Chip Apple A17 Pro, do iPhone 15 Pro, tem litografia de 3 nm e ray tracing

Processador Apple A17 Pro é exclusivo do iPhone 15 Pro e iPhone 15 Pro Max; SoC é o primeiro com litografia de 3 nanômetros e traz melhorias para games

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 8 meses
Chip A17 Pro (Imagem: Divulgação/Apple)
Chip A17 Pro (Imagem: Divulgação/Apple)

A Apple revelou nesta terça-feira (12) o iPhone 15 Pro e o iPhone 15 Pro Max com um novo SoC, o Apple A17 Pro, repetindo a estratégia de equipar as versões Pro com um processador mais avançado. O chip, além de ser entre 10% e 20% mais rápido que o A16 Bionic do iPhone 15, traz um novo processo de fabricação de 3 nanômetros e inclui suporte ao ray tracing por hardware.

O A17 Pro ganhou otimizações na microarquitetura para suportar os novos recursos das versões Pro do iPhone 15, como a gravação de vídeos em 4K a 60 quadros por segundo em formato ProRes, que agora podem ser salvos diretamente em um SSD externo conectado à porta USB-C do aparelho.

Ray tracing na GPU do Apple A17 Pro para games mais realistas

De acordo com a empresa, o SoC traz “o maior redesign de GPU na história da Apple”. O desempenho do chip gráfico de 6 núcleos aumentou 20% em relação à geração anterior, e sua principal novidade é a aceleração por hardware de ray tracing, que pode tornar jogos mais realistas.

Ray tracing é uma tecnologia que usa o poder de processamento da GPU para simular o comportamento da luz em tempo real durante a renderização de uma imagem. O objetivo é tornar os reflexos, refrações e iluminações de gráficos 3D mais realistas. Isso exige cálculos matemáticos complexos, que só se tornam viáveis nos games com um chip otimizado.

A17 Pro traz ray tracing por hardware e foca em games mais pesados (Imagem: Divulgação/Apple)
A17 Pro traz ray tracing por hardware e foca em games mais pesados (Imagem: Divulgação/Apple)

Até então, a GPU dos iPhones era capaz de executar ray tracing por software. Segundo a Apple, a aceleração por hardware tornou esse processo quatro vezes mais rápido. Para demonstrar a potência do A17 Pro, a empresa destacou a vinda de jogos que não estavam disponíveis para celulares até agora: Resident Evil Village, Resident Evil 4, Death Stranding e Assassin’s Creed Mirage.

CPU de 6 núcleos tem nova litografia de 3 nanômetros

Diferente do A16 Bionic, que era apenas um refinamento do A15 Bionic, o chip A17 Pro traz uma nova microarquitetura e um inédito processo de fabricação de 3 nanômetros. A promessa é a de que o desempenho da CPU seja 10% superior, mesmo mantendo os seis núcleos (dois de alto desempenho e quatro de eficiência energética).

Também houve mudanças em outros componentes do SoC, como o Neural Engine, que processa até 35 trilhões de operações por segundo (TOPS) e ficou duas vezes mais rápido. Esse chip é dedicado para recursos de inteligência artificial e entra em ação, por exemplo, na função Voz Pessoal (Personal Voice) do iOS 17, que cria uma voz semelhante à sua.

Neural Engine de 16 núcleos do Apple A17 Pro está duas vezes mais rápido (Imagem: Divulgação/Apple)
Neural Engine de 16 núcleos do Apple A17 Pro está duas vezes mais rápido (Imagem: Divulgação/Apple)

Outras melhorias do A17 Pro estão relacionados às câmeras e ao conector USB-C, que entra no lugar do Lightning. O chip traz suporte ao codec AV1, nova geração de codec de compressão de vídeo; um novo modo Retrato que permite desfocar o fundo depois de tirar a foto (sem alternar antes para o modo específico); e um novo controlador USB.

O controlador USB do chip dos iPhones 15 Pro e iPhone 15 Pro Max pode transferir dados a até 10 gigabits por segundo, o que é até 20 vezes mais rápido que a velocidade possível com o antigo conector Lightning. Ainda com relação à conectividade, o A17 Pro suporta redes Wi-Fi 6E, com frequência de 6 GHz.

Só nos modelos Pro

O A17 Pro só estará disponível inicialmente nas versões Pro do iPhone 15, enquanto os modelos normais serão equipados com o A16 Bionic, o mesmo do iPhone 14 Pro e do iPhone 14 Pro Max, lançados em 2022. Uma implicação disso é que, mesmo trazendo conexão USB-C, o iPhone 15 e o iPhone 15 Plus suportarão taxas de transferência equivalentes às do USB 2.0.

iPhone com conector USB-C (Imagem: Divulgação/Apple)
Todos os iPhones 15 têm USB-C, mas só as versões Pro com A17 Pro têm velocidades de USB 3.0 (Imagem: Divulgação/Apple)

A estratégia é a mesma do ano passado, quando a Apple lançou o iPhone 14 e o iPhone 14 Plus com o A15 Bionic, e deixou o A16 Bionic restrito às versões Pro. Pelo menos os preços dos iPhones ficaram mais baratos (ou menos caros).

Receba mais sobre Apple na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados