Início » Celular » Galaxy J3 (2016): a evolução dos básicos da Samsung

Galaxy J3 (2016): a evolução dos básicos da Samsung

Por cerca de 650 reais, o aparelho de entrada da Samsung é uma opção a se considerar para bolsos curtos

Paulo Higa Por
Nota Final 7.7

A linha J é a mais básica (e talvez mais abrangente) da Samsung. Ela engloba desde aparelhos como o Galaxy J1 Mini, com hardware que parece de smartphone de 2013, até celulares nem tão simples assim, como o Galaxy J7 Metal, que chega a competir com os intermediários premium e traz hardware para atender a usuários mais exigentes. No meio está o Galaxy J3.

Ele é uma opção para quem precisa de mais que um basicão, mas também não quer gastar muito. Por cerca de 650 reais no varejo, o Galaxy J3 traz resquícios de aparelhos mais simples, como o armazenamento de 8 GB e o plástico que tenta imitar couro. Em compensação, a Samsung colocou uma tela Super AMOLED de 5 polegadas e dois pontos acima da média da concorrência: RAM de 1,5 GB e processador quad-core de 1,5 GHz. Vale a pena? Eu conto neste breve review.

Review em vídeo

Design e tela

galaxy-j3-2016-6 galaxy-j3-2016-2

O Galaxy J3 é um smartphone barato da Samsung e tem cara de smartphone barato da Samsung. A traseira que tenta imitar couro (mas é só plástico rígido ao toque dos dedos) está ali, bem como as bordas de plástico pintado. É o padrão dos smartphones dessa faixa de preço, e não há muito como fugir disso. Dentro da categoria, dá para dizer que ele agrada aos olhos.

A pegada é boa, e as curvas nas laterais da traseira ajudam na ergonomia. As dimensões “reduzidas” da tela de 5 polegadas, num mercado que está tornando 5,5 polegadas um tamanho padrão (por que, fabricantes?), tornam o manuseio relativamente confortável. Diferentemente dos aparelhos mais caros da Samsung, não há retroiluminação nos botões frontais.

galaxy-j3-2016-3

A tela Super AMOLED de 5 polegadas tem resolução de 1280×720 pixels e definição satisfatória. O contraste, a reprodução de cores e o ângulo de visão são bons — e sim, o preto profundo está lá. Por padrão, os tons parecem frios demais para o meu gosto, mas é possível escolher quatro modos de tela nas configurações; o Exibição adaptável tenta exibir as melhores cores de acordo com o aplicativo que está sendo utilizado.

Há dois detalhes a se considerar. Primeiro, ele não possui brilho automático, um recurso que já se popularizou há bastante tempo em aparelhos mais simples. Além disso, o brilho máximo, na verdade, não é o máximo: é possível ativar manualmente o Modo Externo, que eleva (e muito) o brilho da tela para quando você estiver sob a luz do sol, por exemplo. Talvez a Samsung não tenha liberado todo o brilho por questões de economia de energia — de qualquer forma, o máximo que não é máximo já é suficiente para quase todas as situações.

Software

galaxy-j3-software

Em pleno agosto de 2016, às vésperas do lançamento do Nougat, o que eu menos espero é um smartphone com o velho Android 5.1.1 Lollipop. Não é surpresa que a Samsung demora para atualizar (ou às vezes nem atualiza) seus aparelhos mais simples, e o Galaxy J3 é mais um que entra na lista dos desatualizados. Ainda que o Android esteja mais modular e várias novidades cheguem mesmo para versões mais antigas, esse problema fere a vida útil do aparelho e o deixa mais suscetível a falhas de segurança.

A interface lembra a do Galaxy S5. É uma TouchWiz que ainda traz os ícones com cantos arredondados e o verde-azulado característico em todos os elementos da interface. Felizmente, não há muitos aplicativos pré-instalados, o que é importante num smartphone com apenas 8 GB de armazenamento. Além do pacote padrão do Google, o Galaxy J3 traz a suíte Office (com direito a 100 GB de espaço no OneDrive), três aplicativos de suporte da Samsung e o Opera Max, que ajuda a economizar dados.

Câmera

Com resolução de 8 megapixels, a câmera do Galaxy J3 não é nenhum primor de qualidade. Ela é capaz de fazer boas fotos quando a iluminação estiver muito boa, mas peca bastante em qualquer situação longe da ideal. A definição se perde e as cores vão embora. O nível de ruído sobe bastante em condições de baixa iluminação, e as fotos se tornam visivelmente granuladas.

20160730_191735 20160731_163933 20160731_163922 20160801_185149 20160731_135046

Não é uma câmera ruim para a categoria, é apenas mediana (e existem melhores). O Vibe C2, da Lenovo, que está sendo vendido na mesma faixa de preço, entrega cores mais vivas em ambientes internos e uma definição melhor, além de não sofrer tanto quanto o Galaxy J3 em fotos noturnas.

Hardware e bateria

O processador do Galaxy J3 é bem peculiar. Qualcomm? Não. MediaTek? Também não. Trata-se do Spreadtrum SC9830, um processador que traz CPU quad-core (Cortex-A7) de 1,5 GHz e GPU Mali–400MP2. Os núcleos são de 32 bits (em contraste com os Cortex-A53 de 64 bits que estão vindo nos aparelhos mais recentes), mas rodam em frequência acima do que estamos acostumados. Na prática, o desempenho bruto da CPU é similar ao Snapdragon 410 (quad-core Cortex-A53 de 1,2 GHz).

E embora o hardware não seja muito conhecido, ele entrega bom desempenho. O Galaxy J3 não dá conta de jogos mais pesados, mas enfrenta bem as demandas do dia a dia, como navegação no Chrome, redes sociais e aplicativos de mensagens. A fluidez é notavelmente melhor que a do Vibe C2, provavelmente pela RAM de 1,5 GB, que dá uma ajuda extra.

galaxy-j3-2016-5

É uma pena que a Samsung tenha pecado no armazenamento, de 8 GB, o que praticamente obriga o usuário a comprar um microSD e gerenciar de perto os aplicativos instalados. Ainda assim, considerando os concorrentes, eu tendo a gostar mais de um aparelho com 8 GB de espaço e 1,5 GB de RAM do que 16 GB de espaço e 1 GB de RAM — simplesmente porque o armazenamento pode ser expandido, enquanto a RAM limitada torna o desempenho ruim até o fim da vida útil do aparelho.

A bateria também dura. O Spreadtrum SC9830 se mostrou econômico, e eu consegui chegar até o final de quase todos os dias com algo entre 35% e 45% de bateria. No meu dia de testes, tirei o smartphone da tomada às 12h, ouvi streaming de música no 4G por 2 horas e naveguei na web pelo 4G por 1h20min, também pela rede móvel. A tela, que ficou ligada por exatamente 1h37min, estava com o brilho em 60%. Às 23h40, o nível alcançou os 42%.

Conclusão

galaxy-j3-2016-7

O Galaxy J3 tem os problemas conhecidos dos smartphones mais acessíveis da Samsung: o Android é desatualizado, o acabamento não é aquelas coisas e ele não se destaca em nada. Ainda assim, os coreanos entregam um aparelho bem equilibrado: nada se destaca, mas nada decepciona. A bateria dura bastante, a câmera funciona com boa iluminação e, o que é mais importante, o desempenho é consistente para um aparelho de baixo custo.

O principal comprometimento do Galaxy J3 está no armazenamento, de apenas 8 GB — bem que a Samsung podia dar uma de Alcatel e mandar um microSD de brinde na caixa. Mas nem sempre é possível mover todos os dados para um cartão de memória, então uma memória flash limitada invariavelmente compromete a experiência de uso, especialmente antes do Android 6.0 Marshmallow.

