Início » Negócios » Uber tem prejuízo de US$ 1 bilhão e tenta depender menos de carros

Uber tem prejuízo de US$ 1 bilhão e tenta depender menos de carros

Uber teve maior faturamento em corridas e Eats, mas perdeu US$ 1,07 bilhão; empresa planeja IPO na bolsa de valores em 2019

Por
40 semanas atrás

O Uber teve prejuízo de US$ 1,07 bilhão no terceiro trimestre deste ano. Trata-se de um valor considerável, mas na verdade é uma redução de 27% em relação ao mesmo período do ano passado — as perdas vêm diminuindo aos poucos. Além disso, o volume de corridas aumentou, assim como a receita do Uber Eats para delivery de comida. A empresa planeja estrear na bolsa de valores em 2019.

Uber

Somando o valor total das corridas e das entregas, o Uber recebeu US$ 12,7 bilhões no trimestre. Isso inclui US$ 2,1 bilhões do Uber Eats, aumento de 150% em relação ao ano passado.

O CEO Dara Khosrowshahi quer diversificar os negócios do Uber. Ele acredita que, em dez anos, apenas 50% da receita global virá de corridas em carros. O restante dependeria do Uber Eats, aluguel de bicicletas e patinetes, e transporte de carga por caminhões (Uber Freight).

Descontando o valor pago aos motoristas e entregadores, a receita do Uber foi de US$ 2,95 bilhões. Isso já leva em conta as promoções para passageiros, os incentivos para motoristas e os reembolsos. O valor representa uma alta de 38% se comparado ao ano anterior.

Por que o Uber tem prejuízo

Como todo esse dinheiro se transforma em prejuízo? Afinal, o Uber não paga pelos carros, combustível nem manutenção. Explicamos antes que sai caro manter uma infraestrutura global; além disso, parte da receita é investida em P&D para veículos autônomos.

O CrunchBase nota que boa parte dos custos está em vendas e marketing; gastos administrativos (salários, pró-labore); e pesquisa e desenvolvimento. Basicamente, sustentar a estrutura do Uber é algo que atualmente custa mais caro que a empresa obtém com corridas e entregas.

O diretor financeiro Nelson Chai diz em comunicado que o prejuízo de US$ 1,07 bilhão decorre de investimentos “em toda a nossa plataforma, incluindo delivery, frete por caminhão, bicicletas elétricas e patinetes, além de mercados com alto potencial na Índia e no Oriente Médio, onde continuamos a solidificar nossa posição de liderança”.

Uber

Em outubro, o Uber começou a operar um serviço de patinetes elétricos nos EUA. A empresa adquiriu a startup Jump que trabalhava com compartilhamento de patinetes e bicicletas. Ela também quer testar seu veículo voador elétrico em São Paulo e no Rio.

Claro, o Uber não se esqueceu das corridas por carro. A empresa lançou o Uber Juntos, substituindo o Pool no Brasil; estreou um serviço de assinatura nos EUA que “remove” a tarifa dinâmica; e criou um app Lite para mercados emergentes.

Ela recebeu um investimento da Toyota que colocou seu valor em US$ 72 bilhões; isso pode chegar a US$ 120 bilhões no IPO planejado para o ano que vem.

Com informações: Axios, TechCrunch.

Tecnocast 095 – O Uber está piorando o trânsito das cidades?

Eu sempre tive a impressão de que o Uber estaria diminuindo a quantidade de carros em circulação nas grandes cidades. A lógica é simples – manter um carro pode ser muito mais caro do que usar apenas apps, dependendo do trajeto que você faz no seu dia-a-dia.

Mas de acordo com uma pesquisa que publicamos semana passada, não é bem assim. O Uber (e os apps no geral) geram mais trânsito do que um carro pessoal, por exemplo. Nesse episódio discutimos os detalhes dessa pesquisa além de alternativas para contornar esse problema. Dá o play e vem com a gente!

Mais sobre:
Participe das conversas do Tecnoblog

Leia o post inteiro antes de comentar
e seja legal com seus amiguinhos.

Carregar Comentários Conheça nossa política de comentários aqui.