Início » Legislação » França propõe imposto para dados dos internautas

França propõe imposto para dados dos internautas

Informações de usuários são matéria-prima da economia digital

Por
7 anos atrás

Gigantes da internet coletam muitos dados de seus usuários. Se depender do presidente da França, François Hollande, futuramente companhias do porte de Google e Facebook terão de pagar imposto pelas informações obtidas durante a navegação na rede dos usuários de serviços como o Gmail e o Facebook Messenger, entre tantos outros. Seria o primeiro caso em que uma nação importante passa a cobrar pela matéria-prima da “economia digital”.

O governante francês vê no novo imposto uma forma de obter mais dinheiro de companhias de internet que operam em território deles, mas pagam muito pouco de tributação e impostos devido à natureza dos serviços oferecidos via internet. A França responde por US$ 2 bilhões da receita anual do Google em publicidade.

Datacenter do Google

Datacenter do Google

Google e Facebook não vendem nada ao ofertar seus serviços mais básicos, nem cobram do internauta por eles. Ganham dinheiro com publicidade, esta sim proveniente em especial dos milhares de dados que permitem construir um perfil do usuário e direcionar publicidade contextualizada ao internauta.

Um imposto sobre dados de usuários não ficaria limitado a empresas gigantescas. O mesmo Next Web aponta para um possível impacto da cobrança, caso ela seja aprovada, o que está longe de acontecer, em companhias menores e startups que trabalham com dados de usuários, mas não têm condições de pagar por eles. O New York Times reporta que a taxa seria auferida de acordo com o número de usuários “rastreados”. As ponto-com precisariam contratar auditores independentes para confirmar os números relatados.

O governo francês entende que os internautas “trabalham” (sem receber pagamento) para empresas de internet ao usarem os serviços que permitem a Google, Facebook e pares venderem publicidade.

Falta saber ainda o que a sociedade pensa disso. Afinal, cobrar imposto em cima de informações minhas, como se fossem uma mercadoria, porém sem me repassar nada parece muito estranho. Injusto, eu diria. E mais: caso queira, poderia muito bem liberar minhas informações ao Google sem cobrar por isso, não?