Início » Brasil Negócios Telecom » Presidente da TIM renuncia em meio a suspeitas de fraude

Presidente da TIM renuncia em meio a suspeitas de fraude

Por
6 anos e meio atrás

Após rumores sobre a demissão do presidente da TIM abordados pela revista Veja, Luca Luciani anunciou neste sábado (5) sua demissão da operadora italiana. Luciani está sendo investigado por fraude cometida para aumentar a participação de mercado da TIM frente às concorrentes.

O agora ex-presidente é acusado de fraude no sistema de SIM Cards para inflar o número de usuários da operadora. Entre esses SIM Cards, encontram-se linhas que deveriam ter sido desativadas, como de pessoas fictícias e até mesmo de falecidos. A irregularidade não diz respeito à sua gestão na TIM Brasil, mas na TIM Itália.

Luca Luciani em uma loja na Favela da Rocinha

Apesar da denúncia ser bem grave, é inegável que Luciani fez um papel muito importante na TIM Brasil. Durante sua gestão, iniciada em 2009, houve mudanças muito grandes na cultura organizacional da empresa. Em 2007 a TIM teve o seu pior ano, coincidindo com o início da operação da Vivo em GSM. Isso motivou  diversos clientes a deixarem a operadora.

O ex-presidente iniciou um conceito inovador no cenário da telefonia móvel brasileira: planos ilimitados. Por mais que os serviços da TIM continuam deixando a desejar desde 2007, a superação financeira da empresa é impressionante: o crescimento econômico foi pujante ao longo dos anos. Somente no último trimestre a empresa obteve um aumento de mais de 19% na receita.

Além disso, foi na presidência do Luca Luciani que a TIM foi às compras, incorporando os serviços da Intelig e a AES Atimus (atual TIM Fiber) às operações da telefônica.

O diretor financeiro da operadora, Andrea Mangoni, irá assumir a presidência da TIM Brasil. Em nota à imprensa, a operadora informa o pedido de demissão de Luca Luciani e que “o Conselho de Administração da TIM Brasil se reunirá em breve para empossar interinamente Andrea Mangoni, CFO da Telecom Italia, como Diretor Presidente”. Não houve nenhuma menção a fraudes ou atuação irregular.

Com informações: Reuters

Mais sobre: , ,