Início » Computador » Espere uma nova geração de notebooks (até que enfim) com o Projeto Athena

Espere uma nova geração de notebooks (até que enfim) com o Projeto Athena

Intel quer incentivar fabricantes a produzirem laptops com 5G, mais autonomia e inteligência artificial

Paulo Higa Por

Direto de Las Vegas — Lembra dos ultrabooks? Eles são mais conhecidos como uma categoria de notebooks leves, finos e com mais bateria, mas na verdade faziam parte de um programa da Intel para incentivar as fabricantes a lançarem novos formatos de laptops. Quem atendesse às especificações definidas pela Intel (que ficavam mais rigorosas a cada ano) podia colar a tal etiqueta de ultrabook em seus produtos.

Intel

Então, quase dez anos depois, teremos algo parecido: o Projeto Athena. De acordo com a Intel, trata-se de um “programa de inovação que define e visa ajudar a trazer ao mercado uma nova categoria de laptops avançados”. Basicamente, esses notebooks terão bateria e conectividade como principais pilares (qualquer semelhança com um anúncio recente da Qualcomm não é mera coincidência).

Entre os requisitos para fazer parte do Projeto Athena estão a duração de bateria de um dia inteiro, para dar ao usuário a “confiança para deixar o carregador em casa”; além de uma plataforma que permita manter a máquina “sempre conectada de forma rápida e confiável”, o que se traduz em laptops com conexão 5G. A Intel ainda não divulgou as especificações exatas; a concorrência anda prometendo até 25 horas de autonomia.

Intel - Project Athena

E o que mais? Inteligência artificial, para “auxiliar, filtrar, adaptar e otimizar proativamente o sistema”; ficar “pronto para usar antes de você”, o que indica um modo de espera mais inteligente no sistema operacional (baixando e-mails e notificações mesmo enquanto a tampa do notebook está fechada, por exemplo); e mais “desempenho e responsividade” (espero que os discos rígidos sejam proibidos).

Assim como nos ultrabooks, as especificações ficarão mais rigorosas a cada ano; as empresas participarão de um ecossistema para acelerar o desenvolvimento de novos componentes para notebooks; e os produtos passarão por um processo de certificação para se enquadrarem no Projeto Athena.

Os primeiros notebooks serão lançados a partir do segundo semestre, com os sistemas operacionais Windows ou Chrome OS. No palco, a Dell mostrou um protótipo baseado no XPS 13 que está sendo desenvolvido para o Projeto Athena, sem revelar detalhes. Além dela, fabricantes como Acer, Asus, Google, Lenovo, Microsoft e Samsung estão embarcando na iniciativa.

E o Lakefield?

Ok, mas como a Intel vai ajudar a fazer esses tais notebooks? Uma das possibilidades é com o que foi oficialmente batizado nesta segunda-feira (7) de Lakefield. É esta placa-mãe minúscula, do tamanho de cinco moedas:

Intel Lakefield

O Lakefield é uma plataforma híbrida, que lembra muito os chips para smartphones de hoje. Ele é penta-core: existe um núcleo de alta performance, baseado na arquitetura Sunny Cove de 10 nanômetros, e quatro de baixo consumo energético, os mesmos utilizados nos Intel Atom. Tarefas mais pesadas ficam com o Sunny Cove, enquanto os cores econômicos dão conta de manter tudo funcionando por mais tempo.

A placa-mãe também acompanha chip gráfico e interfaces de memória. Como ela é bem compacta, permite que as fabricantes a utilizem em notebooks mais leves, finos e, principalmente, com mais bateria (justamente um dos pilares do Projeto Athena).

A plataforma começará a ser produzida para todas as fabricantes interessadas “este ano”.

Paulo Higa viajou para Las Vegas a convite da Intel.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

David Augustus

Já quanto a microsoft sim, o chrome os é um bicudo no meio do saco deles .

David Augustus

Pelo amor ao google! Se alguém quiser um Microsoft RUindous de OS, num dispositivo desse, é retardado .

David Augustus

Que concorrência sô, ninguem tem isso aí não .

Carlin

Depois ta tentativa frustante de tentar fazer os ultrabooks darem certos, fico com o pé atrás quando a Intel resolve fazer algo "incrível".

Franco Luiz

todos queremos

Lord Cheetos

"placa-mãe minúscula, do tamanho de cinco moedas" Finalmente, já tava elogiando os notebooks com Snapdragons por terem placas reduzidas.

Luizão

como é bom a intel ter concorrência, faz ela sair da zona de conforto.

Robert Rey

Sim, um notebook com um Ryzen 3 ou 5 custando o equivalente a um com core i3-i5 e com mais poder (principalmente gráfico) seria uma boa.

Uriel Dos Santos Souza

Eu só queria preços mais baixos! :(

Franco Luiz

La é cheio de fanboy de tudo mas os de amd e da sony estao piores que da xiaomi kkkkk

Mas eu queria note com amd ryzen no brasil mas a culpa n é nossa se n trazem ne entao so podemos falar da intel ja que tem intel pra tudo q é lado haha

Robert Rey

Ainda bem que você não postou isso no Adrenaline, pois você iria direto pra fogueira. Lá só se pode falar bem da AMD.

Franco Luiz

Legal a intel vem melhorando no quesito notebook , a 8 gen dos processadores sao excelentes tem um desempenho muito bom