Início » Legislação » França propõe imposto para dados dos internautas

França propõe imposto para dados dos internautas

Informações de usuários são matéria-prima da economia digital

Avatar Por

Gigantes da internet coletam muitos dados de seus usuários. Se depender do presidente da França, François Hollande, futuramente companhias do porte de Google e Facebook terão de pagar imposto pelas informações obtidas durante a navegação na rede dos usuários de serviços como o Gmail e o Facebook Messenger, entre tantos outros. Seria o primeiro caso em que uma nação importante passa a cobrar pela matéria-prima da “economia digital”.

O governante francês vê no novo imposto uma forma de obter mais dinheiro de companhias de internet que operam em território deles, mas pagam muito pouco de tributação e impostos devido à natureza dos serviços oferecidos via internet. A França responde por US$ 2 bilhões da receita anual do Google em publicidade.

Datacenter do Google

Datacenter do Google

Google e Facebook não vendem nada ao ofertar seus serviços mais básicos, nem cobram do internauta por eles. Ganham dinheiro com publicidade, esta sim proveniente em especial dos milhares de dados que permitem construir um perfil do usuário e direcionar publicidade contextualizada ao internauta.

Um imposto sobre dados de usuários não ficaria limitado a empresas gigantescas. O mesmo Next Web aponta para um possível impacto da cobrança, caso ela seja aprovada, o que está longe de acontecer, em companhias menores e startups que trabalham com dados de usuários, mas não têm condições de pagar por eles. O New York Times reporta que a taxa seria auferida de acordo com o número de usuários “rastreados”. As ponto-com precisariam contratar auditores independentes para confirmar os números relatados.

O governo francês entende que os internautas “trabalham” (sem receber pagamento) para empresas de internet ao usarem os serviços que permitem a Google, Facebook e pares venderem publicidade.

Falta saber ainda o que a sociedade pensa disso. Afinal, cobrar imposto em cima de informações minhas, como se fossem uma mercadoria, porém sem me repassar nada parece muito estranho. Injusto, eu diria. E mais: caso queira, poderia muito bem liberar minhas informações ao Google sem cobrar por isso, não?

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Thanara Corrêa
Aff, cada presidente louco, pelo amor!
Marcos Ordonha
Cobrar das empresas é um decisão do governo para arrecadação, todo empreendimento tem um imposto sobre a sua matéria prima, qual a diferença com a internet? O momento? A discussão começou - mesmo sendo antiga rs. Os impostos reverterão à população? Os dados dos usuários geram lucros a essas empresas. Eles possuem pouco poder de decisão sobre esse arremate de informação. Cobrar e regulamentar esse trafego de dados é preciso, com atenção e acompanhamento. Pelo jeito o governo francês começou agindo sobre as empresas, logo isso chega ao publico. Como? Acompanhemos...
Guilherme Macedo C.
É uma visão diferente e muito explicativa sobre a má organização administrativa brasileira. O resultado é justamente o pouco retorno e o prejuízo em muitos setores da economia, ao contrário dos países com melhor qualidade de vida, onde paga-se muito mas o retorno é visível.
Gustavo R.
O que eu disse não contradiz nenhum dos meus livros, afinal, eu sou estudante de Economia.
Gustavo R.
E você me passa uma matéria totalmente tendenciosa de uma revista de pendência política completamente esquerdista? Eu li tudo e só vi distorções, a carga tributária na NZ é maior, mas a proporção à qualidade de vida lá torna quase inexistente o peso no bolso do imposto lá.
Guilherme Macedo C.
Carga tributária da NZ é uma das mais altas do mundo. Mas o importante é que o Imposto de Renda chega a 45%, fazendo com que os mais ricos, que concentram renda, paguem mais. Muito mais justo que no Brasil, onde os mais ricos pagam somente 27%, quase nada se comparado a muitos outros países. Mas o assunto é bem complexo, então aproveite pra vê-lo de outra perspectiva: http://www.cartacapital.com.br/economia/mais-injusta-que-excessiva/
Guilherme Macedo C.
Sem intervenção do governo na economia, menos livre é o mercado. É por isso que até berços do neoliberalismo tem órgãos reguladores, pra grandes poderes econômicos não tirarem a liberdade e a livre concorrência.
Scheldon Fernandes de Oliveira
Ao invés de propor políticas contra os trambiques que Google e Facebook fazem pra sonegar os impostos e governo propõe uma ação tão pouco efetiva e fora da realidade ? Esse é o país que vai receber a cop... . . . Ops, replica automática errada.
Scheldon Fernandes de Oliveira
Só por curiosidade, da onde você tirou esse absurdo que contradiz vários livros de historia e ciência política ?????
Scheldon Fernandes de Oliveira
É quase um Noam Chonsky só que não
guilhermefrancosi
Só que abre um precedente para outros paises fazerem o mesmo.....
Sias
O governo francês não sabe mais de onde tirar dinheiro e já está começando a bater pino....
Tiago Gabriel
O fato do imposto ser mais alto não quer dizer que o Estado seja Socialista, se fosse assim o Brasil seria Socialista, Socialismo e Capitalismo são modelos econômicos e não se diferenciam pela quantidade de impostos cobrados. Os EUA por exemplo já foi um Estado que cobrava muitos impostos até a década de 1970 com a influência do Keynesianismo, mas nunca foi Socialista.
lucassandoval
Eu defendo economia de livre mercado. Sem intervenção do governo. Quanto menos intervenção, melhor. Quanto menos governo, melhor.
Kessler
A França logo taxará os peidos. Deixem-nos ir para o buraco.
Exibir mais comentários