Para orçamentos mais curtos, o Galaxy J3 é uma opção interessante em sua faixa de preço. Em relação ao concorrente Vibe C2, a experiência de uso é melhor devido ao desempenho superior. No entanto, o “ponto ideal” do custo-benefício para gastar menos e ter um aparelho bacana ainda parece estar nos 900 reais, quando surgem aparelhos como o Moto G4 Play e outros pré-intermediários, como o Quantum Go.

Especificações técnicas

  • Bateria: 2.600 mAh;
  • Câmera: 8 megapixels (traseira) e 5 megapixels (frontal);
  • Conectividade: 3G, 4G, Wi-Fi 802.11n, GPS, Bluetooth 4.1, USB 2.0, rádio FM;
  • Dimensões: 142,3 x 71 x 7,9 mm;
  • GPU: Mali–400MP2;
  • Memória externa: suporte a cartão microSD de até 256 GB;
  • Memória interna: 8 GB;
  • Memória RAM: 1,5 GB;
  • Peso: 138 gramas;
  • Plataforma: Android 5.1.1 (Lollipop);
  • Processador: quad-core Spreadtrum SC9830 de 1,5 GHz;
  • Sensores: acelerômetro, proximidade;
  • Tela: Super AMOLED de 5 polegadas com resolução de 1280×720 pixels.

Galaxy J3 (2016)

Prós

  • Bateria de longa duração
  • Desempenho consistente para um aparelho de baixo custo
  • Design confortável de segurar
  • Tela Super AMOLED de boa qualidade

Contras

  • Android 5.1? Sério, Samsung?
  • Baixa capacidade de armazenamento
Nota Final 7.7
Design
8
Tela
8
Câmera
7
Desempenho
8
Software
7
Bateria
8
Conectividade
8

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Fabio Ramiro
preço pai
Islan Oliveira
LG coloca menos bloatware que a Samsung (ao menos colocava, não sei se isso mudou), não gosto da configuração dos botões da Samsung, fora que de 4 smartphones baixo custo que tive 3 foram da LG, prefiro confiar na experiência que eu tive. Reconheço que fiquei com preconceito da Samsung nas linhas de baixo custo até hoje.
Celso
Estranho. Eu tenho a percepção de que a LG é ainda pior que a Samsung em seus aparelhos de baixo custo. Mas quais critérios te levam a considerar a LG e não a Samsung nesse segmento?
Erick Takeshi Mine Rezende
nossa valeu, iria perguntar justamente isso kkkkkkkk se roda pokemon go
notBeto
Agradeço, Higa! Agora é só esperar pra assistir o review do Moto G4 Play e decidir entre os dois :)
Paulo Higa
J320M.
notBeto
Embora ele seja bem conhecido como Samsung Galaxy J3 (2016), qual é o nome oficial / número de modelo dele? Achei o modelo 2016 interessante, mas tenho receio de comprar o J3 querendo o 2016 e acabar pegando o modelo antigo hahah
Rafael Simoes Cruz
Quando vai atualizar o software do J3 6.0.1 marshmallow ??? Só isso
Buried
Por isso disse que é um preconceito, não uma afirmação baseada em fatos.
leoleonardo85
E eu pensando que a Samsung tinha aprendido, smartphone bem ruim, dá nem pra recomendar pra quem quer gastar pouco.
FABIO NEVES
Rapaz, o presidente da Samsung mudou... Aquilo que existia em 2012 não existe mais, hoje em dia é uma outra empresa na divisão mobile.
Tomtilt
8GB de ROM na metade de 2016? Nem de graça eu quero esse lixo.
Buried
Até um tempo atras repudiava veemente a linha S, começou bem S1, S2, S3, mas a partir do S3 ela descobriu que podia transformar um Smartphone em vários (S3 plus dualchip tv digital mini),dai eu já comecei a olhar estranho, só depois do S5 que voltei a "ter fé".
PedroBrito
Mas o legal é ver os Pokémons no mundo real kkkkk
Lungas Neto
Comprei e gostei. Gerencio as contas de mídias sociais de meus clientes sem problemas. Consigo me organizar com meus jobs, a bateria dura bastante. E Pokemon GO está rodando bem, obrigado! =)
Exibir mais comentários