Lucro da TIM cresce 1,7% e operadora aumenta receita após compra da Oi Móvel

Receita líquida da TIM cresce 19,3% após incorporação da Oi, mas operadora perdeu clientes móveis em comparação com o trimestre anterior

Lucas Braga
Por
Fachada de loja da TIM em shopping de SP
Loja da TIM no Shopping Taboão (Imagem: Divulgação / TIM)

A TIM Brasil divulgou os resultados financeiros do 1º trimestre de 2023. A operadora teve lucro líquido de R$ 412 milhões, alta de 1,7% em relação ao ano anterior, e crescimento de 19,3% na receita.

TIM — Resultados financeiros do 1º trimestre de 2023

Confira abaixo os principais indicadores financeiros da TIM Brasil para o 1º trimestre de 2023 e o comparativo com o mesmo período do ano anterior:

Indicador1T 20231T 2022Diferença
Receita líquidaR$ 5,64 bilhõesR$ 4,72 bilhões+19,3%
Lucro líquidoR$ 412 milhõesR$ 405 milhões+1,7%
Custo de operaçãoR$ 3,06 bilhõesR$ 2,62 bilhões+16,8
Capex (investimentos)R$ 1,28 bilhõesR$ 1,32 bilhões-6,3%
Total de linhas móveis (clientes)61,72 milhões52,3 milhões+18%

Receita móvel da TIM cresce 21,1%

O segmento móvel é, de longe, o carro-chefe da TIM e foi responsável por R$ 5,19 bilhões em receita líquida — alta de 21,1% em relação ao mesmo período do ano anterior. O bom desempenho é reflexo da compra da Oi Móvel, uma vez que as linhas ainda não haviam sido incorporadas no comparativo anual.

A operadora encerrou o trimestre com 61,72 milhões de linhas móveis. Isso representa alta de 18% no comparativo anual, mas a base de clientes recuou 1,2% em relação ao período anterior. Esse movimento também pode ser visto em outras operadoras devido ao cancelamento das linhas inativas da Oi Móvel.

A maioria dos clientes da TIM utilizam o serviço pré-pago, com 35,6 milhões de linhas. O pós-pago, que possui maior preço mensal e gera mais receita para a operadora, é utilizado por 26,06 milhões de acessos. A operadora comemora alta de 21,1% na receita do pós-pago e 27,3% no pré-pago.

Em relação à cobertura móvel, a TIM possuía 4G em 5.397 cidades brasileiras, sendo a líder no segmento. A operadora atende 45 cidades com a tecnologia 5G, que começou a ser implementada no Brasil no ano passado.

TIM avança em cobertura com rede neutra da Oi Fibra

O segmento fixo residencial ainda é pequeno no balanço da TIM. A operadora encerrou o trimestre com 732 mil acessos da banda larga TIM Ultrafibra, alta de 6,3% em relação ao mesmo período de 2022. A maioria dos clientes utiliza fibra óptica pura, e 140 mil contratos ainda são atendidos via par metálico.

Em relação à cobertura de fibra óptica, a TIM apresentou salto considerável em relação ao ano anterior. A operadora divulgou disponibilidade do serviço para 8,71 milhões de residências, alta de 51,3%. O número de municípios atendidos também saltou de 38 para 77.

Grande parte do salto na cobertura fixa da TIM pode ser atribuído para o acordo com a V.tal. A operadora passou a utilizar a mesma rede neutra da Oi Fibra no Paraná, o que permite oferecer serviços de banda larga sem investir em infraestrutura própria.

Receba mais sobre TIM na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Lucas Braga

Lucas Braga

Repórter especializado em telecom

Lucas Braga é analista de sistemas que flerta seriamente com o jornalismo de tecnologia. Com mais de 10 anos de experiência na cobertura de telecomunicações, lida com assuntos que envolvem as principais operadoras do Brasil e entidades regulatórias. Seu gosto por viagens o tornou especialista em acumular milhas aéreas.

Canal Exclusivo

Relacionados