Microsoft é obrigada pela Justiça a ceder emails de executivos da Americanas

Para Justiça de São Paulo, Microsoft deverá dar acesso a emails internos da Americanas para "evitar risco de perecimento das provas"

Emerson Alecrim
Por
Americanas
Americanas (imagem: divulgação/Americanas)

Em decisão recente, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo determinou que a Microsoft entregue cópias de emails de executivos da Americanas. O objetivo é colher possíveis provas para os processos judiciais que a companhia está enfrentando após reconhecer um rombo de R$ 43 bilhões em suas contas.

A decisão foi proferida pela juíza Andréa Galhardo Palma, da 2ª Vara Regional de Competência Empresarial e de Conflitos Relacionados à Arbitragem de São Paulo. A magistrada atendeu a um pedido do Bradesco. O banco processa a Americanas alegando ter R$ 4,7 bilhões a receber da companhia.

No processo, o Bradesco afirma que a Americanas “foi palco para uma das maiores fraudes contábeis da iniciativa privada”, como observa a Folha. Em razão disso, o banco pede que haja uma análise das comunicações entre os executivos da companhia e os auditores que trabalharam em seus balanços financeiros.

O acesso aos emails da Americanas foi autorizado no dia 6 e divulgado no dia 8, mas não sem divergências. Antes disso, em 26 de janeiro, a juíza Palma proferiu uma decisão de busca e apreensão nos computadores e emails da Americanas. No entanto, o procedimento foi recusado pela Justiça do Rio de Janeiro.

Para o juiz substituto Alexandre de Carvalho Mesquita, da 2ª Vara Empresarial da Comarca do Rio de Janeiro, houve conflito de competência. Isso porque é lá (e não em São Paulo) que a recuperação judicial da Americanas foi estabelecida.

Como a Microsoft entra nessa história?

A Microsoft é o provedor de emails corporativos da Americanas. Na decisão mais recente, a companhia recebeu prazo de três dias após a notificação para permitir que os peritos acessem e copiem os emails.

O procedimento deve ser realizado na sede da Microsoft, em São Paulo. Portanto, a diligência não precisa ser autorizada pela Justiça do Rio de Janeiro. No embasamento da decisão, a juíza Palma afirma que a situação requer “adoção de medidas para que seja evitado o risco de perecimento das provas a serem produzidas neste processo”.

Tem mais. Como aponta o Poder360, às empresas de auditoria PwC e KPMG foi expedido um ofício para que elas preservem as correspondências físicas e eletrônicas com a Americanas dos últimos dez anos.

A pedido do Bradesco, a empresa de consultoria e segurança digital Kroll foi nomeada pela juíza Palma para colher os emails da Americanas. Um oficial de justiça deve acompanhar o trabalho.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados