Início » Brasil » As consequências do cabo de guerra entre Uber e motoristas

As consequências do cabo de guerra entre Uber e motoristas

Felipe Ventura Por

O relacionamento entre Uber e motoristas vem piorando com o passar dos anos. O que era vista como uma ótima oportunidade de ganhar dinheiro se tornou um serviço mais concorrido e menos rentável. No entanto, em meio a críticas legítimas, há também quem use algumas táticas bem questionáveis para garantir rendimentos maiores, como mostra uma reportagem da Veja São Paulo.

Uber - iPhone

Uma das artimanhas é aceitar uma viagem, seguir rumo ao local do usuário, mas estacionar a alguns quarteirões de distância. O cliente desiste da corrida e o motorista ganha a taxa de cancelamento, que varia de R$ 4 a R$ 9 em São Paulo. Você pode solicitar o reembolso no app, no entanto, e o Uber desclassifica parceiros com muitos cancelamentos.

Os motoristas também se unem em locais com alta demanda para negociar a tarifa por fora. A Veja cita o exemplo de uma casa noturna em São Bernardo do Campo. Se for direto com o cliente, eles usam como referência a categoria UberBag, mais cara que o UberX, sem deixar isso claro. Há também um agenciador que aborda as pessoas e negocia preços, cobrando uma comissão de 15% (contra os 25% do Uber).

Algo semelhante ocorre no aeroporto de Guarulhos, onde a demanda por corridas é alta. Alguns motoristas abordam os recém-chegados de viagens de avião e negociam valores por fora.

Existem esquemas mesmo se o motorista fizer a corrida pelo Uber. Alguns ligam para o passageiro querendo combinar o local de encontro - e tentando descobrir o destino. Se for muito próximo, o cliente é deixado esperando até que a corrida seja cancelada.

Segundo a Folha, se o trajeto for curto, o motorista "mente que houve uma falha no carro ou simplesmente não sai do lugar". O jornal fez o teste pedindo uma corrida para uma rua próxima ao aeroporto. O motorista ligou, perguntou o destino e ficou parado por vários minutos. Então, ele ligou dizendo: "vou demorar para chegar aí. Se você quiser cancelar...".

Em Cumbica, o Uber funciona de modo diferente. O motorista entra em uma fila de espera virtual no aplicativo, e ela costuma ter mais de duzentos carros. Para aproveitar o tempo de espera, que pode chegar a doze horas, há quem faça corridas paralelas usando celulares extras e cadastros em nome de parentes.

Para não sair da fila do Uber, alguns motoristas usavam apps que modificam a localização do GPS do smartphone. Segundo o Canaltech, bastava abrir o Fake GPS, marcar seu local e abrir o Uber. Essa forma de burlar a fila virtual aparentemente foi descoberta pela empresa, e os motoristas que adotaram essa prática foram desativados.

Outro truque é dividir o cadastro com outra pessoa, revezando o mesmo carro. Pode ser marido e mulher, por exemplo, tentando fechar as contas do mês. Essa prática é irregular e o Uber agora obriga o motorista a tirar selfies periódicas, para confirmar a identidade; se houver inconsistência, a conta é bloqueada.

Motoristas criticam Uber

O Uber recebe críticas de seus parceiros por pagar pouco e cobrar muito. Em 2015, a empresa instituiu uma taxa de 25% no UberX; e reduziu em 15% as tarifas para os clientes. Além disso, o número de motoristas aumentou - de mil veículos na capital paulista para os 30 mil atuais.

Essa combinação derrubou os rendimentos. Antes, era fácil encontrar casos de motoristas que ganhavam R$ 8 mil mensais; hoje, é preciso trabalhar mais horas para ganhar metade disso. Assim, a imagem do Uber prestativo que oferece água e balinha foi ficando para trás; não é a empresa que custeia esses mimos, e sim o próprio motorista.

E como nota a Veja, a maioria continua apenas por falta de opção. Apesar da concorrência de serviços como 99Pop, Easy Go e Cabify, o Uber detém 90% do mercado de transporte em carro privado via aplicativo.

Para oferecer ganhos maiores, o Uber lançou recentemente a categoria Select com preço 20% mais alto e exigência de carros mais novos, no mínimo de 2012 (o UberX pede carros modelo 2008 ou superior).

As críticas também são fortes em relação ao UberPool, que tem tarifas mais baixas. Motoristas dizem ao Motherboard que as corridas só compensam quando não são compartilhadas, pois o Uber não paga o desvio do percurso para pegar outros passageiros. Além disso, o processo de embarque de outros passageiros pode ser demorado (o UberPool recentemente implementou notificações para apressar o usuário). No entanto, se o motorista recusar a chamada, corre o risco de ser desativado.

Há também o pagamento em dinheiro, que aumentou os riscos para os motoristas. Dados obtidos pela Reuters mostram que, quando o cartão de crédito era o único método aceito, ocorriam em média 13 roubos por mês em São Paulo envolvendo motoristas de Uber. Esse número saltou para 141 por mês quando foi introduzido o pagamento em espécie.

Em resposta, o Uber agora exige que você insira data de nascimento e CPF no cadastro; antes, quem pagava em dinheiro só precisava inserir nome, e-mail e número de celular.

Além disso, o Uber investiu R$ 200 milhões para criar um centro de atendimento no Morumbi com 7 mil funcionários, para lidar melhor com os motoristas. Será o bastante para melhorar o relacionamento com eles?

Mais sobre:

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Fernando Palmieri Freire
O tamanho da fila não diz muito. Precisa saber a velocidade que fila anda. No fim vale a lei de oferta e procura.
Irineu Migotto
Mandou bem... é isso mesmo...
Anayran Pinheiro
Mimizento você, hein? Vou é de Cabify, ao menos a galera de lá está tratando melhor o usuário.
Leandro Nunes
Agradecemos sua opinião...Gostaríamos q mais pessoas assim escolhessem ônibus e nosso carro seria destinado a "pobres" educados...Obrigado Repasse sua ideologia a amigos e parentes assim nos motoristas Uber não sentiríamos mais o desprazer de colocarmos "ricos" cheirando a bunda suja em nosso carro de 40.000$
Leandro Nunes
Vá de ônibus !!!
Leandro Nunes
Faça um favor pra nós motoristas... VÁ de Ônibus por favor !!!
Francisco Teodorico
O artigo deixou de levar em consideração alguns detalhes importantes:

- O Uber não tem responsabilidade pelo mau comportamento dos motoristas. Além do mais, fornece um sistema de avaliação para que o próprio cliente informe o fato para que providências sejam tomadas. Estes esquemas devem ser combatidos, é claro, mas não se pode deixar de destacar que também existem em outros formatos por taxistas quando há greves de ônibus, por exemplo.

- Não se leva em consideração que esses fatos podem ser originados em estratégias de guerrilha que já tivemos o desprazer de tomar conhecimento através da mídia jornalística, inclusive com atração de motoristas do Uber e uso de violência física, inclusive contra passageiros.

Quanto ao baixo rendimento atual, toda profissão passa, num momento ou outro por uma fase assim. Quando eu fiz minha primeira faculdade, ser engenheiro era sinônimo de ter de fazer bico de vendedor de pastel na praia. Há pouco tempo atrás, na construção civil faltava até pedreiros. É a lei da oferta e da procura e nada melhor que o livre mercado para regular isso.

Se os taxistas oferecerem um serviço melhor (em todos os sentidos), certamente o usuário optará por eles. Além do mais, eles têm benefícios estatais que o motorista do Uber não tem.

Cita-se no artigo que "as críticas também são fortes em relação ao UberPooll (...)", mas quem fez essas críticas? Qual foi o instituto que fez essa pesquisa? Críticas sempre haverão, mas elas são em número significante? Sem a fonte da pesquisa não se pode tirar essa conclusão.

Enfim, o modelo é bom, mas é preciso dar um tempo a ele para que o próprio mercado se autoregule.

#MenosEstadoMaisEficiencia
Heitor Marques
Assaltos, falcatruas, malandragem, excesso de oferta... Ainda acredito no Uber, acho que apenas não conhecem bem a natureza do mercado brasileiro e estão se dando mal por isso. Pelo que me parece, pecaram de verdade apenas na questão do excesso de oferta, o que realmente prejudica os motoristas. Talvez se justifique pelo desespero em manter a liderança frente a um mercado que está a cada dia se desafiando. Acho que possuem a capacidade de corrigir o rumo rapidamente.
Ligeiro
Mas o texto vai justamente ao contrário do que fala: a criação do Metrô é também uma organização social. Nada a haver (tanto) com capitalismo, mas sim com necessidade de organização urbana, aí a discussão vai longe.
Leandro Gonçalves
Não achei a materia especifica que li,Fui olhar agora e nao consegui.Mas te mando esse link http://brasil.elpais.com/brasil/2016/07/27/politica/1469628095_715658.html .

É uma entrevista de um urbanista que explana muito bem as dificuldades e falhas de concepção do metrô paulistano. No mais,em cada materia,é possivel ver mais "chamadas" de outras matérias relacionadas ao tema.Todas muito bem construídas,como quase todas do ELPAÌS Brasil...Pra quem gosta de ler sobre mobilidade,e especificamnte sobre metrô,são excelentes matérias ,que dão subustancia para debate. Abraço.
Ligeiro
passe o link
Leandro Gonçalves
Nessa areas que você citou ainda não tem ,por pura burocracia...Mas existe a intenção! Intenção esta bem maior que para outras regioes... Questão capitalista / socialista,neste caso,não deixam de estarem intrinsicamente ligadas...

Tem uma materia no elpaisbrasil que explana muito bem essa questão...depois da uma conferida,é uma ótima materia...
Flw!
Giovana Ramos
O ser. Humaninho se torna um motorista, logo se torna "taxista". Que venham carros autônomos. Por isso nao torço plr time e nem empresa nenhuma. Uso cabify, 99, e o uber ja deletei.
Ligeiro
Ótimo ver este tipo de relato por aqui :)
Ligeiro
Não é bem assim. Depende da visão social de cada lugar.

No Japão, lugares distantes tinham paradas de trem. Basta lembrar da história da menina que tinha um "trem exclusivo", uma remanescência de uma linha que ficou com quase nenhum passageiro e só sobrou a menina que ia estudar. Existe uma questão mais social do que capital quando se fala em transporte público.

No Brasil, os bairros cresceram nos entornos das estações, esse é o ponto. E o Metrô nasceu mais para ligar bairros distantes ao centro do que para atender áreas ricas (que subentendo que aqui você fala de área onde pessoas com poder aquisitivo alto moram). Se fosse assim, teria metrô no Morumbi há anos, e Higienópolis teria uma estação no meio do bairro conforme planejamento inicial.
Ligeiro
O ruim aqui nisso tudo é que esta questão de "qualificação" acaba criando todos estes problemas. Não adianta sistemas de pontuação se o pessoal vive "abaixo da linha de corte".
Israel Luis
Cuidado com o que fala, pq a qualquer momento os taxistas vão começar a processar gente por aí, não são todos os taxistas que trabalham de forma errada não.
Reinaldo RT
o tratamento que se espera receber vai de encontro ao que se dá.
Os motoristas dependem de boa avaliação pra continuar dirigindo e o passageiro acha que pode fazer o que quer porque tem o poder da avaliação, dane-se o motorista.
A única nota que importa pra ele é 5, 4 já é ruim, pois a nota de corte é 4,6.
Mas se um motorista é ruim por natureza, esse deve ser excluído, mesmo, sem dó.
Uma das reclamações dos motoristas é porque não tem NENHUMA defesa pros maus passageiros, são obrigados a engolir suas avaliações e reclamações e não têm como se defenderem, mas já há uma forma sendo implantada na Uber, até que enfim.
Logo, pra ter um bom motorista é preciso, antes de tudo, ser um bom passageiro, coisa cada vez mais rara.
Reinaldo RT
Caro, você não entende o funcionamento e nem se esforça.
Um motorista, mesmo que ele combine com outros em desligar o aplicativo, que é uma prática inexistente, seria o mesmo que assumir a burrice.
Pra começar, pra ter efeito, deve ter uma demanda de milhares de camadas (de passageiros) ao mesmo tempo pra se iniciar um preço dinâmico e nenhum carro disponível num raio de quilômetros. Não são 30 ou 40 carros da uber desligados que conseguem iniciar um preço dinâmico. Precisariam ser uns 1.000.
Ou seja, a não ser que seja uma catástrofe como um grande temporal, isso não acontece. Além do mais, um preço dinâmico dura apenas alguns poucos minutos.
Em uma cidade pequena com poucos carros, sim, acontece, mas por ter poucos carros na cidade e não por "trapaça" e não é o caso de Brasília, sua cidade, já que é uma grande capital, muitos carros e vários apps de transporte particular.
Se você chamar e todos os ubers ao seu redor estiverem desligados esperando um preço dinâmico, a chamada vai pro mais próximo, ou seja, essa teoria da conspiração não faz nenhum sentido. O motorista ao seu lado seria gravemente prejudicado por perder corridas.
Outra coisa. Um motorista não "força" o cancelamento de uma chamada pelo passageiro pelo mesmo motivo acima, já que o que ele ganharia seriam míseros 5,00 (arredondando) e ele não trabalha pra ganhar isso, pois se o fizesse não conseguiria custear, aí sim, sequer um lanche pra matar sua fome.
Quanto a táxis, eles se aproveitam de roubos sem constrangimento há décadas e péssimos atendimentos, mas agora esperneiam por conta da concorrência, que nunca tiveram por conta da proteção do Estado.
Logo, por favor, seja mais inteligente, não caia na pilha mentirosa que alguns poucos andam falando por aí e preste mais atenção no seu aplicativo e nos aplicativos concorrentes. E se não estiver contente com a Uber, há outros aplicativos, mais um motivo pros motoristas da Uber não o desligarem nem "trapacearem".
Antes de ler ou ouvir o que não entende escrito e dito por curiosos ou em matérias forjadas ou compradas procure se iterar no assunto. E seja um passageiro honesto e cordial, de acordo com o atendimento que recebe, pois a qualidade dos passageiros que usam aplicativos é desesperador e insuportável, cada dia mais.
Leandro Gonçalves
Uma coisa leva a outra.No caso do metrô esse sentimento egocêntrico faz com que os empresários prefiram colocar estações nas áreas ricas em detrimento das mais pobres.Eles sabem que nas áreas desenvolvidas da cidade o fluxo de usuários é maior e consequentemente,o lucro será maior . Em matéria de metrô,esse fato- colocar estações nas áreas mais desenvolvidas -é o que ainda prepondera.Portanto,não deixa de ser uma atitude meramente capitalista,TAMBÉM!
Vevici Midias
A pouco mais de um mês resolvi me tornar motorista Uber e não tenho nem um tipo de grupo e nem se quer conheço algum outro motorista quanto menos participar deste tipo de situações, porém minha crítica vai diretamente a Uber que não oferece suporte algum a seus motoristas eu como colaborador tive muitas experiências ótimas com excelentes clientes porém nas adversas a Uber não me deu nenhum tipo de apoio com um péssimo suporte que leva dias pra responder e sempre lhe repassar textos prontos e estabelecem que as questões estão resolvidas e ponto, não recomendo o aplicativo para novos motoristas as experiências podem ser as melhores porém a Uber além do intermédio muito bem cobrado com os 25% não oferece nada além de expectativas altas e não correspondidas como qualquer empresa que visa o lucro em absoluto. Quer entrar na Uber esteja preparado pois eles apenas fazem o trabalho de intermediação e cobra por isso 25% não espere nada além disto.
Anayran Pinheiro
Não me referi ao carro, sim ao aplicativo. Não é o carro quem afere a quantidade de carros na área, e como motorista você deve saber dessa prática. E caso você compactue com ela cai na mesma classe dos pilantras dos taxistas.
Ligeiro
Não é culpa exatamente do "capitalismo", mas sim do ego do ser humano em buscar algo mais para si próprio do que para o coletivo.

Eu amo essa frase aqui: “Todo mundo pede transporte público, mas, no fundo, muitos só querem para que os outros usem o metrô e liberem espaço para continuar andando de carro, mas com menos trânsito”

Thiago de Andrade, secretário de gestão do território e habitação do DF
Leandro Gonçalves
O melhor comentário! Também concordo que a UBER deve ser pensada no contexto global do sistema de locomoção de uma cidade.Mas nada é feito com vistas a essa integracao.Apenas retalhações mútuas de várias frentes,como governo,consumidores,taxistas...
E sim,a melhor forma de locomoção nos grandes centros,é o metrô! Uma pena que estamos (e estaremos ) sobre a égide das politicagens e visão puramente capitalista! Num país como o nosso até mesmo uma estação de metrô se torna uma epopéia...Desde a concepção no plano urbano à sua execução...

Jefferson Ribeiro
Uber lixo
Jefferson Ribeiro
Uber e lixo .Táxi de pobre
Reinaldo RT
cara, o motorista não tem motivo pra deixar o carro ligado, deixa de ser burro. O aplicativo independe do carro, lesma.
E se fizesse teria prejuízos porque tem outros aplicativos.
Passageiro inteligente são muitos, mas vc não faz parte dessa lista.
???????Feripe Hatsune?
A qualidade o Uber caiu de modo geral, agora que popularizou, está se tornando uma zona. Por aqui, somando com o espírito de porco dos espertinhos, a coisa fica ainda pior.
Não adianta ter concorrência assim. Não adianta ter um serviço diferenciado se o tratamento continua antigo.
Desse jeito, a solução volta a ser a antiga, comprar um veículo próprio, ou voltar a depender da Sardinha com Rodas (aka ônibus/metrô)
Welber
Respondi por aq..kkkkkk

WelberMaba

Em 30 de mar de 2017 8:29 PM, "Disqus" escreveu:
Ligeiro
E táxi não é hoje tão certo assim. Taxistas sempre sofreram com riscos de assalto, baixa demanda, piratas e rasteira de outros taxistas. Fora que em lugares como São Paulo, estava bem estigmatizada o sistema de táxis.

A entrada do Uber causou o alvoroço necessário para mudar algumas culturas - nisso eu concordo. Mas o custo social disto foi enorme - fez rebaixar o nível de ganhos seja de táxistas ou motoristas particulares. Esquecendo que há custos de manutenção e operação para qualquer tipo de veículo usado em transporte público.
Ligeiro
Eita, respondeu via e-mail. O Disqus tem um bug nisso.

Novamente depende muito. Já falei, os exemplos que conheço são razoáveis. Vai da experiência da pessoa. Tem gente que pensa que é ligar o aplicativo e esperar corrida, ou fazer jogadas (como já falei) para ganhar mais. É nessas que todos perdem.
Welber
FALOU PACAS MAS NÃO RESOLVEU O PROBLEMA.... JÁ VI CARA DO UBER (EX TAXISTA) FOI UM TIRO NO PÉ TROCAR O CERTO PELO DUVIDOSO.

WelberMaba

Em 30 de mar de 2017 8:17 PM, "Disqus" escreveu:
"Depende muito. Senta aí que te explico ;) Para começar, teve algumas situações básicas aqui: - Os primeiros motoristas, que começaram a indicar outros e por aí vai, - Os motoristas seguintes, que foram na onda e foram aprendendo a lidar com isso. (estes dois geralmente estão no UberBlack (ou o atual Select) e ganharam razoavelmente bem). - O pessoal que viu uma outra forma de ganhar dinheiro com isso (como quem alugou carro para motorista por exemplo). - A primeira leva do UberX e outros da Uber - O pessoal que começou a migrar do táxi para o Uber, geralmente vindo ou de ex-parcerias com donos de ponto, ou taxistas que alugavam veículos de frota. Nesta mesma salada, tem gente tanto com boa índole (pessoas que se portam como profissionais e fazem o certo para agradar o cliente) quanto o pessoal que só está pelo dinheiro. Quem está "só pelo dinheiro" não pegou a experiência que outros motoristas e taxistas tiveram, pois para rodar com um carro como profissional, o veículo sempre tem que estar disposto. E lembrando que a pessoa não precisa ser exclusiva do Uber e há outros aplicativos que as pessoas estão migrando. Quem é experiente aproveita disto também. De fato, o que ocorre também é que o pessoal de má índole pegou as artimanhas similares a que alguns taxistas faziam antigamente, como "fazer ponto pirata" (ficar próximo de algum ponto de alta demanda) ou apenas tentar aceitar corridas longas. Quem é experiente sabe que não adianta ficar só esperando corrida longa também, pois a conta não vai fechar. Mas sim ficar disposto para atender conforme a demanda e nos horários que puder atuar e sentir que a demanda lhe gera uma renda. O problema do Uber é que ele se anuncia hoje como "um complemento de renda" para tentar fugir da estigma de "uma pessoa atuar de forma associada e fixa ao Uber". E quem está na área de transportes sabe que não é bem assim. Se o veículo não roda com gente dentro, não tem dinheiro. Quanto a pagar pouco, o ponto voltando a um parágrafo acima é lembrar que há outras concorrentes. Basta deixar o aplicativo ativo para os serviços que lhe convir (como Cabify e 99) e assim poder ver a melhor opção para servir. Como ainda o serviço é visto como "um profissional à serviço de...", então basicamente ninguém é atrelado ao Uber a não ser que subentenda que vá servir sempre a ela, ou então que a própria empresa use de artimanhas (como punições e pontuações) para segura-lo no serviço. Enfim, é complexo. Conheço gente que saiu do táxi, que tinha que fazer no mínimo 200 reais por dia para pagar o aluguel do veículo da frota. Foi para o Uber ou outras e está razoavelmente bem, pelo menos as contas estão em dia. Depende muito de quem trabalha com isso. Taxista ruim não ganha mesmo."

[image: Disqus] Settings

A new comment was posted on Tecnoblog ------------------------------ *Ligeiro*
Depende muito. Senta aí que te explico ;)

Para começar, teve algumas situações básicas aqui:
- Os primeiros motoristas, que começaram a indicar outros e por aí vai, - Os motoristas seguintes, que foram na onda e foram aprendendo a lidar com isso.
(estes dois geralmente estão no UberBlack (ou o atual Select) e ganharam razoavelmente bem).
- O pessoal que viu uma outra forma de ganhar dinheiro com isso (como quem alugou carro para motorista por exemplo).
- A primeira leva do UberX e outros da Uber
- O pessoal que começou a migrar do táxi para o Uber, geralmente vindo ou de ex-parcerias com donos de ponto, ou taxistas que alugavam veículos de frota.

Nesta mesma salada, tem gente tanto com boa índole (pessoas que se portam como profissionais e fazem o certo para agradar o cliente) quanto o pessoal que só está pelo dinheiro.

Quem está "só pelo dinheiro" não pegou a experiência que outros motoristas e taxistas tiveram, pois para rodar com um carro como profissional, o veículo sempre tem que estar disposto. E lembrando que a pessoa não precisa ser exclusiva do Uber e há outros apli cativos que as pessoas estão migrando. Quem é experiente aproveita disto também.

De fato, o que ocorre também é que o pessoal de má índole pegou as artimanhas similares a que alguns taxistas faziam antigamente, como "fazer ponto pirata" (ficar próximo de algum ponto de alta demanda) ou apenas tentar aceitar corridas longas. Quem é experiente sabe que não adianta ficar só esperando corrida longa também, pois a conta não vai fechar. Mas sim ficar disposto para atender conforme a demanda e nos horários que puder atuar e sentir que a demanda lhe gera uma renda.

O problema do Uber é que ele se anuncia hoje como "um complemento de renda" para tentar fugir da estigma de "uma pessoa atuar de forma associada e fixa ao Uber". E quem está na área de transportes sabe que não é bem assim. Se o veículo não roda com gente dentro, não tem dinheiro.

Quanto a pagar pouco, o ponto voltando a um parágrafo acima é lembrar que há outras concorrentes. Basta deixar o aplicativo ativo para os serviços que lhe convir (como Cabify e 99) e assim poder ver a melhor opção para servir. Como ainda o serviço é visto como "um profissional à serviço de...", então basicamente ninguém é atrelado ao Uber a não ser que subentenda que vá servir sempre a ela, ou então que a própria empresa use de artimanhas (como punições e pontu ações) para segura-lo no serviço. Enfim, é complexo.

Conheço gente que saiu do táxi, que tinha que fazer no mínimo 200 reais por dia para pagar o aluguel do veículo da frota. Foi para o Uber ou outras e está razoavelmente bem, pelo menos as contas estão em dia. Depende muito de quem trabalha com isso.

Taxista ruim não ganha mesmo.

7:13 p.m., Thursday March 30 | Other comments by Ligeiro
* Reply to Ligeiro *

Ligeiro’s comment is in reply to *Welber* :

E estão arrependidos....Hj com carro próprio ganham muito menos é a conta não fecha...

Read more ------------------------------

You're receiving this message because you're signed up to receive notifications about replies to disqus_6WS19NJcXD.

You can unsubscribe from emails about replies to disqus_6WS19NJcXD by replying to this email with "unsubscribe" or reduce the rate with which these emails are sent by adjusting your notification settings .
[image: Disqus]
Welber
E estão arrependidos....Hj com carro próprio ganham muito menos é a conta não fecha...
Welber
Verdade!!!!
Welber
ACHO QUE TENHO DÓ DO EMPREGADO DA UBER... KKKKKKKK
Tet
www.reddit.com/r/uberdrivers
Willian Tetsuo Shiratori
www.reddit.com/r/uberdrivers
Ligeiro
Nem tudo no mercado. Há coisas que se posta como mercado, dá nisso. Geralmente os essenciais.
Ligeiro
Nem tanto. Muitos taxistas migraram para o Uber. Alguns queriam mesmo mudanças e com isso conseguiram.
Ligeiro
Ouvi falar de muitos casos assim. Acho que saiu uma matéria na Folha que acompanhou este tipo de conduta.

Uma coisa que esqueço de comentar é que muitos que trabalham à serviço do Uber pegaram algumas manias de "taxistas malandros da praça". Tem muitos hoje que esperam próximo de pontos de alta demanda (como rodoviárias e aeroportos), a tática do "desligar o app ou simular defeito" próximo do ponto, etc...
Ligeiro
As pessoas querem referenciais, e a partir dele, serviços equivalentes com custos mais "justos" ao bolso. Nessa história, fica a confusão da "globalização" (uma empresa estrangeira operar em terra desconhecida sem estudo) e do domínio de mercado (geralmente quem entra em um mercado com tudo tem dinheiro pra queimar).

Uber não foi bem uma Netflix, a propósito.
Ligeiro
tal como um profissional nocivo também.
Ligeiro
Eu não discordo da questão da lei ser protecionista demais - conheço taxistas e tenho familiares que foram. Há muitos taxistas novatos que queriam a renovação da lei, e agradeceram por hoje o Uber ter botado lenha na fogueira e desvalorizado o serviço - isso facilitou a política para mudanças na legislação sobre transporte.

O ponto, o que acho falho as pessoas de tech não entenderem, é que transporte não é um produto de consumo, mas sim um serviço essencial. Sempre falo e bato na mesma tecla: pesquisando a história do início e regulação dos táxis, você vê a mesma situação que hoje o Uber tem e que culminou na regulação pelos governos: muita gente ofertando serviço de transporte e pouca qualidade.

"Jogar o transporte na mão do mercado", ao menos no Brasil, gera carteis e problemas - imagino que deva ao menos conhecer a situação das "famílias dos transportes" no Brasil.

Da tecnologia, o ponto é que 10 anos ainda é pouco para uma tecnologia de alto refinamento, tecnologia autônoma não é "bota um carro na rua e espera ele desviar dos outros e seguir as regras de trânsito". E na cabeça de muitos, é meio que um desejo meio egocêntrico.

E mesmo uma tecnologia autônoma plena tem que ter uma minima interferência humana. Mesmo as ditas pela Google/Waymo. Há toda uma engenharia por trás e um monitoramento necessário para impedir abusos. O que não é diferente de um operador remoto - como na linha 4.
Bruno Pinho
O Mercado deixado solto só produz isso: injustiça e iniquidade.
Bruno Pinho
O Mercado deixado solto só produz isso: injustiça e iniquidade.
Gesonel o Mestre dos Disfarces
Pelo contrário, problemas entre Uber e Motoristas estão ocorrendo no mundo todo.
Gesonel o Mestre dos Disfarces
Ou seja: a economia não se importa com as pessoas.
Gesonel o Mestre dos Disfarces
Essas táticas picaretas ocorrem em outros países, também. o Uber não tá dando errado só aqui.
Investidor Tresmil
Leiam o livro "por dentro do Uber", que já contou essas histórias em detalhes
CtbaBr©
Me desculpe Reinaldo, mas não justifica mesmo!O motorista da Uber também avalia o passageiro, isso é ótimo, melhora o sistema como um todo!Na minha opinião a Uber ainda tem mais virtudes que defeitos, mas é preciso reconhecer os erros e corrigi-los, tentar encobri-los não sera bom para ninguém!
CtbaBr
Me desculpe Reinaldo, mas não justifica mesmo!
O motorista da Uber também avalia o passageiro, isso é ótimo, melhora o sistema como um todo!
Na minha opinião a Uber ainda tem mais virtudes que defeitos, mas é preciso reconhecer os erros e corrigi-los, tentar encobri-los não sera bom para ninguém!
Rodrigo Fante
Acho que ninguém quer que o Uber domine, ninguém quer que o Netflix domine, mas é aquela coisa de David contra Golias, começaram pequenos, ameaçando um monopólio ou uma forma de trabalhar estabelecida e conseguiram avançar, passa um tempo e eles se tornam o próximo gigante a ser batido e a pessoas torcerão pelo próximo David para ver se melhora o serviço e reduz custos.
Anayran Pinheiro
Não, não sou taxista, e não acho que a qualidade dos passageiros deva ser desculpa para tais atos execráveis por parte dos motoristas. Tanto o Uber quanto os motoristas estão errados, porém nenhum dos dois quer assumir a culpa.

Aqui em Brasília cansei de ver fila de uber na frente de show com os carros ligando apenas o primeiro carro para receber o chamado para poder receber mais. Isso é antiético e vai totalmente contra o princípio de livre-mercado. E eu, como usuário, tenho direito não somente de reclamar, mas de deixar de usar este serviço.

No momento não uso Uber, não somente por tais práticas péssimas mas principalmente pela falta de concorrência. E o caminho que o Uber está seguindo infelizmente não está sendo muito diferente dos taxistas.

As vezes penso que ter defendido esta forma de mobilidade foi em vão, porque do ano passado pra cá as coisas pioraram demais para quem é usuário. E só espero que venha uma melhor concorrência para acabar com este abuso.
Jambeiro
O problema não é tanto o Uber, e sim o maldito do brasileiro.
Ricardo - Vaz Lobo
Numa boa, vou contar o que aconteceu comigo (e não com o tio do cunhado
do colega do vizinho surdo mudo): pedi o Uber e fui pra porta do barraco
esperar. O carro demorou 'praca' e nada. Em seguida a mensagem de
que o motorista desistiu da corrida, beleza, pedi outro, vida que segue. Mas o que me deixou bolado
foi um carro, novinho à beça, com a mesma placa e modelo que pedi da primeira vez, parou do outro
lado da rua, o piloto desceu usando camiseta e bermudas e trocou a
direção com uma mulher, que continuou dirigindo e o camarada foi pro
carona. Normal?
Trovalds
Mas passageiro péssimo é nocivo pra qualquer serviço, até mesmo os táxis. Então...
Trovalds
- Autônomos: 10 anos. Você leu essa parte, não? Precisam haver algumas adequações também nas vias de tráfego. Por isso existem estudos nesse sentido também, não só em como aperfeiçoar os algoritmos dos veículos.

- Metrô não é autônomo. Depende de condutor e/ou controlador (presencial no próprio carro ou remotamente). E o transporte coletivo público não é farto e satisfatório o suficiente pra atender a demanda que tem (exceções aplicáveis).

- Ninguém força ninguém a nada, tudo é questão de educação. Dizer que o Uber força o licenciado a trapacear é afirmar que somos corruptos. Não está satisfeito com o serviço, basta se descredenciar.

- O resto é discurso retrógrado. O Uber pode ser equiparado a um serviço de transporte particular de passageiros? SIM. Só que a Lei que regulamenta esse tipo de serviço é retrógrada e protecionista. Pra você conseguir a licença de um táxi você depende de uma concessão municipal. Elas são limitadas e muito de tempo em tempo são concedidas novas. E essas de cara já esbarram no sindicato que diz quem pode ou não ter uma licença dessas. OU você tem um pistolão gigante com algum importante (político, empresário) pra conseguir uma licença. E isso tem custo, seja financeiro, seja influência. Daí você tem custos pra manter essa licença. É sindicato e prefeitura. Se você quer ter um rádio no carro pra receber chamadas, paga por isso também (uma cooperativa). Se quer fazer ponto em algum local de grande movimento como um aeroporto ou rodoviária, tem que conseguir uma licença também, que pode ser pública (prefeitura) ou de uma cooperativa que gere ou ambas. Isso também depende de dinheiro E influência. Isso só pra citar o quesito BUROCRACIA em ser taxista. Por que o esperneio contra Uber e cia? Porque eles dispensam toda essa burocracia e protecionismo. Você paga uma taxa pra prefeitura e acabou. O resto todo é você e o Uber. Você não tem "picuinha" com sindicato e cooperativa te obrigando a trabalhar por X horas ou rodar X KM por dia, você sendo obrigado a consertar seu veículo na oficina conveniada X e mais um monte de coisas que acontecem dentro da máfia chamada táxi.

Negócio é: não querem adequar a Lei pra haver concorrência. Por que? Não é interessante haver concorrência. E como eu disse antes: o próprio mercado do Uber vai se regular com o tempo. Seja por desligamentos, seja por desistência. MAS é fácil bradar "hipocrisia" e tá tudo certo.
Reinaldo RT
Acontece que vc joga no colo dos motoristas da uber o problema, mas se esquece da qualidade dos passageiros. Péssimos e picaretas.
Reinaldo RT
Cara, vc é passageiro ou taxista?
Se é taxista, tenho dó de você.
Se é passageiro, eu como motorista, tenho uma coisa a lhe dizer:
A qualidade dos passageiros é uma lástima. Muitos são pilantras, arruaceiros, fedem a bebida, querem fumar no carro, brigam e reclamam sem motivos o tempo todo.
A qualidade caiu muito. A Uber devia selecionar quem entra no meu carro.
Reinaldo RT
Pra começar, essa reportagem da Veja citada nesta matéria é MENTIROSA E COMPRADA.
Muito fácil de perceber que é assim porque o "reporter" que se passou por motorista inclui nos seu gastos despesas de seguro, ipva, peças, revisões, manutenção, massss.....
É CARRO ALUGADO! NÃO TEM NENHUMA DESSAS DESPESAS MENTIROSAS.
Logo, o restante da "reportagem" que diz que os motoristas trapaceiam forçando o cancelamento, forçando preço dinâmico, coisas que não existem é, da mesma forma MENTIRA! Um motorista sabe muito bem que fazer isso gera ENORME prejuízos a ele.
Felipe
Também tenho essa sensação. Nunca gostei do Uber, até tenho no celular, mas uso só o 99. Nunca entendi o porque as pessoas sempre querem que o uber domine tudo, que a netflix domine tudo... não pode querer várias opções não?
Agora, uma empresa com essa postura só sobrevive se for do tamanho de um Facebook da vida, Uber não consegue ainda impor suas vontades desse jeito
Keaton
Sério, desse jeito fica complicado defender o Uber... Até mesmo o porque os taxistas passaram a oferecer um serviço menos porco em Curitiba... até taxi preto tem já. :P
Ricardo - Vaz Lobo
Taxistas, principalmente os picaretas e bandalhas, amando tudo isso.
CtbaBr©
Corrigi meu lapso: A empresa... O Sistema... Enfim!O sistema da Uber é ótimo, mas a empresa tem errado muito, no mundo todo!O sistema pode ser copiado inclusive pelos taxistas, mas se os mesmos vícios do sistema de táxi continuarem, nada mudara. Por outro lado uma "fila virtual" de 200 carros é algo absurdo, algo esta errado e precisa ser aperfeiçoado!
CtbaBr
Corrigido: A empresa... O Sistema... Enfim!
O sistema da Uber é ótimo, mas a empresa tem errado muito, no mundo todo!

O sistema pode ser copiado inclusive pelos taxistas, mas se os mesmos vícios do sistema de táxi continuarem, nada mudara.
Por outro lado uma "fila virtual" de 200 carros é algo absurdo, algo esta errado e precisa ser aperfeiçoado!
Henrique Queirós
UBER ta caindo no mundo todo, quem dera fosse só os BRs que atrapalhassem. Mas é foda como o povão destrói coisas inovadoras.
Plag (aplicativo de comunicação) tinha uma ideia maravilhosa, das mais geniais que já vi....
Lotado de "Meme" e imagens engraçadinhas.
OMEGLE: Outro que tem uma capacidade fantástica, e é resumido em "H ou M?"
CtbaBr©
Essas "táticas picaretas" usadas pelos motoristas da Uber, são bem parecidas com as usadas pelos taxistas, o sistema é outro mas os vícios são os mesmos!Uber precisa ouvir mais seus motoristas e aprimorar o sistema, em contrapartida os motoristas precisam abandonar essa "táticas picaretas"!O "braziu" é essa zona justamente por causa dessa nossa "pseudo esperteza"!
CtbaBr
Essas "táticas picaretas" usadas pelos motoristas da Uber, são bem parecidas com as usadas pelos taxistas, o sistema é outro mas os vícios são os mesmos!

Uber precisa ouvir mais seus motoristas e aprimorar o sistema, em contrapartida os motoristas precisam abandonar essa "táticas picaretas"!
O "braziu" é essa zona justamente por causa dessa nossa "pseudo esperteza"!
Henrique Queirós
Vaia querer culpar os BR's pelo fracasso mundial da empresa, provavelmente.
Anayran Pinheiro
Cadê o mano que me respondeu que o Uber não está em maus lençóis? Fica difícil defender a empresa com péssimos motoristas que fazem tal coisa por se sentirem mal remunerados (ou por serem pilantras mesmo)...
Ligeiro
A única coisa que espero é que ao menos a questão do "serviço por apps" seja bem discutida. O ruim é que isso enterrou as conversas sobre licitação de táxi, ao invés de incentivar a reorganização das licenças dos táxis ou a redefinição do serviço per si.
Henrique Queirós
mal gerenciamento, escândalos e mais escândalos, carros autônomos amarrotados de falhas.... UBER não vaia sobreviver
Ligeiro
O problema maior do Uber é eles se enxergarem como "donos do mundo", ao que noto. Estão tentando peitar quaisquer um que estiverem contra eles. Governos, usuários, os próprios colaboradores...

Partindo do princípio que no fundo as pessoas são fãs de monopólio (precisamos passar 100 anos para ver que os processos contra monopólios no final não resolveram muita coisa), não é a toa que o Uber tem todos estes problemas.

Se tivesse uma concorrência que se imposte como boa alternativa (o que é difícil,sendo que os serviços de motorista ainda estão em uma espécie de litígio mesmo com as legislações), talvez teríamos menos problemas. Não dá.

Quem lê um pouco mais, sabe que em alguns lugares, onde o Uber atuou e saiu, acabou entrando alternativas locais de serviço. Em São Paulo mesmo há relatos (acho que vi até aqui no TB) de pessoas que entraram no vácuo do Uber não atuar em alguns bairros e criaram seu próprio serviço de motoristas particulares.

Novamente: acho muito estranho não colocarem o Uber no contexto da mobilidade urbana. Serviços de transporte entram neste tipo de assunto e deveriam ser discutidos e estudados, ao invés de só "abrir o mercado" e deixar acontecer.
Henrique Queirós
UBER ta caindo no mundo inteiro, não é só culpa dos BRs
Ligeiro
1) Prometer veículo autônomo é uma promessa díficil, e o histórico do Uber mostra que o que ele fez é mais marketing do que qualquer outra coisa. A situação da Otto mostra isso. Não temos veículos autonomos inteligentes o suficiente para isso, e não vai ser tão rápido que vai sair um veículo plenamente seguro baseado em câmeras e sensores.

Querem carros autônomos de verdade? Vão de Metrô. Confiável, funcional, barato e prático. O segredo está nos pés: o melhor e mais seguro jeito de fazer um veículo autônomo é botando sobre trilhos e sob ambiente controlado.

2) Não discordo que há o problema do "jeitinho brasileiro", mas isso é culpa do Uber sim também de alguma forma. A mecânica de oferta de serviços dele permite toda esta situação e o resultado é comprovado hoje. A "abertura de mercado" tão almejada (hipocritamente) pelos "liberais tecnológicos" resultou nisso, pois abrir mercado não significa ter serviços de qualidade em maior número, mas sim o contrário. Sempre falei isso nos comentários.

3) Insisto e repito sempre: a entrada de serviços de motorista via app deveria ser colocada no contexto da mobilidade urbana. Enquanto os "liberais tecnolólgicos" baterem o pé falando que "uber não é táxi", dá nisso. Outros países criaram regulamentações mais eficientes e no final ou transformaram o Uber (e similares) em táxi ou fizeram regulamentações que equilibraram as balanças. A discussão de liberar ou restringir o Uber, ou da qualidade do serviço é pouca. O tema tem que ser a mobilidade urbana e onde se insere a questão de motoristas particulares.
Pio ♙
Falou e disse,parceiro:o que temos hoje é só um modelo;a intenção original sempre foi por carros-autonomos.
Pio ?
Falou e disse,parceiro:o que temos hoje é só um modelo;a intenção original sempre foi por carros-autonomos.
Trovalds
Se você leu a matéria vai ver que o Uber tem sua parcela de culpa sim, mas o "jeitinho brasileiro" e o excesso de concorrência interna (aka muitos motoristas) também ajudam a tornar o negócio menos rentável. Principalmente depois de criarem o UberX e permitir carros com até 10 anos de uso. Enfim, a culpa recai de ambos lados.

E é tudo uma questão de ajuste: os motoristas "trapaceiros" aos poucos vão sendo desligados do serviço, alguns desistem, seja em favor da concorrência seja por deixar de vez a atividade.

E Uber por Uber a ideia mesmo é que os veículos sejam autônomos. O modelo de hoje é só pra firmar a marca no mercado. A previsão é que os motoristas sejam eliminados da equação em menos de 10 anos.
Henrique Queirós
UBER ta decaindo mesmo, queda atrás de queda. A empresa vai acabar falindo. Tudo que os taxistas querem. espero que a Waze cresça logo, quanto mais concorrência melhor.