Início » Telecomunicações » Por que o 5G vai mudar sua vida (mesmo que você não tenha nem 4G)

Por que o 5G vai mudar sua vida (mesmo que você não tenha nem 4G)

Não é uma questão de downloads mais rápidos: 5G é importante para um futuro em que tudo estará conectado

Paulo Higa Por
TB Responde

A Mobile World Congress é palco de apresentações de smartphones de última geração, planos futuros de grandes empresas de telecomunicações e novidades em tecnologias que estão onipresentes na nossa rotina. Entretanto, o tema que mais insistia em aparecer em Barcelona em 2016 era o 5G: uma única olhada para o lado era suficiente para encontrar algum estande com o termo 5G piscando na minha cara.

E isso é estranho se você pensar que o 4G ainda engatinha em cobertura em boa parte do mundo, o 5G nem sequer tem padrão estabelecido e as primeiras redes móveis comerciais de quinta geração só devem aparecer em 2020. Só que todas as grandes empresas de tecnologia estão de olho no 5G — não apenas Ericsson, Qualcomm ou Telefônica, que têm óbvio interesse no mercado de telecomunicações, mas também companhias como a Intel. Por quê?

5g-logo-ericsson

O interesse em torno do 5G por todas as empresas de tecnologia tem um motivo: ele será importante não para termos downloads mais rápidos (sim, há redes em testes chegando a 20 Gb/s, mas quem precisa disso no celular?), mas para dar conta de um futuro em que trilhões de dispositivos estarão permanentemente conectados à rede, entre drones, carros autônomos, lâmpadas, sua cafeteira e qualquer outra coisa.

Quando digo “qualquer outra coisa”, é qualquer coisa mesmoexiste uma possibilidade de que, em alguns anos, sua casa tenha sensores inteligentes que detectam automaticamente erros de construção, acúmulo de mofo, vazamento de água e problemas elétricos, para que você não precise ficar se preocupando com isso. Como esses sensores vão se comunicar? Provavelmente usando redes 5G.

antena-celular-telecom-torre

atom-x3

Por isso, a Intel fechou parcerias com fabricantes e operadoras para desenvolver o 5G e produziu chips e modens voltados para a internet das coisas: o Atom x3-M7272 fornece firewall e inspeção de pacotes (!) para carros que andam sozinho, o XMM 7115 conecta dispositivos NB-IoT (um padrão que oferece melhor cobertura de rede interna e suporta um número gigante de dispositivos conectados) e o XMM 7120M é um modem voltado para aplicações máquina a máquina, com foco em monitoramento de segurança, rastreamento de bens e automação industrial.

Mas não dá para botar tudo isso no que temos hoje? Não, porque nossas redes não estão preparadas (e nem foram pensadas) para isso. O 2G foi projetado para voz, o 3G para dados e o 4G para aplicações de grande fluxo de dados, como streaming de música e vídeo. O 5G precisa ser mais eficiente para dar conta não necessariamente de uma enorme quantidade de dados, mas de um enorme número de dispositivos conectados.

A vice-presidente corporativa da Intel, Aicha Evans, ressalta a questão da eficiência: “O 5G deixará a internet das coisas muito mais eficiente e eficaz se pensarmos em um espectro de eficiência. Cada aparelho e rede criados com base na internet das coisas utilizará apenas o que for necessário e quando aquilo for necessário, sempre na medida exata, em vez de simplesmente consumir o que estiver disponível”.

5g-ericsson-latencia

Por sua vez, Asha Keddy, gerente de padrões móveis de tecnologia avançada da Intel, afirma que o 5G será a primeira rede projetada para ser escalável, versátil e eficiente em termos de consumo energético. E as metas são ambiciosas: como visto no gráfico acima, da Ericsson, o objetivo é ter no máximo 1 milissegundo de latência nas redes 5G (isso é bem mais rápido que a conexão fixa que você tem em casa) e dobrar a eficiência em relação ao 4G, porque seus sensores certamente não ficarão bravos, irritados e estressados igual a você quando a rede da operadora estiver congestionada, mas vão parar de funcionar.

Sim, o 4G ainda é lenda para muita gente. Sim, as empresas de tecnologia já estão bastante empenhadas no desenvolvimento do 5G. Sim, você se cansará de ler a respeito de avanços nas redes móveis de quinta geração nas próximas semanas, meses e anos. Ainda bem.

Paulo Higa viajou para Barcelona a convite da Intel.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Marcelo Oliveira Soares

Solução para meterem um pau no seu cu.

Marcelo Oliveira Soares

Você é que é inteligente...kkkkkkk

Marcelo Oliveira Soares

Como você é imbecil. Um idiota acreditando em balelas. Deveria se matar por ser tão estúpido. Gado do sistema.

Marcelo Oliveira Soares

Por que o 5G não será tão espetacular quanto parece
Ainda levará alguns anos para que a tecnologia seja usada em massa
Mike Elgan - Computerworld EUA

02/10/2018 às 8h01

As empresas de telecomunicações dizem que o 5G possibilitará carros autônomos seguros, transmissão de realidade virtual, cirurgia de longa distância, videochamadas holográficas 3D. Além disso, a rede teria velocidades reais de 10 a 20 vezes mais rápidas do que as do 4G e uma latência muito menor – de cerca de 20 milissegundos atualmente para um milissegundo com o 5G.

Porém, a rede 5G pode não ser tão boa assim. Para entender o porquê, é preciso entender primeiro, como, quando e onde o 5G surgirá.

Telefones 5G

O Moto Z3 da Motorola é o único telefone atualmente disponível que pode ser atualizado para o 5G. Isso exigiria um complemento 5G Moto Mod, que mais do que dobra a espessura do telefone. Ainda assim, é tecnicamente verdade que o primeiro telefone que suporta o 5G já está no mercado.

A Xiaomi poderá apresentar seu smartphone Mi Mix 3 com 5G no próximo mês. O OnePlus 7, que suporta o 5G da Oppo, deve sair em janeiro.

A Sprint e a LG são parceiras de um telefone 5G que trabalha exclusivamente com a rede Sprint. O telefone é esperado no primeiro semestre do próximo ano. Ainda, espera-se que a Huawei introduza smartphones 5G dobráveis.

Embora a Apple não tenha anunciado nada no departamento 5G, empresas como a Mobile Viewpoint estão trabalhando em complementos de suporte ao iPhone que oferecem compatibilidade 5G com iPhones existentes (e telefones Android).

A maioria dos smartphones high-end deve suportar 5G até 2022. A maioria dos usuários de smartphones no mundo industrializado provavelmente terá telefones 5G até 2025.

Um problema imponente

O Centro de Convenções de Los Angeles é o primeiro local nos EUA a instalar uma rede sem fio 5G permanente. O porta-aviões do Reino Unido já está testando o 5G, em Londres. A empresa espera lançar a cobertura 5G na cidade no próximo ano ou no ano seguinte.

11 motivos para sua empresa investir em um software ERP

E-book por:

A T-Mobile promete lançar em 30 cidades dos EUA no próximo ano e a Sprint em seis cidades. A China e a Coreia do Sul também esperam lançar o 5G no próximo ano.

Infelizmente, esses lançamentos soam melhor do que realmente são. Quando as operadoras prometem lançamentos, é fácil imaginar a cobertura em toda a cidade. Mas não é assim que funciona o 5G.

Como funciona o 5G

É importante ressaltar que o 5G não é uma tecnologia, mas uma coleção complexa de tecnologias, muitas das quais não foram classificadas pelos órgãos reguladores.

As tecnologias por trás do 5G permitem o uso de frequências muito altas. Quanto maior a frequência, menor o comprimento de onda. Comprimentos de onda mais curtos permitem velocidades mais rápidas e menor latência.

Mas há o problema: com comprimentos de onda mais curtos, a distância entre o dispositivo e a "torre" tem de ser muito menor e o sinal dificulta a penetração através de materiais como paredes e árvores. Para contornar esses obstáculos, as empresas precisam implantar muito mais torres do que as tecnologias existentes. E empresas como a Verizon estão usando beamforming para direcionar sinais ao redor de objetos e dispositivos.

Para ter uma cobertura razoável, os provedores precisam construir antenas e torres de 5G em todo o lugar e muito perto dos usuários. É demorado e caro colocar esses dispositivos em todos os lugares, fazendo com que o lançamento seja lento e desigual.

Quando empresas como Sprint, T-Mobile e Verizon dizem que vão lançar 5G em uma cidade, o que elas querem dizer é que o 5G estará disponível em algumas regiões limitadas. Como as conexões 5G consomem mais energia, os chips que alimentam o 5G serão projetados para favorecer o 4G e entrar no modo 5G somente quando o aplicativo exigir alta largura de banda.

Devido à necessidade de economizar bateria, à distribuição limitada de antenas e torres e a problemas de interferência, e os smartphones habilitados para 5G enfrentarão enormes barreiras para realmente fazer conexões 5G.

As redes 5G confiáveis serão poucas e distantes entre si e nem sempre estarão disponíveis. As operadoras de telefonia móvel esperam que o 5G permita competir com ou substituir provedores de TV e internet. Mas provavelmente levará mais de 15 anos para que o 5G substitua o 4G para a maioria dos usuários na maior parte do tempo.

Materiais gratuitos
O que é preciso para estar em dia com o GDPR?
SERVICENOW
Integrar para Inovar com uma plataforma iPaaS multifunção
SOFTWARE AG
Debate sobre saúde

Uma coalizão de 52 organizações de base chamada Americans for Responsible Technology pediu nesta semana à Comissão Federal de Comunicações (FCC), nos EUA, que reduza a velocidade de implementação de infraestruturas 5G até que possam descobrir os efeitos sobre a saúde.

As organizações referem-se à “ciência emergente que liga a exposição à radiação de microondas de RF com graves danos biológicos”. As cidades, incluindo Mill Valley, na Califórnia, já estão aprovando leis para parar as instalações 5G.

A tecnologia vem com uma exigência de que as torres sejam muito maiores em número e muito mais próximas dos usuários. Alguns residentes em North Potomac dizem que mais de 60 torres sem fio 5G foram instaladas a menos de 30 pés de suas portas.

É possível que possam surgir provas definitivas e amplamente aceitas que demonstrem claramente um risco para a saúde causado por equipamentos sem fio 5G.

wellington hipolito

Precisamos acabar com todos os monopólios, inclusive acabar com a Anatel, e incentivar a entrada de outras operados. Quanto mais concorrência, melhor para nós, consumidores.

Ernane Lopes

Existe uma diferença entre partícula e onda, só pra constar. rsrs

Andrea Morais

5g é uma bosta de velocidade, aff

Ditador Nicastro

5G vai fritar seu cérebro, 5G == 60Ghz-90Ghz, isto quer dizer que seu corpo vai ser bombardeado com cerca de 60 milhões até 90 milhões de partículas eletromagnéticas por segundo a cada segundo.

Joel Santos

Essa é uma notícia boa para nós brs . quer dizer que agora que vai ter o 5g fora do Brasil , talvez o 4g finalmente funcione aqui . kkkkkk

ednezer
Pessimismo não, Petter... burrice, mesmo...
Bruno Pimentel

Existem N possibilidades a serem exploradas. Por exemplo, cerca de 15~20 anos atrás, ninguém pensava em uma TV ligada na Internet, e hoje em dia, pelo menos eu, uso a TV 90% do tempo na Internet (Netflix).

Daí vem o brasileiro esperto e comenta: "Pra que 5G se nem o 4G não funciona?". Após 5 anos, países desenvolvidos já estão com o 5G, e o mesmo brasileiro esperto reclama: "Brasil é um lixo...ainda estamos no 4G."

Bruno Pimentel
Existem N possibilidades a serem exploradas. Por exemplo, cerca de 15~20 anos atrás, ninguém pensava em uma TV ligada na Internet, e hoje em dia, pelo menos eu, uso a TV 90% do tempo na Internet (Netflix). Daí vem o brasileiro esperto e comenta: "Pra que 5G se nem o 4G não funciona?". Após 5 anos, países desenvolvidos já estão com o 5G, e o mesmo brasileiro esperto reclama: "Brasil é um lixo...ainda estamos no 4G."
Jorge Eduardo Santos
Nos roubam até na velocidade da internet. Esse país é mesmo inviável
Celio Azevedo
Livre mercado é a solução!
Thiago Adomaitis
mimimi
Exibir mais comentários