Uber Direct e Connect farão entregas para empresas e pessoas

Uber Direct e Connect surgem para compensar baixa demanda por viagens de passageiros

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Aplicativo da Uber (Imagem: Divulgação)

Uber Connect e Uber Direct. Esses são os nomes de dois serviços que a Uber está lançando para compensar a queda na demanda por viagens de passageiros. Ambos são modalidades de entrega, mas com focos diferentes: o Connect permite que um usuário envie itens a outro; o Direct faz envio de itens comprados em estabelecimentos como farmácias e pet shops.

Podemos comparar o Uber Connect a um serviço de motoboy. A diferença é que, além de motociclistas, as entregas podem ser feitas pelos motoristas que integram a plataforma da Uber. A ideia é permitir que um usuário possa enviar a outro pequenos volumes para serem entregues no mesmo dia.

Nesta semana inicial, o Uber Connect funcionará em cerca de 25 cidades da Austrália, Estados Unidos e México. Se a modalidade tiver boa aceitação, poderá ser levada a outras localidades. O serviço pode ser acionado no aplicativo da Uber.

Já o Uber Direct remete ao UberRush, serviço de entregas lançado pela Uber em 2015 e descontinuado em 2018 por falta de demanda. Mas, você sabe, as circunstâncias são diferentes agora.

Com as ações de quarenta e isolamento social promovidas em diversos países, a procura por serviços de entrega aumentou. O Uber Direct é uma resposta a essa movimentação. A modalidade fará entregas para farmácias em Nova York e para serviços postais em Portugal, por exemplo.

Uber Connect

Vale lembrar que a companhia lançou um serviço parecido no começo do mês: além de refeições, o Uber Eats passou a fazer entregas de produtos no Brasil, Espanha e França. Por aqui, o serviço já funciona com farmácias da rede Pague Menos e lojas do pet shop Cobasi.

Apesar disso, o Uber Direct também está sendo disponibilizado no Brasil, começando pela cidade de São Paulo.

Estima-se que a demanda por viagens na Uber caiu 70% em determinadas cidades por conta da Covid-19. Com a criação e readequação de serviços, a companhia tenta amenizar as consequências disso.

“Durante esta crise, temos buscado por novos meios de a nossa plataforma ajudar a movimentar bens essenciais para empresas e consumidores, além de proporcionar novas oportunidades de ganhos para os motoristas”, diz Dara Khosrowshahi, CEO da Uber.

Com informações: The Verge.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados