Google tem aumento de 13% na receita em primeiro trimestre de COVID-19

Alphabet projeta cenário difícil para os próximos meses e já sentiu queda na publicidade em março

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Google G Suite

A Alphabet, dona do Google, anunciou na noite de terça-feira (28) seus resultados financeiros do primeiro trimestre de 2020. A empresa aumentou o faturamento em 13% em meio à pandemia de coronavírus, mas o resultado é considerado fraco. Além disso, a empresa projeta um cenário “difícil” para os próximos meses, principalmente para o segmento de publicidade, que já sentiu os primeiros impactos.

No trimestre encerrado em 31 de março de 2020, a holding do Google obteve receita de US$ 41,2 bilhões. Muitas empresas gostariam de ter esse resultado “fraco”, mas, como nota o The Guardian, a Alphabet está acostumada com crescimentos de 20% a 25%, por isso não há tanta comemoração. Já os lucros foram de US$ 6,8 bilhões, um aumento tímido de 2,7% em relação ao mesmo período de 2019.

O aumento no faturamento se deve principalmente ao YouTube e ao Google Cloud. O serviço de vídeo faturou US$ 4 bilhões só com anúncios nos primeiros três meses do ano, 33% a mais em relação a 2019. Esse montante não inclui os ganhos com assinaturas do YouTube Premium e outras receitas que não vieram de publicidade, que são reportadas como “outros”.

Enquanto isso, o Google Cloud abrange o G Suite, pacote de produtividade voltado para clientes corporativos que ganhou destaque em meio à crise da COVID-19, com o aumento da utilização de ferramentas de comunicação à distância pelas empresas. O Google Meet, por exemplo, está ganhando 3 milhões de usuários novos por dia. Isso contribuiu no aumento do faturamento com nuvem de 52%, para US$ 2,8 bilhões.

Google Meet

Queda na publicidade já foi sentida em março

O diretor financeiro Ruth Porat diz que “o desempenho foi forte durante os primeiros dois meses do trimestre, mas em março nós passamos por uma desaceleração significativa em receitas com anúncios”. Ele confirmou em conferência aos investidores que o segundo trimestre será “difícil” para o negócio de publicidade.

Esse é um ponto importante porque indica que o pior ainda está a caminho. O segmento de publicidade é o mais importante para o Google: dos US$ 41,2 bilhões em faturamento no trimestre, US$ 33,8 bilhões vieram dos anúncios, o equivalente a 82% de toda a receita da companhia.

Uma queda no faturamento de anúncios no Google afeta o mercado como um todo, inclusive os parceiros, como sites de notícias que utilizam as plataformas de publicidade da companhia, como o AdSense. Entre janeiro e março de 2020, esses membros geraram US$ 5,2 em receita ao Google.

Para equilibrar as contas, o Google já pausou contratações de funcionários; eram 123.048 no mundo até 31 de março. A verba de marketing também deverá ser cortada pela metade, como indica a empresa em e-mail interno.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados