Em meio a investigação e multa, Facebook anuncia lucro de US$ 2,6 bilhões

Apesar dos pesares, Facebook conseguiu lucrar US$ 2,6 bilhões no segundo trimestre

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 3 meses
Facebook (Foto: Max Pixel)

Como esperado, o Facebook divulgou os seus resultados financeiros referentes ao segundo trimestre de 2019. Os números mostram que a companhia lucrou US$ 2,6 bilhões, quase metade do montante registrado no mesmo período do ano anterior (US$ 5,1 bilhões). Mas isso está longe de ser sinal de crise.

Primeiro porque a base de usuários continua em alta. No segundo trimestre, a companhia registrou 2,4 bilhões de usuários ativos mensais (aqueles que acessam a rede social pelo menos uma vez por mês) e 1,59 bilhão de usuários ativos diários. Esses números são 8% maiores que os do mesmo período de 2018.

Tem mais: o Facebook diz que 2,7 bilhões de pessoas usaram seus serviços de mensagens instantâneas mensalmente (Facebook Messenger, Instagram Direct e, principalmente, WhatsApp), sendo que 2,1 bilhão de usuários o fizeram diariamente.

Toda essa movimentação levou a companhia a arrecadar US$ 16,9 bilhões entre abril e junho, valor que superou com alguma folga a previsão de US$ 16,5 bilhões dos analistas de mercado.

Mas o lucro ficou em US$ 2,6 bilhões, valor que corresponde a US$ 0,91 por ação, muito aquém da previsão de US$ 1,85 dos analistas.

Apesar disso, o Facebook não demonstra nenhum sinal de preocupação. O mercado tampouco: as ações da companhia chegaram a subir 6% após a divulgação dos resultados.

A razão disso é que a queda do lucro já era prevista: na quarta-feira (24), horas antes da liberação do relatório financeiro, o Facebook anunciou um acordo com a FTC com o qual concordou pagar uma multa de US$ 5 bilhões para encerrar as investigações sobre o caso Cambridge Analytica.

Facebook

Um dos fatores que reduziram o lucro é justamente a reserva direcionada para os custos do acordo com a FTC. A companhia já havia deixado claro que esperava que a multa seria de pelo menos US$ 3 bilhões, portanto, o acordo não pegou os acionistas de surpresa.

O que pode trazer alguma inquietação para os investidores é o que irá acontecer a partir de agora. Isso porque o acordo com a FTC prevê uma série de medidas para proteção de dados dos usuários que tornará os processos mais burocráticos dentro da companhia.

Além disso, o Facebook vai encarar uma investigação antitruste nos Estados Unidos que também envolverá gigantes como Amazon, Apple e Google. A companhia ainda não se manifestou sobre esse assunto.

Com informações: CNET.

Receba mais sobre Meta na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados