Início / Notícias / Aplicativos e Software /

iFood não cobrará comissão de restaurantes no Amapá até fim do ano

Por conta do apagão, iFood também fará pagamentos adicionais para entregadores e distribuirá cestas básicas no Amapá

Por

O iFood anunciou que não cobrará comissão de restaurantes no Amapá até o final de 2020. Além do valor cobrado em entregas, a taxa para pedidos feitos pelo aplicativo e retirados no local também foi zerada temporariamente. O objetivo é ajudar estabelecimentos do estado a reduzirem as perdas por conta do apagão de energia elétrica que durou 22 dias.

iFood

Para contribuir com a recuperação, a plataforma também oferece linha de crédito facilitada para restaurantes amapaenses. Para isso, é preciso se cadastrar no aplicativo Conta Digital iFood, voltado para empresas. Com ele, os estabelecimentos podem criar uma conta gratuita e solicitar a análise de crédito.

Segundo a head de Soluções Sustentáveis do iFood, Luciana Vaz, a empresa adotou as medidas porque para muitos restaurantes o delivery é um dos canais de vendas mais importantes no atual momento.

“Estamos isentando as taxas temporariamente para que eles possam fazer suas vendas e recuperar-se”, afirmou. “Por saber que houve a perda de insumos e outras situações que precisam de volume maior de capital rapidamente, também há uma solução financeira que permita aos restaurantes retomarem suas operações”.

iFood fará pagamento adicional a entregadores

O iFood também anunciou que, para compensar perdas registradas durante o apagão, fará repasses adicionais para entregadores no Amapá até a próxima quinta-feira (10). Segundo a empresa, o valor extra pago no estado será equivalente à média diária registrada pelo entregador nos últimos três meses.

Em uma parceria com a ONG Ação da Cidadania, o iFood distribuirá cestas básicas para famílias em situação de risco no Amapá. A companhia levantou mais de R$ 100 mil em cinco dias de arrecadação pela área de doações em seu app e distribuirá 23 toneladas de alimentos, o que deverá ajudar cerca de 10 mil pessoas no estado.