Qualcomm

No início da semana, a Broadcom tentou comprar a Qualcomm pela segunda vez, mas não teve jeito: os US$ 121 bilhões propostos foram rejeitados. No comunicado oficial, a Qualcomm argumenta que o valor a “subvaloriza materialmente”, mesmo sendo quase 18% maior do que o da primeira oferta (US$ 103 bilhões).

Os US$ 121 bilhões correspondem a US$ 82 por ação. Destes, U$ 60 seriam pagos em dinheiro e o restante em ações da Broadcom. Esta também assumiria as dívidas líquidas da Qualcomm, estimadas atualmente em US$ 25 bilhões. Mas, para o conselho de administração, os montantes não levam em conta a possibilidade de a Qualcomm comprar a NXP Semiconductors e o seu potencial de crescimento por conta das futuras tecnologias 5G.

Além de subvalorizar a companhia, o conselho da Qualcomm concluiu, por unanimidade, que a proposta da Broadcom não oferece as garantias necessárias para o caso de o negócio ser vetado por autoridades reguladoras, embora a Broadcom tenha incluído na oferta uma taxa de rescisão pensada justamente para a possibilidade de reprovação.

Se a oferta fosse aceita, Broadcom e Qualcomm se tornariam uma gigante dos semicondutores com valor de mercado estimado em US$ 200 bilhões. Hoje, a Broadcom vale US$ 112 bilhões; a Qualcomm, US$ 91 bilhões.

A segunda tentativa da Broadcom foi classificada pela própria como a sua “melhor e última” oferta. Mas ainda há uma chance de o negócio ser concluído: em 6 de março, acionistas da Qualcomm poderão votar pela substituição de membros do conselho administrativo por nomes indicados pela Broadcom. Dependendo de como ficará o quadro, a oferta poderá ser reavaliada.

Com informações: TechCrunch, Bloomberg.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados