Governo e Telebras levam internet banda larga para reserva Yanomami

Objetivo é o de aumentar a conectividade do povo indígena e das equipes humanitárias que atendem a região; ministro também estuda instalar pontos fixos

Ricardo Syozi
Por
• Atualizado há 4 meses
Yanomami (Imagem: Reprodução / Agência Brasil – EBC)

O Ministério das Telecomunicações anunciou na quinta-feira (26), que vai ativar o sinal de internet banda larga na Reserva Indígena Yanomami. Localizada no estado do Roraima, a comunidade poderá receber maior apoio humanitário ao ter uma comunicação mais otimizada. A Telebras vai oferecer o acesso por meio do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) para atender a população da região.

Segundo o comunicado, o objetivo é de promover a conectividade entre o povo indígena da Reserva e as equipes humanitárias que prestam serviços na região frequentemente. O Ministro Juscelino Filho, ressaltou a importância da iniciativa:

Hoje temos a possibilidade de levar, de imediato, 15 pontos de internet para aquela localidade. Isso equivale a mais do que o dobro do que já temos instalado atualmente em terras Yanomami. O nosso objetivo é garantir que o atendimento à população seja feito da melhor forma possível, além de possibilitar uma comunicação dos médicos e equipes humanitárias com o restante do mundo para que a situação seja superada o quanto antes.

Além disso, o Ministério das Telecomunicações está estudando a instalação de pontos fixos de internet na região dos Yanomami.

Vale destacar que a agilidade na comunicação poderá facilitar as “ações de forças-tarefas no restabelecimento da saúde do povo indígena”, como afirmado pelo presidente da Telebras, Jarbas Valente.

Telebras
Estande da Telebras (Imagem: Reprodução / Internet)

Privatização da estatal ainda não ocorreu

Durante o governo de Jair Bolsonaro, a Telebras foi bastante importante, em especial por causa do Wi-Fi Brasil. Esse programa tinha como objetivo “levar conectividade em alta velocidade a todas as localidades do país onde não há nenhuma ou pouca conexão, permitindo cumprir os objetivos nacionais da política pública de telecomunicações”.

Desde 2019 há planos para a privatização da instituição. Já em 2021, o antigo secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, afirmou que a Telebras faria parte das 15 estatais que seriam privatizadas até 2022.

O planejamento colocava a instituição de telecomunicações com o prazo para julho de 2021, mas esse caso em específico ainda seria analisado pelo PPI, o Programa de Parcerias de Investimentos.

Contudo, pode ser que com o Governo de Lula, isso não saia do papel. O atual presidente já se mostrou muitas vezes contra a privatização de estatais como os Correios, por exemplo.

Em 2023, a empresa estatal federal brasileira continua cuidando de redes de fibra ótica pelo Brasil, além de ter e administrar o satélite SGDC. Ademais, ela continua responsável por implementar as Políticas Públicas de Telecomunicações em todo território nacional.

Com informações: Telebras.

Receba mais sobre Telebrás na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Ricardo Syozi

Ricardo Syozi

Ex-autor

Ricardo Syozi é jornalista apaixonado por tecnologia e especializado em games atuais e retrôs. Já escreveu para veículos como Nintendo World, WarpZone, MSN Jogos, Editora Europa e VGDB. No Tecnoblog, autor entre 2021 e 2023. Possui ampla experiência na cobertura de eventos, entrevistas, análises e produção de conteúdos no geral.

Canal Exclusivo

Relacionados