Os tablets não morreram, mas as vendas despencaram

Apuração da IDC revela que 128,5 milhões de tablets foram vendidos globalmente em 2023, o menor volume de vendas anual desde 2011

Emerson Alecrim
Por
iPad Air 5 (Apple M1) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
iPad Air 5 com chip Apple M1 (imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Pelo jeito, tablets estão longe da lista de desejos de muita gente. Um relatório divulgado pela empresa de inteligência de mercado IDC revela que 128,5 milhões de unidades foram vendidas em 2023. Esse número é 20,5% menor em relação a 2022 e corresponde ao volume de vendas anual mais baixo registrado desde 2011. Por quê?

Outras prioridades

Anuroopa Nataraj, analista da IDC, aponta o congelamento de gastos e a alocação de dinheiro para outros itens além de eletrônicos por parte dos consumidores entre os fatores que explicam as vendas tímidas de tablets em 2023.

Mas é provável que os fatores econômicos não sejam a única causa desse cenário. A experiência do usuário também conta. Muitos consumidores não compram tablets simplesmente porque as tarefas que seriam executadas nesses dispositivos podem ser feitas satisfatoriamente no celular.

Essa percepção faz dos tablets “produtos de nicho”. Eles acabam atendendo a usuários que precisam de uma tela maior para executar tarefas específicas, como edição de imagem ou projetos de design, mas esse público não é a maioria.

O iPad vendeu menos, mas Apple manteve liderança

Dos 128,5 milhões de tablets que chegaram às lojas em 2023, 48,5 milhões correspondem a iPads. O número atesta a liderança absoluta da Apple nesse mercado.

Apesar disso, a Apple também foi afetada pelo “esfriamento” do setor. Em 2023, a linha iPad teve queda de 19,8% nas vendas na comparação com o ano anterior. No quarto trimestre de 2023, a diminuição das remessas de iPads foi de 29,3% em relação ao mesmo período de 2022, apesar de essa ser uma época com Black Friday e Natal.

O levantamento do IDC mostra a Samsung na segunda posição do ranking, com 26,2 milhões de tablets despachados em 2023 (queda de 13,9% em relação a 2022). É um número distante da quantidade registrada pela Apple. Por outro lado, o resultado coloca a companhia coreana na liderança do mercado de tablets Android.

FabricanteVendas em 2023Market share 2023Comparação 2022
1. Apple48,5 milhões37,8%-19,8%
2. Samsung26,2 milhões20,4%-13,9%
3. Lenovo9,3 milhões7,2%-19,7%
4. Huawei8,7 milhões6,8%-4%
5. Amazon5,5 milhões4,2%-65,9%
Outros30,3 milhões23,6%11,1%
Total128,5 milhões100%-20,5%

Menção honrosa para a Xiaomi, que não aparece no “top 5” de 2023, mas conseguiu ficar na quinta posição do quarto trimestre do mesmo ano ao despachar 1,6 milhão de tablets no período. Esse número foi resultado de uma agressiva estratégia de marketing, de acordo com a IDC.

Galaxy Tab S8+; Samsung lidera vendas de tablets Android (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Galaxy Tab S8+; Samsung lidera vendas de tablets Android (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

E em 2024? Depende

Se 2023 não foi dos melhores para o setor, as expectativas recaem sobre 2024, mas de um modo tímido. Nataraj até acredita que o mercado de tablets pode apresentar alguma recuperação neste ano, mas alerta que isso depende do desempenho da atividade econômica:

Espera-se que 2024 mostre algumas chances de recuperação, desde que o ano seja economicamente melhor. Os desafios gerais continuam no mercado de tablets, e os avanços tecnológicos em torno da inteligência artificial provavelmente se concentrarão mais em PCs e celulares nos próximos dois anos, mas os tablets se tornarão cada vez mais comuns nessa conversa.

Anuroopa Nataraj, analista de pesquisa sênior da IDC

Receba mais sobre IDC na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados