Início / Notícias / Legislação /

WhatsApp lista 10 “mitos e fatos” sobre regra no PL das fake news

A regra do PL das fake news sobre rastreamento de mensagens que foram muito encaminhadas recebeu novas críticas do WhatsApp

Victor Hugo Silva

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O WhatsApp voltou a se posicionar contra o trecho do PL das fake news (projeto de lei 2630/2020) que prevê o rastreamento de registros de mensagens que viralizaram entre usuários. Depois de apontar em audiência da Câmara dos Deputados os riscos que a medida traz à privacidade, a empresa divulgou uma lista de 10 itens que classifica como mitos em torno da proposta.

WhatsApp

No documento, disponível neste link, o WhatsApp destaca que o rastreamento não ficará restrito às mensagens que viralizaram. Isso porque, pela versão atual do projeto, o aplicativo teria que rastrear registros das mensagens de forma preventiva. “Como o WhatsApp não tem como prever o futuro e saber quais mensagens serão encaminhadas, teríamos que adicionar uma etiqueta permanente, como uma impressão digital, em todas as mensagens enviadas”, afirma.

A empresa também aponta como mito a afirmação de que “a rastreabilidade não quebra a criptografia”. No documento, ela afirma que a medida impede com a criptografia de ponta a ponta porque “força as empresas a armazenar todas as mensagens em seus servidores e, dessa forma, ter acesso ao conteúdo de todas as mensagens armazenadas”.

Entre as afirmações desmentidas pelo WhatsApp, também está a de que o rastreamento de mensagens é “uma maneira confiável de identificar o autor de um conteúdo viral”. Para a companhia, o modelo é ineficaz porque aponta como autores usuários que, por exemplo, baixaram uma imagem de outro local e a compartilharam no app. A medida também classificaria como autor quem envia para um contato a captura de tela de um conteúdo feito por terceiros.

Ainda segundo o mensageiro, a proposta oferece riscos legais aos usuários. “A rastreabilidade retira das pessoas a presunção de inocência e inverte a lógica das investigações policiais. As empresas privadas seriam forçadas a entregar os nomes dos usuários que enviaram ou compartilharam um determinado conteúdo, mesmo que eles não sejam os criadores ou o tenham compartilhado para alertar ou verificar sua veracidade, e mesmo que não estejam sendo investigados por um crime”, afirma a empresa.

A companhia argumenta ainda que a proposta de rastreamento foge de todos os padrões internacionais. “A exigência da rastreabilidade tornará o Brasil uma verdadeira exceção no cenário internacional, pois nenhuma democracia no mundo exige o rastreamento de mensagens privadas”. As críticas ao projeto aparecem em uma página sobre segurança no site do aplicativo. Não há informação no site de quando a página foi publicada, mas o Google indica que ela foi ao ar em 23 de setembro.

Google indica que WhatsApp publicou página sobre PL das fake news em 23 de setembro

O que diz a proposta criticada pelo WhatsApp

Aprovada pelo Senado em junho, o PL das fake news prevê que apps de mensagens como WhatsApp e Telegram deverão guardar por, pelo menos 3 meses, os registros (e não o conteúdo) das mensagens encaminhadas por mais de cinco usuários e que chegaram a, no mínimo, 1.000 pessoas. A proposta aparece no artigo 10, muito criticado por entidades de direito digital.

O trecho foi criticado até mesmo por uma comissão de juristas da Câmara e deve ser retirado pelo atual relator. Em uma versão preliminar do novo texto, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) fez várias mudanças no projeto e cortou a medida. O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) definirá quando o projeto será votado.