ChatGPT terá memória para aprender informações e preferências do usuário

Com a memória, não será mais necessário explicar coisas que já foram ditas em outras conversas. OpenAI dará opção para desativar recurso e apagar lembranças.

Giovanni Santa Rosa
Por
ChatGPT
Memória do ChatGPT será inicialmente liberada para pequeno número de usuários (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A OpenAI anunciou que o ChatGPT contará com uma memória para lembrar o que foi dito em conversas anteriores — como seu trabalho, o que você gosta de fazer nas horas vagas e como prefere suas anotações de trabalho. Os usuários podem desligar o recurso, bem como selecionar o que deve ser “esquecido”.

Com a memória, o ChatGPT deve ficar mais personalizado. Até agora, toda nova conversa começava do zero, e não era possível se referir a assuntos tratados anteriormente em outros chats. Quando o recurso estiver disponível, isso pode agilizar algumas tarefas — você não vai precisar dizer de novo que gosta de seus resumos em bullet points, por exemplo.

Tela do ChatGPT com informações armazenadas sobre usuário
Informações sobre família, preferências de escrita e planos de viagem mencionadas anteriormente ficam armazenadas (Imagem: Divulgação/OpenAI)

Os GPTs personalizados e os plugins também terão memórias. O Verge dá um exemplo bom de como isso pode ser útil: o plugin do Kayak, que busca passagens aéreas e hotéis, pode aprender qual sua companhia aérea favorita e sugerir voos por ela, sem que você precise especificar.

Memória do ChatGPT terá configurações de privacidade

A memória aprende o que é dito durante as conversas, mas o usuário também pode pedir para o ChatGPT armazenar algumas informações para interações futuras. Você pode pedir para a IA lembrar que você é vegetariano, e todas as sugestões de receitas futuras deverão levar isso em consideração, por exemplo.

Também dá para perguntar ao ChatGPT o que ele memorizou sobre você, bem como pedir para esquecer alguns detalhes (ou todos eles). Isso também pode ser feito nas configurações do serviço. A OpenAI diz que o chatbot não vai gravar dados sensíveis, como de saúde, por exemplo.

Tela de personalização nas configurações do ChatGPT, com opções para desativar a memória ou gerenciá-la
Memória pode ser desativada nas configurações (Imagem: Divulgação/OpenAI)

Um ponto importante: a memória funciona de maneira independente do histórico de conversas. Apagar uma conversa não faz desaparecer as informações que o robô aprendeu durante aquela interação.

Para quem não se sente confortável com a possibilidade de uma inteligência artificial estar decorando tudo que é dito, a OpenAI sugere usar as conversas temporárias (“temporary chats”, no aplicativo).

A memória será liberada inicialmente para alguns usuários selecionados, tanto do plano gratuito quanto do ChatGPT Plus. A ideia é entender se ela será realmente útil durante esse período de testes e melhorar o que for necessário antes de ativar a ferramenta para todo mundo.

Com informações: The Verge, TechCrunch, OpenAI

Relacionados