Intel: notebooks do Projeto Athena terão pelo menos 9 horas de bateria

Projeto Athena é um programa da Intel para criar laptops mais avançados que ultrabooks

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 1 ano
Dell XPS 13 (2019)

A CES 2019, no início do ano, foi o evento escolhido pela Intel para apresentar o Projeto Athena, programa que visa trazer ao mercado uma categoria de laptops ainda mais sofisticada que a dos ultrabooks. Como? Com a proximidade da Computex 2019 (marcada para o fim do mês), a companhia finalmente resolveu dar mais detalhes.

Os ultrabooks são compactos, leves e atendem a requisitos mínimos de desempenho. O que poderia melhorar, então? A disponibilidade. Ao Engadget, a Intel explicou que o Projeto Athena é direcionado a pessoas habituadas a usar seus laptops em cafeterias, bibliotecas ou mesmo ao ar livre — em um parque, por exemplo.

Se você se encaixa nesse perfil de uso, é bastante provável que já tenha enfrentado alguns contratempos, como dificuldade para achar uma tomada para recarregar a bateria do notebook ou estar em um local com conexão ruim à internet.

O Projeto Athena vai atacar esses problemas. Para começar, os laptops condizentes com o programa terão que oferecer, no mínimo, 9 horas reais de duração de bateria. Além disso, carregamento rápido será obrigatório: 30 minutos de tomada deverão permitir autonomia de pelo menos 4 horas.

Laptops que prometem autonomia de 9 horas ou mais já existem, mas os critérios para estimar essa duração frequentemente são vagos ou irreais. A Intel quer aplicar condições mais semelhantes às da “vida real” — a de um usuário que deixa um vídeo do YouTube rodando enquanto navega pela web ou executa tarefas no Office.

É por isso que a Intel vai incluir nos testes de bateria uma série de parâmetros rigorosos, que consideram navegação na web, aplicativos rodando em segundo plano, brilho alto na tela, entre outros.

Intel

Houve poucos comentários da Intel sobre conectividade. É possível que esse quesito seja abordado na Computex 2019. De todo modo, a companhia já havia dito que aposta nas redes 5G para permitir que os laptops do Projeto Athena estejam sempre conectados.

Os primeiros notebooks certificados para o Projeto Athena devem chegar ao mercado no segundo semestre ou, mais provavelmente, em 2020. Em ambas as épocas, as redes 5G ainda estarão em fase embrionária, por assim dizer.

Vale, então, otimizar o que for possível. É bastante provável que os fabricantes tenham que adotar o Wi-Fi 6 (802.11ax) como padrão, por exemplo.

Intel Open Labs

A própria Intel reconhece que atender aos requisitos do Projeto Athena é difícil — sem contar que as especificações ficarão mais rigorosas a cada ano. É por isso que a companhia vai trabalhar junto aos fabricantes na otimização dos laptops.

O Open Labs é um dos pilares desse plano. Os fabricantes terão acesso 24 horas a laboratórios da Intel nos Estados Unidos, Taiwan e China para, além de validação dos equipamentos, receber auxílio para otimizar o consumo de bateria, a experiência de uso da tela e vários outros parâmetros de seus produtos.

Tudo girará em prol do objetivo de evitar desequilíbrios, por exemplo, que o notebook tenha bastante autonomia de bateria, mas desempenho geral prejudicado.

Com início das operações previsto para junho, os Open Labs também conduzirão trabalhos de pesquisa e desenvolvimento. Fabricantes de telas, SSDs, dispositivos de áudio e outros componentes poderão validar seus produtos nos laboratórios para que eles sejam indicados para o Projeto Athena.

Fiquemos de olho. Mais detalhes são esperados para a Computex.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados