Início » Brasil Telecom » Ainda sobre a banda larga impopular

Ainda sobre a banda larga impopular

Por
7 anos atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Uau, quantos comentários! Obrigada a todos que colaboraram na discussão! Agora não preciso mais colocar impopular entre aspas, pois essa impopularidade está mais que confirmada. Hehe!

Só gostaria de reforçar algo que vocês talvez não tenham prestado muita atenção:

Os 300 MB não são o ponto-chave do artigo. E sim, o compromisso mensal de R$ 35, inacessível para o público-alvo da proposta, ainda que seja só para espiar seus emails uma vez por semana. As pessoas querem usar e pagar quando PODEM. Por isso a telefonia fixa está morrendo! Ninguém quer se comprometer com uma mensalidade!

Evidentemente, estou considerando que a educação não pode ser negligenciada. Antes disso, internet nas escolas é uma obrigação.

Quanto aos que insistiram que 300 MB não dão nem para usar Orkut e MSN (ou navegar diariamente): bem, o público-alvo do PNBL certamente não é esse. Estamos falando de pessoas que sequer possuem email, que não conseguem nem tirar um documento. Não estamos falando de lazer. E vocês, leitores do Tecnoblog, já possuem algum tipo de acesso, senão nem estariam aqui, óbvio. Se o objetivo fosse uma migração em massa, nossa infra entraria em colapso!

Para nós, privilegiados com internet, mas ainda com serviços ruins, só o incentivo à concorrência salva. Para isso, precisamos de uma agência reguladora que realmente bata na mesa, e não que se alie a grupos econômicos.

300 MB de franquia mensal não são o problema

O PNBL é uma proposta emergencial. Não queremos que milhões de brasileiros fiquem eternamente usando uma internet lenta com cota pequena. Inclusão digital, além de cidadania, agrega novos conhecimentos e habilidades, fazendo com que pessoas sem um mínimo de qualificação passem a ter uma oportunidade de aprender. E o melhor: progredindo, poderão enfim arcar com uma mensalidade em casa, com planos mais robustos.

O mesmo vale para o Bolsa Família. É uma proposta emergencial, e não permanente, para milhões de pessoas sem perspectiva alguma de sobrevivência. Ou pelo menos deveria ser, já que está longe de ser perfeito.

Nós, que temos acesso à boa educação, planos de saúde e conexão rápida em casa, vivemos outra realidade. Entre nossos Googles, YouTubes e Skypes, às vezes não enxergamos isso. Quase não temos contato com os totalmente excluídos.

Insisto: PNBL com compromisso mensal é um erro.

Sobre cartéis de telecoms e interesses escusos por trás da proposta… Aí é assunto para outro post! 😉