LG G6

A LG anunciou nesta quinta-feira (27) seu relatório financeiro do primeiro trimestre de 2017 com uma informação que chamou a atenção: pela primeira vez desde o começo de 2015, a empresa não está perdendo tanto dinheiro com smartphones.

O lucro do mercado de smartphones sempre esteve com a Apple e, em menor parte, com a Samsung. A Sony voltou a ganhar dinheiro depois de mudar sua estratégia e desistir dos aparelhos de entrada. Agora, a LG divulgou que sua divisão de dispositivos móveis teve prejuízo de apenas 200 milhões de wons, o equivalente a R$ 550 mil — troco de pinga para uma empresa do tamanho da LG.

A notícia é boa porque a LG não ganha dinheiro com smartphones desde o segundo trimestre de 2015, na época do lançamento do G4. Com o fracasso do G5 (e G5 SE), o prejuízo foi aumentando significativamente ao longo de 2016: no último trimestre do ano passado, a divisão teve perda recorde de 467 bilhões de wons (aproximadamente R$ 1,3 bilhão).

Segundo a LG, a receita de sua divisão de smartphones subiu para 3,01 trilhões de wons (aproximadamente R$ 8,4 bilhões), “impulsionada pelo lançamento do smartphone flagship LG G6 e novos modelos de alto volume”. A empresa vendeu 14,8 milhões de smartphones no mundo, 10% mais que no primeiro trimestre do ano passado, “em grande parte devido às Américas”.

Resta saber se a LG Brasil conseguirá repetir a tendência do resto do mundo. Por aqui, a empresa vem perdendo espaço nos smartphones desde 2014, quando cedeu sua vice-liderança para a Motorola.

Receba mais sobre LG na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados