Início » Negócios » Samsung, Huawei e Xiaomi crescem em vendas de celulares enquanto Apple cai

Samsung, Huawei e Xiaomi crescem em vendas de celulares enquanto Apple cai

Samsung lidera mercado, respondendo por mais de 20% das vendas globais; Huawei consolida vice-liderança

Paulo Higa Por

As consultorias Strategy Analytics e Counterpoint Research divulgaram nesta quarta-feira (31) seus relatórios do mercado global de smartphones no segundo trimestre de 2019. Os estudos mostram que as quatro maiores fabricantes melhoraram as participações de mercado em relação ao mesmo período de 2018, com uma exceção: a Apple.

iPhone XR 2019 (imagem por @OnLeaks e Pricebaba)

Vendas de iPhones caíram pelo terceiro trimestre consecutivo

A Apple parou de informar o número de iPhones vendidos após uma estagnação nas unidades, então dependemos das consultorias para saber como está o mercado de iPhones. Os relatórios mostram que a Apple enviou entre 36,4 e 38 milhões de celulares no período de abril a junho, uma queda em relação aos 41,3 milhões (número oficial) do segundo trimestre de 2018. Com isso, a empresa ficou na terceira posição.

As líderes continuam sendo a Samsung e a Huawei, que enviaram mais de 130 milhões de smartphones ao mundo e representam mais de 35% do mercado. A dupla cresceu em relação a 2018, junto com a Xiaomi, que ocupa a quarta posição.

Este é o relatório do mercado global de smartphones da Strategy Analytics para o segundo trimestre de 2019:

  1. Samsung: 22,3%, com 76,3 milhões de unidades
  2. Huawei: 17,2%, com 58,7 milhões de unidades
  3. Apple: 11,1%, com 38 milhões de unidades
  4. Xiaomi: 9,4%, com 32 milhões de unidades
  5. Oppo: 8,7%, com 29,8 milhões de unidades
  6. O resto: 31,2%, com 106,6 milhões de unidades

A Counterpoint divulga um número maior de marcas (entre parênteses, a variação no número de unidades enviadas em relação ao segundo trimestre de 2018):

  1. Samsung: 21,3%, com 76,6 milhões de unidades (+7,1%)
  2. Huawei: 15,8%, com 56,7 milhões de unidades (+4,6%)
  3. Apple: 10,1%, com 36,4 milhões de unidades (-11,9%)
  4. Xiaomi: 9%, com 32,3 milhões de unidades (+0,9%)
  5. Oppo: 8,1%, com 29 milhões de unidades (-2,0%)
  6. Vivo: 7,5%, com 27 milhões de unidades (+2,1%)
  7. Lenovo/Motorola: 2,6%, com 9,5 milhões de unidades (+6%)
  8. LG: 2,2%, com 8 milhões de unidades (-18,5%)
  9. HMD/Nokia: 1,3%, com 4,8 milhões de unidades (+20%)
  10. Realme: 1,3%, com 4,7 milhões de unidades (+848%)
  11. O resto: 20,8%, com 75 milhões de unidades (-12,8%)
Samsung Galaxy A80

Linha Galaxy A fortalece vendas da Samsung

Para a Strategy Analytics, a Samsung melhorou o número de unidades enviadas graças às fortes vendas no segmento intermediário (Galaxy A), mas a margem de lucro caiu devido ao aumento da competição nos preços. Quem surpreendeu foi a Huawei, que conseguiu melhorar as vendas mesmo com as sanções dos Estados Unidos.

Os efeitos das sanções americanas serão sentidos apenas no terceiro trimestre de 2019, segundo a Counterpoint Research: a Huawei deve registrar um “declínio acentuado” no número de unidades em mercados fora da China. Já a Apple, que sofreu a terceira queda trimestral consecutiva, reduziu os preços do iPhone XR em alguns mercados, mas ainda poderá enfrentar obstáculos com a desaceleração da economia chinesa.

E, por fim, vale destacar a ascensão da Realme, que vem lançando celulares mais baratos com especificações de hardware acima da média. Com apenas um ano de vida, a marca entrou no top 10 global. Isso também coloca a chinesa BBK Electronics, dona da Oppo, Vivo, Realme e OnePlus, como a segunda maior fabricante de celulares do mundo, à frente da Huawei.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Guilherme Jansen

Essa situação da Apple é algo que sempre foi falado que um dia iria acontecer.
Resta saber se a diversificação da receita em serviços vai tampar o buraco...
Acesse:www.brunoespiao.com.br e veja como monitorar um celular ...

francisco jansen

Acesse: https://brunoespiao.com.br/...
e veja como é facil grampear um celular...

Bruce Kller

Você está falando de 5 anos atrás, o mercado mobile mudar muito rápido hehe. De lá para cá, houve muitas mudanças na estratégia da Lenovo e de um ano para cá, que eles estão tentando bater de frente com o crescimento da Xiaomi.

Genumano

Crescimento da Lenovo? Quando comprou a Motorola, a Lenovo era maior que atualmente.

Genumano

Lucro de uma empresa que não fornece avanço só reflete o quão ignorante o consumidor é. Qual o interesse em saber quem lucra mais uma vez que só comprovará o quanto o fabricante está rindo do consumidor?

Douglas B

Esse é a véspera de lançamento mais fria da Apple. Falta um mês pro iPhone 11 e ninguém tá nem aí. Digamos que é assim que deve ser né, pois está entregando menos que a Samsung e as demais do Android pelo dobro do preço há anos.

BrunoMontanha

E o excesso de propaganda e orgulho, de filosofia em ser único, na tentativa em ser o fodão, fez inflar demais o próprio Ego e agora esteja cobrando o preço.
Super aumentado e desejado, fez com que o preço final ficasse muito aquém do que deveria ser pra chamar de "aceitável", tornando-se um item de luxo. Mas continua sendo apenas um Celular! Mas a concorrência trabalha forte e lança aparelhos mais acessíveis. O luxo já vem cansando há tempos, pois é mais fictício que real, e tá dando lugar à verdade. Quem antes queria ter um celular da maçã, tem aberto mão dessa idéia e partido para o rival que pode não ser estratosfericamente soberto em sua concepção de arte e unicidade, mas é bonito, traz os últimos recursos da tecnologia, abraça a causa de ser acessível e é principalmente funcional!

joaoserpa

Eles já tiveram um Iphone "barato" em 2016 que foi o SE (lançamento de U$ 399,00), não duvido que logo lancem um SE2 custando perto de U$ 500,00. Na faixa dos U$ 300,00 acho quase impossível um celular com a maçazinha atrás, pois perderia o status nas postagens das redes sociais. Como o Gabriel falou ali embaixo, os telefones baratos da Apple são os com 03 anos ou + de vida.

Keaton

Apple: 11,1%, com 38 milhões de unidades

Xiaomi: 9,4%, com 32 milhões de unidades

Po... nada mal pra uma empresa que não tem duas décadas de história... mas sei lá, logo logo vem os haters falar mal da Xiaomi. (claro que a Xiaomi tem modelo pra burro, só perdendo pra Samsung - e que a Apple vende celular ridiculamente caro)

A Oppo e a, sua subsidiaria, Realme também estão fazendo bem bonito.

Franklin

Isso já era esperado. iPhone sempre foi caro, mas os novos iPhones estão custando uma fortuna

Anderson

Realmente precisa analisar muito bem do ponto de vista de marketing. Eu faria exatamente a mesma coisa que você disse. Mesmo que o lucro de um smartphone mais barato fosse bem menor, creio que o aumento de share no mercado e os ganhos na loja de apps ajudaria a aumentar o lucro geral no setor mobile. Porém, precisa analisar a fundo os números. Será que o público que compraria um iPhone bem mais barato consumiria apps pagos na loja? Será que o ponto de vista de marca, a Apple seria prejudicada por deixar de ser vista como "elitista" e assim deixasse de ter seus produtos tão desejados? Tudo precisa de uma análise minuciosa. Mas eu também faria exatamente o que você mencionou no seu comentário.

GTR TELEFONIA

essa imagem parece a xiaomi bem encostadinha no terceiro lugar da apple kkkk

GTR TELEFONIA

xiaomi na bundinha da apple hein ??

kkkkkkk

Guaip

Credo, não sei nem o que dizer sobre isso.

O lucro da Apple é bem superior ao de qualquer outra fabricante. Tem reportagem disso aqui no TB.

Exibir mais comentários