MPDFT

NET e Claro deverão cessar propaganda enganosa em internet “fibra” após liminar

02/08 às 13h30 por

Uma ação civil pública do MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) obteve liminar que obriga NET e Claro a informarem corretamente a tecnologia utilizada em seus serviços de internet fixa; em caso de descumprimento, a multa chega a R$ 35 milhões. O órgão afirma que as empresas anunciam banda larga com fibra óptica omitindo a informação de que a fibra não chega até a casa do cliente.

Vivo é processada para deixar de usar local dos clientes em anúncios direcionados

01/08 às 15h30 por

A Vivo está sendo processada pelo MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) para que deixe de vender anúncios de mídia geolocalizada através da plataforma Vivo Ads. Esse produto é descrito como um "escândalo" por um representante da Cambridge Analytica, empresa envolvida na crise de privacidade do Facebook. Ele também pode ter ajudado em fraudes durante as eleições de 2018.

MP acusa estatal Serpro de violar leis e usar dados da CNH sem permissão

19/06 às 18h16 por

O MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) acusa a empresa estatal Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) de violar o Marco Civil da Internet e a Lei Geral de Proteção de Dados, por vender um serviço chamado Datavalid que utiliza informações pessoais obtidas da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) sem autorização dos titulares. A empresa nega qualquer uso de forma indevida.

Liminar obriga Vivo a permitir que clientes alterem planos por site e aplicativo

25/03 às 14h48 por

Uma liminar expedida pela Justiça obriga a Vivo a permitir a troca de planos através de site e aplicativo. Esse recurso já está disponível na plataforma Meu Vivo, mas há um porém: nas plataformas digitais, a operadora lista apenas planos mais caros do que o cliente já possui, sendo impossível mudar para uma opção mais barata. Testamos o 5G da Oi em Búzios, no Rio de Janeiro Claro compra Nextel por R$ 3,47 bi

Netshoes paga R$ 500 mil em danos morais após vazamento de dados

05/02 às 11h57 por

A Netshoes fechou um acordo extrajudicial com o MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) para evitar uma ação coletiva. A empresa vai pagar R$ 500 mil como indenização pelos danos morais causados por vazamentos de dados em 2017 e 2018. Além disso, ela terá que reforçar a segurança da loja online. Hackers vazam 2,2 bilhões de logins e senhas na internet; veja se você foi afetado Vale e

Steam deixa de vender jogo Bolsomito 2K18 após ordem judicial

29/01 às 17h56 por

A plataforma Steam, da Valve, deixou de vender Bolsomito 2K18 após uma ordem da Justiça brasileira. Além disso, a empresa forneceu ao MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) os dados do responsável pela criação do jogo. Nele, um personagem semelhante ao presidente Jair Bolsonaro espanca feministas, negros e gays. Epic Games Store adota mesma política do Steam para reembolso de jogos

Justiça manda suspender jogo Bolsomito 2K18 após pedido do MP

21/12/2018 às 10h31 por

O jogo Bolsomito 2K18 não poderá ser vendido nem distribuído pelo Steam, da Valve, após uma ordem da Justiça brasileira. O pedido foi realizado pelo MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) no início de dezembro. O game, em que o presidente eleito Jair Messias Bolsonaro espanca feministas e negros, ainda segue disponível. Facebook é investigado após dar informação falsa

Banco Inter paga R$ 1,5 milhão e encerra processo sobre vazamento de dados

19/12/2018 às 11h26 por

O Banco Inter fechou um acordo extrajudicial para encerrar a ação civil pública aberta pelo MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) após vazar dados de 19 mil correntistas. A empresa vai pagar R$ 1,5 milhão em danos morais, que serão destinados a órgãos públicos que combatem crimes cibernéticos e a instituições de caridade. MP investiga vazamento após Sky Brasil expor 32 milhões d

MP investiga vazamento após Sky Brasil expor 32 milhões de clientes

13/12/2018 às 12h30 por

O MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) instaurou inquérito civil público na terça-feira (11) para investigar um possível vazamento de dados da Sky Brasil, segunda maior operadora de TV paga. Um servidor desprotegido expôs dados de 32 milhões de assinantes, incluindo nome completo, telefone e senha de acesso. A Tivit, empresa brasileira de serviços de tecnologia, também está sendo investigada. MP investiga vazamento da Marriott que afetou

MP investiga vazamento da Marriott que afetou 500 milhões de clientes

04/12/2018 às 12h59 por

O MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) instaurou inquérito civil público nesta segunda-feira (3) para investigar o enorme vazamento da rede hoteleira Starwood Hotels and Resorts. A subsidiária da Marriott permitiu acesso não-autorizado a dados de 500 milhões de clientes. A brecha de segurança existia desde 2014.

MP investiga possível vazamento após FIESP expor até 180 milhões de pessoas

23/11/2018 às 10h35 por

O MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) abriu um inquérito civil público para investigar um incidente de segurança da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). A entidade deixou três bancos de dados expostos na internet por vários dias, revelando 180 milhões de registros pessoais com nome, RG, CPF, endereço e número de telefone. MP investiga vazamento de dados da Stone, empresa de máquinas de cart

Carregar mais posts