IA criada por brasileiro consegue imitar famosos em conversas por texto

Character.AI, dos ex-engenheiros do Google Daniel de Freitas e Noam Shazeer, aprende o que personalidades costumam dizer e imita ideias durante bate-papo

Giovanni Santa Rosa
Por
• Atualizado há 2 meses
Character, o assistente da Character.AI
Character, o assistente da Character.AI

A inteligência artificial foi um dos destaques de 2022 — e deve seguir dando o que falar em 2023. Após modelos que geram imagens e textos, uma nova ferramenta chamada Character.AI promete simular conversas com praticamente qualquer pessoa: músicos, escritores, filósofos, empresários, políticos e até personagens de anime.

Os criadores desta inteligência artificial são dois ex-engenheiros do Google: Noam Shazeer e Daniel de Freitas.

Como você pode adivinhar pelo nome, Freitas é brasileiro. Ele é formado em Engenharia da Computação pela Escola Politécnica da USP.

Freitas começou a se interessar por inteligências artificiais para conversas ainda na Microsoft, onde trabalhava como engenheiro de software nos motores de busca do Bing.

Depois, ele foi para o Google, trabalhar na área do YouTube. Com 20% do expediente disponibilizado pelo Google para em desenvolver projetos pessoais, ele criou um modelo de inteligência artificial para conversas chamado Meena.

O Meena serviu de base para o LaMDA, sigla que significa Modelo de Linguagem para Aplicações de Diálogo. O LaMDA ficou famoso quando um engenheiro disse que o modelo havia ganhado “vida própria” — o que, mais tarde, se mostrou um exagero.

Inteligência artificial boa de papo

Enquanto isso, Freitas e Shazeer fundaram sua própria empresa e continuaram trabalhando na tecnologia de modelos de conversa.

A criação da dupla é o Character.AI. Com ele, é possível simular muitas pessoas, principalmente famosos de várias áreas, reais ou ficcionais, mortos ou vivos.

A lista é praticamente infinita. Você pode conversar com Tim Cook, Sócrates, Albert Einstein, Tony Stark, personagens de anime, famosos do TikTok e muito mais.

Também dá para usar o modelo para aprender idiomas ou falar de assuntos específicos, como videogames ou História, ou usar o assistente Character, um robozinho que responde perguntas e realiza tarefas.

A inteligência artificial aprende como cada um dessas personalidades fala e pensa a partir de textos extraídos da internet. Depois de ler muitas declarações de Tim Cook, por exemplo, ela tenta replicar nas conversas o que ele diria.

Falar é fácil, difícil é acertar

No entanto, a Character.AI repete um problema do ChatGPT e outros modelos similares: eles não têm precisão factual. As conversas imitam o estilo das personalidades, mas podem conter informações que não são verdadeiras.

Shazeer e Freitas sabem disso, e o site da ferramenta, ainda em fase beta, tem um aviso: “Tudo que os personagens dizem é inventado!”.

É um problema que o ChatGPT também tem — o que trouxe problemas para quem tentou dar usos práticos a ele, com o site de notícias de tecnologia Cnet.

Ao New York Times, Shazeer diz que os sistemas não foram projetados para falar a verdade. “Eles foram desenhados para ter conversas plausíveis”, comenta.

O próximo passo é treinar o modelo com mais quantidades enormes de dados extraídos da internet. Ao jornal novaiorquino, Shazeer declara que a tarefa está apenas no começo, já que a quantidade de conteúdo cresce em ritmo acelerado, dia após dia. Ele espera que os sistemas fiquem ainda mais inteligentes.

Com informações: The New York Times.

Receba mais sobre Brasileiros na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Relacionados