Preparem-se para mais demissões, alerta CEO do Google

Google tem metas ambiciosas e vai precisar criar capacidade para fazer investimentos, avisa o executivo. Empresa demitiu 1 mil na semana passada.

Giovanni Santa Rosa
Por
Sundar Pichai (CEO) no Google I/O 2022 (imagem: divulgação/Google)
Google terá "escolhas duras" pela frente, diz Pichai (Imagem: Divulgação/Google)

Sundar Pichai, CEO do Google, disse a funcionários que a empresa terá que fazer “escolhas duras” para “investir em suas grandes prioridades”. No memorando enviado, ele dá explicações sobre os cortes recentes e diz que mais postos de trabalho podem ser impactados.

“Muitas dessas mudanças foram anunciadas, mas para antecipar, algumas equipes vão continuar fazendo decisões específicas de alocação de recursos ao longo do ano, onde for necessário, e alguns cargos podem ser impactados”, escreve Pichai.

Pixel 8 Pro
Divisão de hardware do Google, que faz o Pixel 8 (Imagem: Divulgação/Google)

“Estas eliminações de cargos não são na mesma escala que as reduções do ano passado e não vão afetar todas as equipes”, diz o executivo. “Mas eu sei que é muito difícil ver colegas e equipes impactadas”.

Pichai ainda comenta que os layoffs deste ano foram para “remover camadas para simplificar a execução e aumentar a velocidade em algumas áreas”.

O memorando foi obtido pelo site The Verge. A reportagem procurou a assessoria do Google, que disse não ter comentários a fazer. À Reuters, a empresa disse ter enviado um e-mail a todos os funcionários, mas não revelou o conteúdo.

Google já fez primeiro layoff de 2024

Na semana passada, o Google informou que demitirá cerca de 1 mil usuários. Segundo o New York Times, o corte afeta as divisões de hardware, engenharia e Google Assistant, entre outras. O YouTube, por exemplo, teve cerca de 100 demitidos, segundo relatos. James Park e Eric Friedman, cofundadores da Fitbit, comprada pelo Google em 2021, também deixaram a companhia.

O Google diz que os funcionários terão 60 dias para conseguir outro emprego. Eles podem se candidatar a outros cargos dentro da própria empresa, mas não há garantia que serão aceitos. Como lembra a Reuters, em 2023, a Alphabet (dona do Google) anunciou planos para cortar 12 mil cargos. A empresa tem mais de 180 mil funcionários em todo ano, segundo dados de setembro de 2023.

As demissões em massa deram o tom das decisões corporativas das big techs em 2023. Meta, Amazon e Microsoft também tomaram medidas do tipo.

Com informações: The Verge, TechCrunch, Reuters

Receba mais sobre Google na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Canal Exclusivo

Relacionados