Início » Mobile » Jogadores em pânico: mineração de criptomoedas fez os preços das GPUs dispararem

Jogadores em pânico: mineração de criptomoedas fez os preços das GPUs dispararem

Por
30 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora
GeForce GTX 1080 Ti

O que acontece quando a procura por um produto é maior do que a oferta? Os preços disparam, é lógico. É justamente isso o que está acontecendo no mercado de PCs para jogos: a demanda elevada está fazendo as placas de vídeo, que já não eram baratas, custarem uma fortuna. Não tem mais gente jogando, não. É a mineração de criptomoedas que aumentou a procura por GPUs.

A consequência direta disso é que, se você quiser montar um PC gamer hoje, vai ter que desembolsar muito dinheiro por uma placa de vídeo decente. Muito dinheiro mesmo: em muitos casos, o valor atual é o dobro ou o triplo do preço sugerido no lançamento da placa.

Preços duas ou três vezes mais altos

Nos Estados Unidos, por exemplo, a GTX 1080 Ti com 11 GB de memória GDDR5X foi lançada custando US$ 699, mas já está na casa dos US$ 1.300. Já uma Radeon RX 580 de 8 GB foi lançada por US$ 299, mas, hoje, sai por cerca de US$ 650. Uma Radeon RX Vega 64 custava US$ 499 no lançamento; atualmente, não é difícil achá-la por US$ 1.500.

É óbvio que os preços podem oscilar para cima ou para baixo dependendo do dia, mas, de modo geral, a percepção é a de um aumento de preços sem precedentes que, como tal, tem obrigado jogadores a adiar o plano de montar um PC gamer ou atualizar a máquina atual.

Radeon RX Vega 64 na Newegg

Radeon RX Vega 64 na Newegg

O assunto tem gerando discussões acaloradas no Reddit e em sites especializados. No meio dessa turma, é possível encontrar até gente que comprou GPUs poderosas antes da elevação dos preços e as vende agora para conseguir um bom dinheiro com a hipervalorização — e estão conseguindo.

Em 2016, já havia jogadores reclamando dos preços das placas de vídeo. Mas o problema ficou realmente preocupante em meados de 2017. A mineração de criptomoedas é a culpada, mas o Bitcoin, por incrível que pareça, não é o vilão, pois já não é tão rentável minerar essa moeda. Quem insiste nessa tarefa geralmente usa ASICs (Application Specific Integrated Circuit), equipamentos que fazem mineração com controle mais eficiente do consumo de energia.

Na verdade, o grande vilão da história — mas não o único — é o Ethereum, por duas razões: essa é uma moeda digital que vem seguindo a tendência de valorização acelerada; ela é uma criptomoeda resistente ao sistema do ASICs, razão pela qual continua valendo a pena minerá-la com GPUs.

Para piorar a situação, quem recorre a placas de vídeo para mineração não compra uma ou duas unidades, mas um monte delas. É por isso que, na maioria das lojas especializadas, só placas de desempenho mediano ocupam as prateleiras. GPUs parrudas, quando disponíveis, são ofertadas no esquema “é pegar ou largar”.

Radeon RX Vega 64 Liquid Cooled Edition

Radeon RX Vega 64 Liquid Cooled Edition

O PC gamer sob ameaça

O maior problema desse fenômeno, por assim dizer, é que ele não deve passar tão cedo. Simultaneamente, é difícil para a indústria aumentar a produção em tão pouco tempo ao ponto de dar conta de toda a demanda.

A consequência disso é que o mercado de PCs para games já está sendo impactado, de várias maneiras. Se o usuário adia os planos de montar um desktop para jogar, ele também vai deixar de comprar processadores, memórias (os preços dos módulos DDR4 também têm aumentado, mas esse é outro assunto), SSDs, fontes de alimentação e por aí vai.

Para quem não pode ou simplesmente não quer esperar — é difícil estimar quando as coisas irão normalizar —, uma saída tem sido a de recorrer a laptops de marcas como Alienware (Dell) e Predator (Acer). A razão é que fabricantes compram componentes em grandes volumes e, assim, conseguem preços mais realistas, embora isso não seja regra.

Acer Predator 17 X

Acer Predator 17 X

Outra estratégia tem sido a de simplesmente equipar as máquinas com placas medianas, mais fáceis de encontrar com preços “menos piores”. Obviamente que o desempenho vai ser afetado, mas, com os ajustes certos, dá para ter o mínimo de dignidade nas jogatinas.

Só que essas são soluções paliativas, se é que podem ser chamadas de soluções. No curto prazo, somente uma interferência direta da indústria e distribuidores pode trazer algum alento aos jogadores.

Na Europa, algumas lojas já restringem a venda de placas de vídeo a duas unidades por usuário para amenizar o problema. AMD e Nvidia estão cientes, é claro. Esta última chegou a declarar que “os gamers vêm em primeiro lugar” e, por isso, vem recomendando aos parceiros comerciais que façam os arranjos apropriados para atender às necessidades dos jogadores.

Mas parece que as tais recomendações estão sendo ignoradas, pelo menos até agora.

Com informações: Ars Technica, ExtremeTech.