos varejistas sobre a exigência do selo de homologação nos produtos comercializados. O Mercado Livre foi um dos maketplaces afetados, e pode receber multa de R$ 5,4 milhões por irregularidades em equipamentos como câmera IP, babá eletrônica, celular e carregador.

Receba mais sobre Anatel na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Lucas Braga

Lucas Braga

Repórter especializado em telecom

Lucas Braga é analista de sistemas que flerta seriamente com o jornalismo de tecnologia. Com mais de 10 anos de experiência na cobertura de telecomunicações, lida com assuntos que envolvem as principais operadoras do Brasil e entidades regulatórias. Seu gosto por viagens o tornou especialista em acumular milhas aéreas.

Canal Exclusivo

Relacionados